Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 10, 2020

Hélio Oiticica: a dança na minha experiência no MAM, Rio de Janeiro

Parangolés são o ponto de partida da individual que ocupará o MAM Rio de dezembro a março. Exposição terá programação paralela curada por Leandro Vieira, carnavalesco da Mangueira, e mostra de filmes pela Cinemateca

“Meu interesse pela dança, pelo ritmo, no meu caso particular pelo samba, veio de uma necessidade vital de desintelectualização, de desinibição intelectual, da necessidade de uma livre expressão.” (Trecho do texto ‘A dança na minha experiência‘, escrito por Hélio Oiticica em 1965, que dá nome à exposição)

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio) abrirá a exposição individual Hélio Oiticica: a dança na minha experiência no dia 12 de dezembro de 2020, sábado, às 10h. Correalizada com o Museu de Arte de São Paulo (MASP), a mostra reúne cerca de cem obras do carioca Hélio Oiticica (1937-1980) relacionadas ao ritmo, à música e à dança, sob a curadoria de Adriano Pedrosa e Tomás Toledo, respectivamente diretor artístico e curador-chefe da instituição paulista.

Inspirada pela produção experimental e pioneira dos períodos de investigações geométricas, rítmicas e cromáticas, a exposição tem como ponto de partida os Parangolés (1964 - 1979): as “anti-obras de arte”, como o próprio Oiticica as definia. Um dos trabalhos mais radicais do artista, os Parangolés revelam sua estreita relação com a Estação Primeira de Mangueira e com o samba. E são estas capas, faixas e bandeiras construídas com tecido colorido – que podem exibir sentenças de natureza política ou poética - que conduzem o público a uma retrospectiva da trajetória de HO desde os Metaesquemas (1956-1958) aos Relevos Espaciais (1959-1960), Núcleos (1960-1966), Penetráveis (1961-1980) e Bólides (1963-1979).

"Com uma formação artística que mesclou, de forma bastante particular, o rigor da abstração geométrica com os fluxos e ritmos das ruas do Rio de Janeiro, Oiticica criou uma obra potente e radical, inicialmente marcada por investigações de ordem formalista, mas que cada vez mais se encaminharam para experimentações conceituais e sensoriais, tendo no corpo seu maior meio de expressão”, comenta Tomás Toledo, curador-chefe do MASP.

Em paralelo à exposição, a Cinemateca do MAM vai apresentar de dezembro a março a mostra "Em torno de Hélio Oiticica", com nove filmes realizados pelo artista, outros filmes sobre ele e sua obra, e outros ainda sobre assuntos importantes de seu universo cultural. Inclui as primeiras experiências fílmicas de Jack Smith, referência fundamental e frequentador do Loft#4, residência de Hélio Oiticica em Nova York no início dos anos 1970; "Câncer", de Glauber Rocha, filmado no apartamento de Oiticica no Rio de Janeiro; e registros da presença de Oiticica em eventos artísticos e culturais e em produções de amigos.

A partir de janeiro, em paralelo à mostra, serão realizados um programa público com oficinas, um ciclo de performances, um fórum de debates e um seminário. O carnavalesco Leandro Vieira, da Estação Primeira de Mangueira, é o curador convidado a ocupar o museu durante a exposição e a pensar esta programação, que contará com a participação de integrantes da tradicional escola de samba carioca, em parceria com a equipe de educação do MAM Rio.

Em sua obra, Oiticica abriu a possibilidade de plena participação do público fazendo emergir a figura do participador*, que deve ser estimulado a circular e a vivenciar o espaço expositivo. Considerando a proposição pioneira, a montagem do MAM Rio convida o público a explorar os diversos ângulos das composições rítmicas e vibrantes do artista.

“Aceitamos o convite que o título da mostra nos deu para pensar a expografia. Os espaços do MAM e do MASP são radicalmente diferentes e estamos propondo uma ‘dança‘ entre os trabalhos e o público“, diz Pablo Lafuente, que divide a direção artística do museu carioca com Keyna Eleison. “Os trajetos da exposição vão fazer o público se movimentar muito. Pensamos em alturas e soluções diferentes para cada trabalho, a ideia é dar uma nova vivência à proposta“, informa Eleison.

A individual vai ocupar o Espaço Monumental e uma segunda sala diretamente ligada à mostra Cosmococa, também montada no MAM Rio, que exibe uma seleção de imagens criadas por Oiticica em 1973, em Nova York, em parceria com o cineasta Neville D’almeida. Completa a exposição um filme de Ivan Cardoso, “Heliorama”.

*Por medidas de segurança sanitária, em virtude da pandemia de Covid-19, as obras não poderão ser usadas pelo público.

HO e o MAM Rio

Hélio Oiticica iniciou seus estudos no Museu de Arte Moderna do Rio com Ivan Serpa, em 1954. À época, suas obras dialogavam com as experiências concretistas: o artista participou do Grupo Frente, entre 1955 e 1956, e foi um dos signatários do Manifesto Neoconcreto, em 1959. A partir daí, HO estabeleceu o corpo como motor de sua obra, que se abriu também para o contexto da rua e do cotidiano, apontando para uma relação entre arte e vida.

Em 1965, Oiticica participou da exposição Opinião 65, no MAM Rio, considerada um marco na história da arte brasileira, quando apresentou pela primeira vez, na área externa do MAM, os Parangolés, obras que têm o participador como veículo e intérprete.

“As capas Parangolés eram estruturas que você tinha que vestir no corpo, que se tornavam extensões do corpo... a experiência da pessoa que veste para a pessoa que está fora vendo a outra se vestir, ou das que vestem simultaneamente as coisas, são multiexperiências, não se trata assim do corpo como suporte da obra; pelo contrário, é a total incorporação do corpo na obra e da obra no corpo... eu chamo de in-corporação.” (Hélio Oiticica – Trecho de entrevista publicada no catálogo da exposição, editado pelos curadores Adriano Pedrosa e Tomás Toledo)

Na ocasião, as capas foram usadas pelo artista e por sambistas e instrumentistas da Mangueira, escola de samba que Hélio passou a frequentar em 1964. A Estação Primeira foi um divisor de águas na vida e na obra do artista: a aproximação o levou a aprofundar reflexões sobre experiências estéticas para além das artes visuais, bem como das artes plásticas tradicionais, incorporando relações sensíveis ao seu trabalho através do ritmo e da dança. Durante a Opinião 65, quando Oiticica chegou ao MAM com os integrantes da Mangueira, em uma espécie de “procissão-festiva”, foram todos impedidos de entrar e acabaram por realizar a “obra-festa” na área externa do museu.

Dois anos mais tarde, em 1967, Oiticica voltou ao MAM Rio na exposição Nova Objetividade Brasileira, quando apresentou o penetrável Tropicália, cujo percurso lembrava muito as “caminhadas pelo morro”, de acordo com o artista. Experimental e crítica, a obra inspirou o nome do disco clássico de Caetano Veloso e Gilberto Gil (1968), e do importante movimento artístico e cultural liderado pelos baianos.

Sobre as séries exibidas

Metaesquemas (1956-1958): composta por mais de 400 trabalhos, esta série consiste em exercícios metódicos, rigorosos, em pequeno formato, em sua maioria em guache sobre cartão, privilegiando experimentações com cores, formas abstratas geométricas e espaço. A grande quantidade de trabalhos atesta o rigor, a disciplina e o engajamento do jovem Oiticica no sentido de explorar ao máximo as incontáveis possibilidades circunscritas a um vocabulário e um meio aparentemente reduzidos. A exposição apresenta mais de 50 Metaesquemas.

Relevos Espaciais (1959-1960): podem ser compreendidos como uma tridimensionalização dos elementos geométricos presentes nos Metaesquemas. São chapas de madeira sobrepostas, pintadas de amarelo e vermelho, que resultam em uma estrutura complexa, com relevos e reentrâncias. São objetos que flutuam no espaço, pendurados no teto, e podem ser vistos de diferentes ângulos, o que ressalta seu aspecto corporal, uma preocupação fundamental de Oiticica no início dos anos 1960. A mostra exibe três Relevos Espaciais.

Núcleos (1960-1966): na trajetória rigorosa, poética e coerente de Oiticica, os Núcleos ampliam a noção de “corpo da cor” ao criarem ambientes cromáticos elaborados com formas geométricas compostas por chapas de madeiras pintadas em nuances variadas da mesma cor. A mostra exibe três Núcleos.

Penetráveis (1961-1980): são instalações manipuláveis construídas a partir de diferentes tecidos e placas, espontaneamente atravessadas por corpos vivos. Exploravam um novo território para produção de arte coletiva, com o objetivo de estimular diferentes formas de comportamento social, pensamento ético e modos criativos de improvisação. Um exemplar será exposto.

Bólides (1963-1979): são uma porta de entrada para os temas de cunho social e político. Os Bólides operam como um recipiente para a cor, a luz, a energia e o entorno. Neles, Oiticica explora questões como a solidez, o vazio, o peso e a transparência. São uma espécie de síntese de todas as investigações formais, espaciais e cromáticas de trabalhos anteriores. Hélio Oiticica: a dança na minha experiência apresenta 19 Bólides.

Parangolés (1964-1979): a exposição culmina com a exibição de 12 Parangolés, anti-obras de arte; capas, faixas e bandeiras construídas com materiais diversos.

Sobre o MAM Rio

O Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (MAM Rio), fundado em 1948, é voltado às vanguardas e à experimentação nas artes, cinema e cultura. Seu acervo de cerca de 15 mil obras forma uma das mais importantes coleções de arte moderna e contemporânea da América Latina. O museu realizou inúmeras exposições que marcam até hoje as expressões e linguagens das artes visuais e abrigou múltiplos movimentos artísticos brasileiros.

O MAM Rio é uma instituição cultural constituída como uma sociedade civil de interesse público, sem fins lucrativos, apoiada por pessoas físicas e por empresas, que tem atualmente a Petrobras, o Itaú e a Ternium como mantenedores por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, e o Grupo PetraGold como patrocinador.

Desde janeiro de 2020, a nova gestão do MAM Rio, liderada pelo Diretor Executivo Fabio Szwarcwald, com o apoio do corpo de conselheiros do MAM e das demais áreas do museu, deu início a um processo de profunda transformação institucional envolvendo novas ideias, novos fluxos de trabalho e novas atitudes. As ações do processo de transformação buscam coerência com o projeto original do museu, pautado pelo tripé arte-educação-cultura. Um movimento de potencialização das ações já realizadas no museu, em consonância com seu histórico, e de acolhimento de todos que desfrutaram da efervescência dos diversos espaços do MAM Rio, incluindo públicos que nunca visitaram a instituição.

Posted by Patricia Canetti at 10:50 AM