Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 9, 2018

Mostra Bug no Oi Futuro, Rio de Janeiro

Exposição e conferência internacional apresentam formas inéditas de contar, provocar e viver histórias em novas plataformas

Uma imersão no universo das novas narrativas digitais, ainda pouco conhecidas e experimentadas no Brasil, é o eixo da Mostra BUG, que o Centro Cultural Oi Futuro abre 13 de agosto (segunda-feira), às 19h, e vai até 9 de setembro. Com curadoria dos pesquisadores e realizadores André Paz, Julia Salles e Arnau Grifeu, a Mostra BUG combina exposição, conferência internacional e oficinas. O evento apresenta formas inéditas de contar, provocar e viver histórias em novas plataformas. São poéticas alternativas e promessas de novos gêneros e linguagens.

As narrativas interativas e imersivas tomam formatos de webdocumentário, documentário interativo, vídeo 360, animação em realidade virtual, narrativa em realidade aumentada, realidade virtual, mapa de som, instalação transmídia [estação interativa + celular], em website, celular, tablet, computador com ou sem óculos 3D [realidade virtual]. “Bug é um erro de programação, algo inesperado, estranho a um sistema. A mostra BUG traz obras assim, instigantes e incomuns no universo programado que encontramos na internet”, explica o curador André Paz, professor da UniRio e diretor de webdocumentários.

A Mostra BUG tem cerca de 50 conteúdos, entre obras imersivas e interativas, duas projeções interativas e uma instalação imersiva. O conjunto é uma referência dos principais polos criativos internacionais e da produção promissora do cenário brasileiro, com foco em não ficção e em uma abordagem antropológica dos conteúdos dos conteúdos apresentados, entre eles, um inventário dos sons dos sinos de cidades históricas de Minas Gerais, uma viagem à Amazônia do ponto de vista de um índio com dublagem de Marcos Palmeira e uma viagem à África , a partir da relação entre uma comunidade e os elefantes que vivem ao seu redor.

Também fazem parte da Mostra BUG a sobrecarga sensorial de uma autista de 15 anos na festa de aniversário da mãe; o depoimento de uma jovem sobre sua participação em uma gangue na Guatemala; e a apresentação de um programa voltado para o público infantojuvenil, em que se cria o desenrolar de histórias preexistentes.

“A inovação aqui vai muito além da dimensão tecnológica. Requer o diálogo entre arte, ciência e sociedade. Exige a cooperação entre artistas, filmmakers, programadores, designers, tecnólogos e ativistas”, contextualiza Paz.

Paralelamente à Mostra BUG, será realizado o BUGLAB, com palestras, debates e oficinas de discussão sobre as novas narrativas com o uso da tecnologia, entre os dias 22 de agosto e 8 de setembro. Participam professores, pesquisadores e realizadores atuantes em universidades brasileiras e de Nova York, Massachussets, Montreal, Londres, Barcelona, Medellin e Valparaíso.

Curadoria

Coordenador do Bug404, o brasileiro André Paz é professor de Engenharia de Produção com ênfase em Produção Cultural da UniRio, com pós-doutorado em narrativas interativas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) e diretor criativo de narrativas interativas. Julia Salles é professora do departamento de comunicação da Université de Montréal e doutoranda na Université du Québec à Montréal. Realiza pesquisa-criação na área de mídias interativas e imersivas. É membro do comitê de pré-seleção do Festival International du Court Métrage à Clermont-Ferrand. Também integra o Milieux Institute for Arts, Culture and Technology e o Hexagram (Concordia University), no Canadá, e o Bug404 (UniRio), no Brasil, e o catalão Arnau Grifeu é produtor e consultor de narrativas transmídia e interativas, especialmente documentários interativos. Coordenador do interDocsBarcelona (Medellín e Valparaíso), Grifeu é também pesquisador associado ao Open Documentary Lab do Massachusetts Institute of Technology (MIT).

A MOSTRA BUG é uma iniciativa do BUG404 [bug404.net], criado em 2015, como uma rede de pesquisadores e criadores em plataforma digital para apoiar o âmbito transformador das narrativas interativas e imersivas no Brasil, através de ações para o desenvolvimento de projetos e a consolidação de parcerias entre críticos, criadores, produtores e apoiadores.

Posted by Patricia Canetti at 2:42 PM