Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30 31
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 7, 2019

Walter Goldfarb no Midrash, Rio de Janeiro

Walter Goldfarb abrirá individual que marca sua trajetória de 25 anos e celebra uma década de atividades do Midrash Centro Cultural, no Rio

Por ocasião da celebração dos 10 anos do Midrash, o artista Walter Goldfarb foi convidado a expor seu trabalho numa individual, que será aberta no dia 12 de agosto, às 19h. Voltado ao debate e ao ensino de temas relacionados às tradições judaicas, o centro cultural reformista, fundado e dirigido pelo rabino Nilton Bonder, prima pela busca por significados e referências, a partir da literatura, da arte, história, psicologia e política.

Com curadoria de Vanda Klabin, a exposição A menina, a chuva de amoras e outras h(H)istórias ocupará os quatro andares do arrojado edifício no Leblon, que tem projeto premiado do arquiteto Isay Weinfeld. Na fachada do prédio, uma trama composta por letras em hebraico se sobrepõe à alvenaria, formando sempre a palavra “Midrash”, que significa “extrair sentido”.

A exposição

Um rosto alusivo à figura materna é esboçado na lona crua, ao lado de uma mulher e um jovem (apropriado da pintura de Rembrandt) transformados em imagens rendilhadas que remetem a uma certa melancolia. “A menina, a chuva de amoras e outras h(H)istórias” - pintura que dá título à exposição e que levou um ano para ser produzida - homenageia as filhas (Lia e Manuela) e a mãe do artista, Judith Goldfarb, sobrevivente do Holocausto, nascida na Lituânia e transportada aos nove anos de idade com toda a família para o campo de concentração de Stutthof.

As amoras - construídas com botões de galalite vintage sobre um fundo pictórico impressionista, que evoca Monet - aparecem quase despercebidas, como chagas que brotam da epiderme sangrada da figura materna. Um suposto jardim desencarnado que desabrocha em meio à devastação, preso à fibra dos bordados, trazendo à superfície a vibração de um crepúsculo esmaecido e remoto.

Ao formar uma imagem concreta de sua mitologia pessoal e uma ordem constitutiva de sua realidade, Walter Goldfarb nos transmite um fervilhar de imagens em narrativa figurada, que vasculham as profundezas de seu inconsciente. Ele nos confronta com uma familiaridade nada confortável, que traz a turbulência do seu mundo pessoal.

Essas temáticas vieram à tona a partir de interesses específicos que o artista já manifestava em sua pintura e se apresentam como uma extensão natural de sua atuação, complementando e rebatendo as inquietações geradas no embate cotidiano com a tela. Seu trabalho carrega alguns fundamentos da historiografia judaica num diálogo intermitente com o cristianismo e sua atuação circunscreve-se na escritura hebraica e na transmissão da história de seus pais.

Com curadoria de Vanda Klabin, a exposição que seguirá em cartaz até 30 de setembro apresenta 24 obras de diferentes fases, entre pinturas, esculturas, assemblages, serigrafias e uma instalação, que revelam um diálogo constante com a literatura, a música, o teatro e a pintura da Renascença ao Modernismo.

A produção do artista carioca é marcada pelas telas de grandes dimensões e pelas técnicas incomuns. Suas pinturas são construídas a partir de lavagens e raspagens químicas de centenas de bastões de carvão e densas camadas de laca aplicadas na tela através de seringas. As tintas são produzidas no ateliê e diversas técnicas de bordado fazem parte do exercício laborioso de Goldfarb. O repertório de matérias vai desde fragmentos de lápide a miniaturas em ferro de confinadores de gado provenientes de circuitos de trens elétricos.

“A pintura de Walter Goldfarb transformou-se em um campo fértil de pesquisa e inovações, ao instrumentalizar o discurso religioso e os heróis míticos do legado da cultura semita, singularizando as suas experiências biográficas e espaços pessoais transpostos para infinitas estruturas e métricas visuais. Ao adentrar no núcleo de sua poética, percebemos que ela incide no seu caráter híbrido e numa pluralidade de linguagens”, comenta a curadora Vanda Klabin.

“A grandeza e profundidade do trabalho de Walter Goldfarb bastaria, mas somos brindados com uma temática que costura passado e futuro, particular e universal, através da peça matriz que dá título e tom à mostra. Essa chuva de vida a lavar e renovar a História de seus horrores, hoje em tempos intolerantes e sectários, retrata em Holocausto e Holograma os potenciais de nossa natureza. Enfim um evento especial, já que nada é mais celebrativo do que o encontro entre qualidade e sentido”, comenta Bonder.

O artista

Atualmente Walter Goldfarb desenvolve a série “Vamos Todos Cirandar”, que tem por referência as experiências estéticas brasileiras e a relação antropofágica das criações dentro da arte contemporânea, incorporando-as em um campo híbrido que vai além da linguagem particular da música de Heitor Villa Lobos, da literatura de Monteiro Lobato e do teatro de Maria Clara Machado, propondo-se a uma linguagem mais universalizada na arte.

A obra de WG integra importantes acervos institucionais e grandes coleções do Brasil (MAM-RJ e Museu Nacional de Belas Artes) e do mundo (Museu de Arte Moderna e Contemporânea de Lisboa / Coleção Berardo – Museu de Arte Moderna de Miami / PAMM, Perez Art Miami Museum). O artista participou de coletivas e individuais em diversas países, como Itália, Alemanha, Espanha, Portugal, México, Chile e EUA (Nova York, Los Angeles, Miami). Foi nomeado em 2010, pela The Latin Recording Academy®, o Artista Visual do 11th Annual Latin GRAMMY® Awards.

Mais sobre o artista (por Lisette Lagnado, Paulo Herkenhoff e Reynaldo Roels)

>> Trecho do texto ‘Pintura e Ética’, da crítica e curadora Lisette Lagnado:

“Abordar o trabalho de Walter Goldfarb exige de imediato que o comentário se situe num jogo intermitente entre a santidade da criação e a reflexão crítica. Como pintar hoje, sobretudo telas dedicadas à vida religiosa como premissa para valores humanistas?... Walter Goldfarb torna atuais a tradição da pintura e a memória da Shoah (Holocausto Judeu) – ambas heranças incontroversas – na tentativa de inscrever uma consciência existencial e política dentro da linguagem. Somente assim, o depoimento pessoal transpõe os limites do sujeito e torna-se elemento estrutural do trabalho.”

>> Trecho do texto “O Decálogo”, de Paulo Herkenhoff, para a individual D+Lirium Camaleônico, de Walter Goldfarb, no Museu Nacional de Belas Artes | RJ, em abril 2010:

“Para indicar um modo de pensar a pintura de Walter Goldfarb levantou-se um decálogo... Toda a arte é um significante à espera da projeção do significado pelo sujeito do olhar (G. C. Argan).
1. Arderás; 2. Não dirás - Calar-te-ás; 3. Desejarás; 4. Errarás; 5. Não morrerás; 6. Verás; 7. Escutarás; 8. Despenderás e economizarás; 9. Não esquecerás 10. MANDAMENTO ÑAO REVELADO”

>> Trecho de textos selecionados de Reynaldo Roels, editados pelo MAM-RJ:

“Os trabalhos de Goldfarb estabelecem uma relação complexa entre modos esperados e inesperados de construir a pintura. Todos os meios materiais para se executar uma pintura são na realidade um modo de contar uma história, e um modo muito pessoal, em que a tapeçaria adquire um pouco o mesmo papel que teve no passado. Começando com sua própria história (incluindo meios-tons psicanalíticos), ele tece seus comentários sobre a história de arte em um jogo sofisticado entre subjetivo e objetivo, seus próprios fantasmas e o peso de uma tradição que repousa nos ombros de todo artista.“

Posted by Patricia Canetti at 3:50 PM