Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


abril 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 1, 2021

Paulo Bruscky na Amparo 60, Recife

A mostra de Paulo Bruscky na Amparo 60 traz um olhar sobre a pandemia do coronavírus e a importância das criações artísticas para enfrentar este momento

Uma das lições do atual período de pandemia é a importância da arte. O que seria do período de isolamento social sem ela? A afirmação da importância e da presença da arte é algo que acompanha o trabalho do artista multimídia Paulo Bruscky há décadas e norteia, também, a exposição A virulência da arte, a ser inaugurada nesta quinta (28), na Galeria Amparo 60. São artes classificadas, colagens e uma performance – todas inéditas –, sob curadoria de Mariana Oliveira. A exibição fica aberta ao público até o dia 26 de fevereiro, tanto no espaço físico da Amparo quanto em suas redes sociais e no site da SpotArt, parceira da iniciativa e responsável também pela expografia da mostra.

Bruscky conta que começou a produzir as peças em março do ano passado, quando foi visitar sua filha e a neta recém-nascida em Paris, época em que o coronavírus começou a se disseminar por todo o mundo. “Foi um grande impacto não só para mim, mas para a humanidade. Quando estávamos tendo tantas conquistas com a tecnologia, somos pegos por essa peste”, lembra. O artista desembarcou no Brasil em abril e finalizou as colagens já sob o impacto do avanço da pandemia em todo o mundo. “Neste momento de isolamento social, tenho trabalhado muito, chego cedo ao ateliê e passo o dia lá em plena produção. No caso das colagens, comecei o processo no computador com minha filha, na França, e terminei no meu retorno ao ateliê, com a inserção de outros elementos”, explica.

A exposição tem um forte caráter político e o descontentamento do artista com a postura do governo em relação a este momento está retratado bem diretamente em uma das colagens e na serigrafia, preparada com exclusividade para a mostra. Trata-se de uma bandeira do Brasil rasgada e despedaçada ligada a frase: “O que nos espera?”. “Eu tinha essa bandeira há tempos, depois folheando uma revista, encontrei a frase completa, e, a partir desses dois elementos, saiu essa obra que representa muito bem a exposição como um todo”, conta Bruscky. “Essa colagem é bem forte e mostra o sentimento que vivemos neste momento de incertezas, em que mesmo com as vacinas, temos uma liderança nacional negacionista e que trabalha contra a população e a ciência. Para onde vamos? O que nos espera? Como sempre faz, Bruscky nos provoca”, diz a curadora Mariana Oliveira.

O artista também se dedicou a produção de Arte Classificada, fazendo publicações e intervenções que chamavam atenção para as angústias do momento, para a solidão e para o papel que a arte tem. Num dos classificados ele vaticina: “A virulência da arte é maior que a solidão do coronavírus”. Numa outra ação, ele convoca a população a prestar uma homenagem aos profissionais de saúde da linha de frente. “Mesmo perante toda essa ausência – principalmente governamental – eles arriscam suas vidas para salvar as nossas. Por isso, fiz a arte classificada Poesia Sonora, convidando as pessoas e instituições a fazerem barulho para homenagear essa categoria tão importante”, lembra o artista.

Em uma performance, também inédita, realizada neste mês de janeiro na galeria, documentada em vídeo especialmente para a mostra, Bruscky volta a questionar o papel da arte e sua perenidade. Haja o que houver, passe o que passar, a arte fica. “A Virulência da arte é uma ode a isso, à presença, à permanência e à essencialidade da arte nas nossas vidas. Ideia que aparece recorrentemente nos trabalhos de Bruscky. Ele já nos perguntou, na década de 1970, num de suas obras: ‘o que é a arte e para que serve?’”, destaca a curadora. “A gente está vivendo numa sociedade tão autômata, que simplesmente não pensa, e que agora se vê obrigada a refletir, em meio a essa pandemia”, complementa o artista.

A exposição faz parte do projeto Mirada, idealizado pela galerista Lúcia Costa Santos em parceria com a SpotArt. A ideia é, a partir da mirada, do olhar, de um espaço expositivo reduzido, quase uma vitrine, ampliar o alcance das obras. A iniciativa, que nasceu neste momento de pandemia, tem um caráter virtual muito forte, aliado à possibilidade do presencial. Esta será a segunda exposição do projeto que vai se estender ao longo de 2021.

Para Ricardo Lyra, um dos sócios da SpotArt, a parceria com a Amparo 60 no projeto Mirada é a confirmação de um trabalho de cinco anos. “Tanto a mostra de Marcelo Silveira que deu início ao projeto (realizada no ano passado) como a de Paulo Bruscky e as demais que estão por vir, abrem um caminho na arte contemporânea para o SpotArt”, afirma. “Com Paulo Bruscky estamos tendo uma vivência ou uma imersão neste novo mundo. Todo seu conhecimento, sua forma de criar e apresentar sua obra estão sendo bastante enriquecedores”.

Posted by Patricia Canetti at 2:08 PM