Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28            
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 26, 2021

Paul Setúbal na Triângulo, São Paulo

Casa Triângulo tem o prazer de apresentar Bronze, Couro, Ouro, sangue, primeira individual do artista Paul Setúbal na galeria.

O corpo é uma dimensão constantemente explorada na produção de Paul Setúbal. Além de um importante suporte material, social e geográfico de discussões que permeiam momentos de conflito, o artista também o explora como modo de vivenciar e testar seus limites físicos, ou como forma de transmutar relações de poder. Com texto de Priscyla Gomes, curadora associada do Instituto Tomie Ohtake, a mostra reúne um conjunto de obras, entre vídeo, instalações e esculturas, que destacam a pluralidade do artista.

Nascido em Goiás, um dos Estados mais violentos do Brasil, Paul viu desde cedo relações que transpõem a força e o autoritarismo. Logo, sua moradia passou a transitar entre São Paulo, Brasília e Goiânia - regiões fronteiriças onde conflitos territoriais se mostram presentes, seja na capital, interior ou metrópole. "Minha pesquisa é dedicada às experiências que o corpo tenta ressignificar. Muitas vezes começa a partir de um acontecimento pelo qual fui impactado ou que não pude compreender em um primeiro momento. Então essas situações passam a se tornar assuntos na minha produção", comenta o artista.

Em cartaz na Casa Triângulo a partir de 27 de fevereiro, a mostra originalmente concebida para setembro de 2020, foi adiada em virtude da pandemia e abre agora o ciclo de exposições de 2021. Bronze, Couro, Ouro, sangue faz alusão aos elementos que compõem as principais obras realizadas para a mostra, atribuindo significados a componentes cruciais à formação da história de um país marcado pela promessa de um progresso e, principalmente, pela violência. Em Sinapses [2015-2020], conjunto de telas feitas com o sangue próprio do artista, folha de ouro e terra vermelha, fala-se de uma camada visceral da vida, da morte e da dor.

No conjunto de trabalhos expostos, há uma constante referência a circunstâncias decorrentes de traumas e choques, universo corriqueiro em contextos sociais dominados pelo abuso de poder e violência. Em seus trabalhos, o artista se apropria e manipula símbolos de poder, como se fosse possível transformar tal energia. "Meu interesse é apresentar um conjunto de obras que dialoguem com a contemporaneidade, onde o corpo é uma estrutura frágil, mas que possui a capacidade de suportar a todo tipo de pressão", explica o artista. A radicalidade da obra de Paul Setúbal também pode ser vista em Duplo [2020], esculturas em bronze que não só evidenciam objetos e ações de coerção, como sugerem ainda terem sido construídas a partir de um imaginário da dominação.

Com uma pesquisa que se desenvolve em diversas plataformas, ao longo da exposição ele aborda as problemáticas e simbologias do corpo na sociedade contemporânea, seu uso, controle, relações de resistência, abuso e poder.

PAUL SETÚBAL [1987, Aparecida de Goiânia, Brasil]. Vive e trabalha em São Paulo. É doutor e mestre em Arte e Cultura Visual e licenciado em Artes Visuais pela UFG. Recebeu em 2019 o prêmio SP-Arte Delfina Foundation (Londres, Inglaterra), onde esteve em residência. Em 2019, participou da residência artística Despina, no Rio de Janeiro. Em 2018 ganhou o Prêmio Foco ArtRio. Também na 14 Edição da SP-Arte, apresentou a performance "Compensação por Excesso". Entre suas exposições individuais, destacam-se: “Corpo Fechado” na C Galeria, no Rio de Janeiro, em 2018, “Dano e Excesso” na Andrea Rehder Arte Contemporânea, em São Paulo, em 2016 e “Aviso de Incêndio”, no Elefante Centro Cultural, em Brasília, em 2015. Participou de diversas coletivas como: “No presente a vida (é) política”, na Central Galeria, em São Paulo, no ano de 2020. Em 2019, esteve em “Aparelho”, Maus Hábitos, em Porto, em Portugal, “36 Panorama da Arte Brasileira: Sertão”, no Museu de Arte Moderna (MAM), em São Paulo e “29 Edição do Programa de Exposições do Centro Cultural de São Paulo (CCSP). Em 2018, participou da mostra “Demonstração por Absurdo”, no Instituto Tomie Ohtake, em São Paulo, “Arte, democracia, utopia: Quem não luta, tá morto!, no Museu de Arte do Rio, no Rio de Janeiro, entre outras. Já no ano de 2017, esteve presente em outras coletivas, entre: “Osso”, no Instituto Tomie Ohtake e “Videografias Performativas”, no Dragão do Mar, em Fortaleza. Suas obras estão presentes em coleções institucionais como MAR, Museu de Arte de Brasília, Museu de Arte Contemporânea, em Goiânia e Fundação Romulo Maiorana, em Belém do Pará.

Posted by Patricia Canetti at 9:23 AM