Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


março 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 27, 2021

Um lugar lugar nenhum: Paisagens contemporâneas na Marilia Razuk, São Paulo

Exposição coletiva na Galeria Marília Razuk reflete sobre o gênero da paisagem na pintura

Com curadoria de Rodrigo Andrade, exposição propõe diálogo a partir da linguagem pictórica entre sete artistas de trajetórias e pesquisas diversas

A paisagem como um tema e como força atemporal da arte é fio que conduz a exposição Um lugar lugar nenhum: Paisagens contemporâneas, coletiva em cartaz a partir de 4 de março, na Galeria Marília Razuk. Com curadoria do artista Rodrigo Andrade - um dos principais nomes da pintura contemporânea brasileira -, a mostra reúne nomes de diferentes gerações e trajetórias, todos conectados pela linguagem pictórica.

São artistas como o mineiro Alexandre Wagner, autor de uma sólida pesquisa pictórica; o brasiliense David Almeida, artista que investiga múltiplas linguagens, do desenho a instalações, com interesse especial pela pintura; o artista e poeta Evandro César, cujas raízes provém do slam, da arte urbana e do pixo da Cidade Tiradentes, região da Zona Leste de São Paulo, onde nasceu e vive até os dias atuais; Joaquim Pinkalsky, artista paulistano que desenvolve seu trabalho a partir da aquarela, da gravura e da escultura; Link Museu, artista que carrega influências do pixo e da arte urbana de sua região natal, o bairro de Cidade Tiradentes, no leste de São Paulo; a multiartista paulistana Maria Andrade; e Mariana Serri, artista mineira que pesquisa por meio da pintura questões históricas-filosóficas e as semelhanças entre a cor e a linguagem.

Em um ato que remete aos primórdios da pintura moderna, quando os artistas pintavam ao ar livre, diante da natureza e do mundo, o curador propôs uma espécie de ateliê aberto no Luau dos Loucos, uma horta urbana situada entre um riacho que separa os distritos de Cidade Tiradentes, Guaianases e Itaquera. É a partir destas paisagens e de momentos de troca entre os artistas que nascem as 35 telas que compõem a mostra.

“Sete pintores de São Paulo às voltas com um gênero tradicional que está na origem da arte moderna, enfrentando um contexto contemporâneo complexo, problemático e travado, ainda que potencialmente libertário. Juntos, trazem paisagens imaginárias e paisagens pintadas in locu, ao ar livre, formando um conjunto heterogêneo de pinturas que, não obstante, dialogam entre si”, reflete Rodrigo Andrade. “É a paisagem como um tema quase não tema, um pretexto para pintura. Atemporal”, completa.

Artistas participantes: Alexandre Wagner, David Almeida, Evandro César, Joaquim Pinkalsky, Link Museu, Maria Andrade e Mariana Serri.

Sobre os artistas

Alexandre Wagner (1985) – Nascido em Belo Horizonte, atualmente vive e trabalha em São Paulo. Cursou artes visuais pela UFMG com Habilitação em pintura, em 2011. Desde 2013 participou de diversas exposições coletivas, destacando-se a 11ª edição do Abre Alas, na Galeria Gentil Carioca, Rio de Janeiro, com curadoria de Lívia Flores, Michelle Sommer e Daniel Steegmann Mangrané, a coletiva Oito Artistas na Galeria Mendes Wood DM com curadoria de Lucas Arruda e Bruno Dunley, e Um desassossego, na galeria Estação. Em 2018 fez suas duas primeiras exposições individuais: Sol da Noite Galeria Bolsa de Arte, Porto Alegre e Pequenos Formatos na Baró Galeria, São Paulo.

David Almeida (1989) - Nasceu em Brasília e atualmente vive e trabalha em São Paulo. Sua pesquisa se desenvolve por meio de múltiplas linguagens como desenho, objeto, fotografia, instalações, performance e, sobretudo, a pintura. Sua produção tem como eixo principal as problemáticas do espaço e do corpo em percurso, explorando a visualidade do território íntimo, do ateliê, da cidade e da paisagem natural. No espaço pictórico, investiga os limites entre presença e ausência, através de elementos da pintura e de sua semântica narrativa.

Formado em Artes Plásticas pela Universidade de Brasília, realizou a mostra individual A task of wonders, durante a residência no Espronceda Art Center, em Barcelona, Espanha (2020). Premiado em 2013 e 2015 no 12º Salão de Arte de Jataí, em 2014 pelo 20º Salão Anapolino de Arte e em primeiro lugar no I Prêmio Vera Brant de Arte Contemporânea em 2016, participou de mostras coletivas como Segunda Naturaleza, Fernando Pradilla, Madrid, Espanha (2020); Triangular - Arte desse século, Casa Niemeyer, Brasília, DF (2019); e UNS, Library of Love, Contemporary Art Center, Cincinatti, EUA (2017).

Evandro César (1988) – Nasceu em São Paulo e vive e trabalha na cidade. Artista, poeta e produtor cultural, é fundador do coletivo Instituto Du gueto (2016), idealizador da exposição Retrato Falado, no salão do CFCCT (2017). Em 2018 se formou em iluminação cênica pela PRONATEC. Em 2018, produziu o roteiro do espetáculo PAPO DE BOTECO e da direção da FLICT (Festa Literária da Cidade Tiradentes). Em 2019, participou do Monólogo rua ZÉ NINGUÉM. Desde 2018 é membro do coletivo SLAM CT.

Joaquim Pinkalsky (1987) – Nasceu em São Paulo e cresceu num ateliê de gravura e escultura, onde teve contato com diversas mídias e técnicas, a partir de 2013 trabalhou na Graphias ateliê de gravura) onde conheceu Rodrigo Andrade, e passou a ser seu assistente em 2015, tendo um contato maior com a pintura a óleo. Sua obra apresenta influências de seus trabalhos anteriores com game design (pixel art) e da pintura moderna. Entre as coletivas e individuais que participou, destacam-se Encontros e Parcerias, Graphias Casa da gravura (2015), 7th KIWA Exhibition, Kyoto Municipal Museum of Art (2016), e Osten Biennial of drawing ,Macedonia Skopje (2016).

Link Museu (1986) – Nasceu em São Paulo e vive e trabalha na cidade. É fundador do Sarau Luau dos Loucos e responsável pela Horta Urbana Cidade Tiradentes. Artista, poeta, grafiteiro, pichador, pintor. Fundador e coordenador de atividades do Ateliê Um Bom Lugar, ateliê fundado em 2020 pelos coletivos ali:leste, Instituto du Gueto e Luau dos Loucos. Professor do projeto Mais-educa na Escola Estadual Escritor Juan Carlos Onetti. Organizador do Encontro de Grafite no Cohab Fazenda do Carmo.

Maria Andrade (1967) – Nascida em São Paulo, vive e trabalha na cidade. É artista plástica, musicista, compositora e estilista. Desde 1992 participa de mostras individuais e coletivas expondo pinturas à óleo abstratas e figurativas, além de esculturas de zinco e lata. Entre as individuais, destacam-se Cerrado, na Boiler Galeria, com texto do curador e crítico Tiago Mesquita, e A diferença entre as coisas (2019) na Galeria Vírgilio, com texto de Vania Reis. Dentre as coletivas, estão Um desassossego, na Galeria Estação (2016), BR (2016) e 3 Marias (2018), ambas na Galeria Virgílio.

Realizou ilustrações para as revistas Capricho e Veja, elaborou e dirigiu animações para a MTV e, entre 2004 e 2005, publicou semanalmente histórias em quadrinho de seu personagem Brux no jornal Folha de São Paulo. Como coordenadora de oficinas educativas, atuou na Oficina de Esculturas em Metal no MAM (1998-2003), Oficina de Esculturas em Lata, no Sesc Ipiranga, em comunidades no interior de Minas Gerais e em oficinas de tapeçaria com artesãs na cidade de Morro da Garça (MG).

Mariana Serri (1982) - Nascida em Belo Horizonte, atualmente mora e trabalha em São Paulo. Artista plástica formada pela FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado, em 2005. Em 2013 apresentou a exposição individual Áporo na Galeria Marília Razuk, em homenagem ao poema homônimo de Carlos Drummond de Andrade, e também à esta palavra Expôs em diversas exposições coletivas, dentre as quais se destacam: Além da Forma, com curadoria de Cauê Alves no Instituto Figueiredo Ferraz; Os Primeiros dez anos, no Instituto Tomie Ohtake em 2012, com aproximadamente 50 artistas contemporâneos; Paisagens à margem, no Programa de Exposições do Paço das Artes em 2011, com Lucas Arruda, Mariana Galender e Mariana Tassinari; 37ºAnual de Artes da FAAP, na qual recebeu prêmio pela obra Domingo, 2005, (vídeo, 13’31’’). De agosto de 2000 a julho de 2001 cursou o 3º ano do Ensino Médio com habilitação em Artes-Plásticas na Escola De Wijnpers, em Leuven, na Bélgica.

Sobre o curador

Rodrigo Andrade (1962) nasceu em São e atualmente vive e trabalha na cidade. A materialidade da tinta e referências sobre a história da pintura permeiam todo seu trabalho. Sua gestualidade vibrante manifesta-se sobretudo na pintura, mas também transita por suportes como desenho, gravura e objeto. Nos anos 1980, o artista integrou o grupo Casa 7 e, sob a influência do neoexpressionismo alemão, sua obra é apresentada em grandes formatos, com pinceladas expressivas e cores fortes. Na década seguinte, alternou trabalhos figurativos e abstratos e, a partir de 1999, passou a criar obras em que espessas massas de tinta a óleo, em formas geométricas, são aplicadas sobre a tela.

Realizou mostras em importantes instituições nacionais e internacionais. Entre as individuais recentes, destacam-se Estação Pinacoteca, São Paulo, SP (2017); e Pinturas: Seleção 99-06, Museu de Arte da Pampulha, Belo Horizonte, MG (2006); entre as coletivas, estão Oito décadas de abstração informal, Museu de Arte Moderna de São Paulo, SP e Cependant, la peinture: Rodrigo Andrade, Fabio Miguez, Paulo Monteiro, Sérgio Sister, Galerie Emmanuel Hervé, Paris, França (2018); Troposphere, Beijing Minsheng Art Museum, Pequim, China (2017); 30ª Bienal, Pavilhão da Bienal, São Paulo, SP (2013); e 29ª Bienal de São Paulo, SP (2010). Sua obra integra importantes coleções públicas, como Instituto Cultural Itaú, São Paulo, SP; e Pinacoteca do Estado de São Paulo, além de outras coleções particulares.

Posted by Patricia Canetti at 4:19 PM