Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise no blog:
Arquivos:
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 6, 2020

Coletiva AAA no Fortes D’Aloia & Gabriel - Galpão, São Paulo

As galerias Bergamin & Gomide e Fortes D’Aloia & Gabriel têm o prazer de apresentar a exposição AAA – Antologia de Arte e Arquitetura. Com curadoria de Sol Camacho – arquiteta, urbanista, diretora na RADDAR Architecture e diretora técnica-cultural do Instituto Bardi / Casa de Vidro –, a coletiva reúne mais de 100 obras de artistas, arquitetos e designers brasileiros em uma reflexão sobre a arquitetura, seu papel social, seus procedimentos e sua história.

[scroll down for English version]

Através de um recorte atemporal e não-catalográfico, AAA transita pelo campo das artes visuais – entre pinturas, esculturas, vídeos – e o da arquitetura – com maquetes, peças de mobiliário e fotografias de edificações. São trabalhos que têm a arquitetura como idioma: seja na relação entre a construção de espaços e a sua representação; no uso de materiais da construção civil; ou, ainda, na subversão da própria linguagem como recurso de experimentação com escala, composição e geometria.

Partindo dessas relações, a curadoria adota elementos arquitetônicos para definir as categorias da exposição. A primeira delas é composta por Blocos, Pilares, Muros e Superfícies, agrupando os trabalhos que lidam com os componentes do objeto construído. Em Blocos estão as obras formadas por unidades sólidas e modulares, como as Estruturas de Caixas de Fósforo Preto/Branco (1964) de Lygia Clark e o projeto do MASP, presente na mostra através de uma maquete preliminar produzida pelo Instituto Bardi para a exposição dos 50 anos do edifício. A PMR Chaise Long (1985) de Paulo Mendes da Rocha e o Ponto (2015) de Iran do Espírito Santo, por sua vez, integram o subgrupo Pilares, por explorarem os elementos de suspensão e apoio. Muros analisa a problemática das barreiras públicas, tão necessárias à arquitetura quanto controversas no contexto sociopolítico brasileiro, a partir de artistas como André Komatsu e Ivens Machado. As Superfícies, por sua vez, reúnem obras de Lygia Pape, Athos Bulcão, entre outros, para tratar de abstração, angulações e dobras.

Subtração, Transparência e Cor formam a segunda categoria, que diz respeito aos procedimentos formais de trabalhos dissociados da representação de um objeto específico. Subtração é tomada aqui como uma ação que resulta na conformação de espaços a partir do vazio – recurso presente tanto nos projetos da spbr arquitetos quanto na série Quadroquadro (2013–2016) de Renata Lucas. O recurso da Transparência é explorado em obras de Mauro Restiffe e Joaquim Tenreiro, enquanto a Cor é a ferramenta de decodificação do espaço presente nas tapeçarias de Burle Marx e nas pinturas de Marcelo Cipis.

Já no campo da representação de conceitos espaciais, as obras de Valeska Soares, Rivane Neuenschwander e Oscar Niemeyer integram o subgrupo Interiores, lidando com a noção de familiaridade. Seu contraponto são as Fachadas, que exploram a arquitetura a partir de sua relação com o contexto urbano, como na Janela (2018) de Rodrigo Matheus e nas pinturas de Volpi e Lorenzato.

AAA – Antologia de Arte e Arquitetura é um desdobramento de Exhibit AAA, projeto exibido pela Bergamin & Gomide na Expo Chicago em setembro de 2019. Se na primeira versão a curadoria de Sol Camacho procurava criar um “pequeno atlas” da arte brasileira e sua estreita relação com a arquitetura, esse mapa apresenta-se agora como uma antologia. A coleção plural de temas, épocas e linguagens ganha corpo no ambicioso projeto expográfico, formado por estruturas modulares que operam como uma paisagem sintética.

Venha visitar o nosso online viewing da exposição e, para qualquer esclarecimento, entre em contato por email.


Bergamin & Gomide and Fortes D’Aloia & Gabriel are pleased to present AAA – Anthology of Art and Architecture. Curated by Sol Camacho – urbanist, architect, Principal at RADDAR Architecture and Cultural Director of Instituto Bardi / Casa de Vidro — the show features more than 100 works by Brazilian artists, architects and designers, proposing a reflection on the social function, methods and history of architecture.

Through a timeless and decategorizing selection, AAA navigates the field of visual arts – with paintings, sculptures, and videos – and architecture – with scale models, pieces of furniture and photographs of buildings. These works feature architecture as a vocabulary: be it in the relation between the construction of spaces and its representation, in the use of civil construction materials, or in the subversion of language itself as a resource for experimenting with scale, composition and geometry.

Based on those relationships, the curator established architectural elements to define categories for the exhibition, the first of which consists of Blocks, Pillars, Walls and Surfaces, grouping the works that deal with components of the constructed object. Blocks includes works formed by solid and modular units, such as the Estruturas de Caixas de Fósforo Preto/Branco [Matchbox Structures Black/White] (1964), by Lygia Clark, along with the design for MASP, present in the show by way of a maquette produced by the Instituto Bardi for the exhibition held that marked the building’s 50th anniversary. The PMR Chaise Long (1985) by Paulo Mendes da Rocha and Ponto [Stop] (2015) by Iran do Espírito Santo are part of the Pillars subgroup, exploring elements of suspension and support. Walls as incorporated by artists André Komatsu and Ivens Machado analyzes the issue of public barriers, which are as essential to architecture as they are controversial within the Brazilian sociopolitical context. The fourth subgroup is Surfaces and is made up of works by Lygia Pape, Athos Bulcão, and others, dealing with abstraction, angulations and folds.

Subtraction, Transparency and Color form a second category, dealing with the formal operations at stake in certain works that are entirely divorced from the representation of a specific object. Subtraction is considered as the action resulting in the configuration of spaces on the basis of emptiness – a resource present in the projects of spbr arquitetos, as well as in the series Quadroquadro (2013–2016) by Renata Lucas. Works by Mauro Restiffe and Joaquim Tenreiro explore Transparency. Color, on the other hand, is a tool for decoding space created in the tapestries of Burle Marx and in paintings by Marcelo Cipis.

In the field of the representation of spatial concepts, works by Valeska Soares, Rivane Neuenschwander and Oscar Niemeyer are part of the Interiors subgroup, dealing with the concept of familiarity. Its counterpoint is the Façades subgroup, which explores architecture based on its relationship with the urban context, as in Janela [Window] (2018) by Rodrigo Matheus, and in paintings by Volpi and Lorenzato.

AAA – Anthology of Art and Architecture is an unfolding of Exhibit AAA – a special project developed for Bergamin & Gomide’s stand at Expo Chicago in 2019. While in its first version curator Sol Camacho sought to create a “small atlas” of Brazilian art and its close relationship to architecture, the current topographical depiction is presented as an anthology. A plural collection of themes, temporalities and languages materializes in a bold exhibition design formed by modular structures that operate as a synthetic landscape.

We are pleased to share our online viewing of the exhibition and, for any questions, contact us by email.

Com obras de / With works by

Adriana Varejão, Alfredo Volpi, Aluísio Carvão, Amadeo Luciano Lorenzato, André Komatsu, Angelo Bucci, AR Arquitetos, Arquipélago, Athos Bulcão, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, Barrão, Bruna Canepa, Bruno Brito, Bruno Cançado, Caio Reisewitz, Carlos Bevilacqua, Carlos Fajardo, Carolina Martinez, Cildo Meireles, Cinthia Marcelle, Claudia Andujar, Cristiano Lenhardt, Eduardo Ortega, Erika Verzutti, Fernanda Gomes, Flávio de Carvalho, Geraldo de Barros, Gustavo Utrabo, Hélio Oiticica, Instituto Bardi & Porão, Iran do Espírito Santo, Ivens Machado, Jac Leirner, Joaquim Tenreiro, Juan Araujo, Leonardo Finotti, Lucas Simões, Lucia Koch, Luisa Lambri, Luiz Zerbini, Lygia Clark, Lygia Pape, Manoela Medeiros, Marcelo Cipis, Marcenaria Baraúna, Mauro Restiffe, Messina Rivas, Milton Dacosta, Mira Schendel, Montez Magno, Nelson Kon, Oscar Niemeyer, Paulo Mendes da Rocha, Porfírio Valladares, Renata Lucas, Ricardo Alcaide, Rivane Neuenschwander, Roberto Burle Marx, Roberto Wagner, Rodrigo Cass, Rodrigo Matheus, Sérgio Camargo, spbr arquitetos, Studio MK27, Tacoa, Una Barbara e Valentim, Valeska Soares, Vão Arquitetura

Posted by Patricia Canetti at 1:15 PM