Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


janeiro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

janeiro 30, 2020

Rebecca Sharp + Condo São Paulo 2020 na Sé Galeria, São Paulo

Abrindo a programação de 2020, a Sé apresenta a primeira individual da artista paulistana, Trago uma mensagem do destino, radicada nos Estados Unidos, Rebecca Sharp (1976). Em seu processo poético-espiritual, combina, por meio de uma afincada dedicação de mais de uma década, as práticas pictórica e meditativa.

Sua obra, feita em transe, trata de uma variedade de planos astrais: insólitos mundos recobertos por abismos de vacuidade em matizes vívidos que convivem de modo vibrante. Cada uma das telas abstratas — marcadas por gestos expressivos a fim de materializar uma outra classe de geometria e luminosidade — funcionam como mensagens codificadas, provenientes de seu espaço anímico. “Como se tivéssemos a capacidade de entrar no subconsciente e tomar um retrato, um slide fotográfico”, descreve Sharp, “de um momento que após um instante se esfumaça”. E, para que ocorra a recepção (kabbalah) dessa mensagem, a artista recorre a um método de esvaziamento psíquico com o fim de que brilhe em máxima luminância tudo aquilo que soube e não pode ser visto.

As obras, em sintonia com o título da mostra, operam como mensagens de origem ancestral ou futura, assim como cometas que voltam a aparecer. Em seu universo, esses astros luminescentes surgem como metáforas de corpos que viajam em diversas velocidades, direções e intensidades em espaço e tempo indefiníveis, e o olhar da artista, como um telescópio, nos aproxima desses fenômenos remotos.

Nesse espaço fantástico, de processos psíquicos-pulsionais, todos os elementos imagéticos e sígnicos apresentados por ela afetam e continuamente são afetados por eles mesmos em um magnetismo surreal, sem sinonímias de alcance claro. No começo de uma nova década, em um estado de guerra eminente, Sharp nos desvela a resistência eficaz que podemos encontrar dentro de nós mesmos: a permissão de iluminar tudo o que sabemos e que não pudemos ver.

Com formação em Drama and Theater Arts na Goldsmiths College em Londres, em 2018 participou da 33o edição da Bienal de São Paulo, Afinidades Afetivas na sessão curada pela artista Sofia Borges. Em 2019, esteve em residência por cinco semanas no consagrado California Institute of the Arts. Com curadoria e texto dramatúrgico de Tiago de Abreu Pinto, a exposição ocupará o primeiro andar do novo espaço da Sé com pinturas inéditas, em sua maioria em pequeno formato, e esculturas em barro.

Condo São Paulo - Galeria The Breeder (Atenas) e Galeria Nuno Centeno (Porto)

Pela segunda vez, a Sé será anfitriã no projeto Condo São Paulo e receberá, em seu segundo andar, as galerias The Breeder, de Atenas, e a galeria Nuno Centeno, de Portugal. O Projeto Condo é um programa de exposições colaborativas de larga escala entre galerias internacionais. As galerias anfitriãs compartilham seus espaços com as galerias visitantes, seja co-curando uma exposição ou dividindo seus espaços.

A galeria Nuno Centeno tem destaque em importantes eventos internacionais. Em 2016, com menos de 10 anos de carreira, Nuno Centeno foi nomeado pelo Artnet como um dos 10 galeristas mais respeitados da Europa e em 2018 ganhou o prémio do melhor stand da feira internacional Frieze NY. A galeria visitante traz para o Condo São Paulo o artista português André Sousa. As instalações de Sousa jogam com as noções de valor e com o leque de possibilidades dos contextos da arte e da economia. Seu corpo de trabalho é composto por pinturas de dupla face, grandes contrastes estéticos, materiais e técnicas confrontantes, reproduções de arquitetura vernacular e outros objetos. Em suas pinturas ou vídeos encontramos paisagens, referências literárias, experiências individuais, elementos e apropriações codificadas.

A galeria The Breeder, uma das plataformas culturais pioneiras de Atenas com um time de artistas emergentes e também consolidados, por sua vez, trará o artista grego Angelo Plessas. Partindo do reconhecimento da Internet como potência ambivalente e como algo que se mistura com a realidade cotidiana, o trabalho de Angelo transita entre ambientes digitais e analógicos para evocar suas potencialidades espirituais. Talismãs para afastar os aspectos malignos da tecnologia, seus trabalhos são como convites à celebração do potencial de construção de um novo tipo de espiritualidade em rede.

Posted by Patricia Canetti at 11:02 AM