Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 12, 2018

Marcia de Moraes na Leme, São Paulo

A Galeria Leme apresenta a quarta exposição individual de Marcia de Moraes em seu espaço. Intitulada História do Olho, a mostra apresenta a produção mais recente da artista através de um conjunto inédito de desenhos, colagens e esculturas em cerâmica.

[scroll down for English version]

O espaço expositivo é ocupado por uma grande instalação formada por 15 metros contínuos de desenhos feitos com grafite e lápis de cor. Este conjunto se relaciona com 4 colagens nas quais a artista explora a justaposição de planos bidimensionais de desenho, criando complexas composições de tramas e cores vivas. Essa exploração tridimensional culmina na apresentação, pela primeira vez, de 10 esculturas de cerâmica, nas quais está presente o vocabulário imagético que Marcia vem desenvolvendo há dez anos em seus desenhos e colagens: línguas, dentes, ovos, cordões umbilicais, estruturas cilíndricas e circulares, ossos, caules, caudas, entre outros.

O título da exposição faz uma referência ao livro “A História do Olho” escrito pelo escritor francês Georges Bataille em 1928, que narra as intensas e exóticas aventuras sexuais de um jovem casal, descrevendo de forma detalhada os seus desejos e peripécias envolvendo outros parceiros. Tamanha intensidade leva um dos personagens a sofrer uma síncope e enlouquecer totalmente. Mas os trabalhos desta exposição não foram feitos como uma ilustração do livro. Segundo a artista, a relação destas obras com o livro se tornou evidente a partir dos resultados que ela obteve com a argila e os esmaltes usados nas esculturas. As suas formas exalam erotismo e visceralidade, parecem pedaços de carne cheios de reentrâncias e de penetrações. O acabamento envidraçado e brilhante das peças lhes confere ainda mais organicidade, pois à primeira vista parecem molhadas.

Apesar das suas diversas formalizações, há uma grande coerência entre as obras de Marcia de Moraes nas suas explorações entre os espaços cheios e vazios das composições, assim como no encontro entre cores intensas com formas fluidas e gestuais. Tal fio-comum garante à sua obra uma filiação, por mais que indireta, ao legado das vanguardas abstratas brasileiras, que têm na cor e na sugestão de movimento dois de seus fundamentos. Os seus desenhos em grande escala, as suas colagens intrincadas e as suas esculturas viscerais, são manifestações de diferentes negociações rítmicas espaciais que exprimem cadências psíquicas às imagens. Ao ver os trabalhos juntos, tem-se a sensação que as formas e cores vibrantes saíram dos papéis e agora pertencem ao mundo tridimensional, ou vice-versa. Assim, a exposição convida o público a criar suas histórias com os seus próprios olhos.

Marcia de Moraes
São Carlos, Brasil, 1981. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Dentre suas exposições individuais destacam-se: O Sopro, Centro de Arte Contemporânea W, Ribeirão Preto, Brasil (2018); Os fósseis ou as laranjas, Marcia de Moraes, Oficina Cultural Oswald de Andrade, São Paulo, Brasil (2016); Atos Falhos, Galeria Leme, São Paulo, Brasil (2015); Elaine Arruda e Marcia de Moraes: Cheio de Vazio, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brasil (2014), entre outras.

Exposições coletivas tais como: Intercâmbios/ Tempos Cruzados, SESC Quitandinha, Petrópolis, Brasil; Acervo MARP- Aquisições Recentes. MARP 25 Anos, Museu de Arte de Ribeirão Preto, Brasil (2018); Library of Love, Contemporary Arts Center, Cincinnati, EUA; Kogan Gallery Expose La Collection de Carpe Diem, Kogan Gallery, Paris, França (2017), entre outras. Em 2011 ganhou o Prêmio Funarte de Arte Contemporânea, São Paulo, e em 2016 a Bolsa Pollock Krasner Foundation, Nova York, EUA.

O seu trabalho integra coleções públicas tais como: Acervo permanente do Ministério das Relações Exteriores, Brasília, Brasil; MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto, Brasil. Teve um livro sobre sua obra publicado pela editora Cobogó em 2017.


Galeria Leme presents the fourth solo exhibition by Marcia de Moraes in its space. Entitled "Story of the Eye", the show presents the artist's most recent production through an unprecedented series of drawings, collages and ceramic sculptures.

The exhibition space is occupied by a large installation consisting of 15 meters of continuous drawings made with graphite and colored pencils. This set is correlated to 4 collages in which the artist explores the juxtaposition of two-dimensional planes of drawing, creating complex compositions of traces and vivid colors. This three-dimensional exploration culminates in the first-hand presentation of 10 ceramic sculptures, in which the imaginative vocabulary that Marcia de Moraes has been developing over the last ten years in her drawings and collages is further explored, such as: tongues, teeth, eggs, umbilical cords, cylindrical and circular structures, bones, stems, tails, among others.

The title of the exhibition references the book "Story of the Eye" written by the French author Georges Bataille in 1928. The story narrates the intense and exotic sexual adventures of a young couple, describing in detail their desires and endeavors involving other partners. Such intensity causes one of the characters to suffer a syncope and become completely mad. But the works featured in the exhibition were not made as illustrations of the book. According to the artist, the relation of these works with the book became evident from the results she obtained with the clay and the enamels used in the sculptures. Their forms exude eroticism and viscerality, they look like pieces of flesh full of recesses and penetrations. The glazed finish of the pieces gives them even more organicity, because, at first sight, they seem to be wet.

In spite of their various formalizations, there is a great coherence between Marcia de Moraes’ works in their studies of the relation between the empty and full spaces of the compositions, as well as in the encounter between intense colors with fluid and gestural forms. This common thread makes her work affiliated, however indirectly, to the legacy of the Brazilian abstract avant-gardes, which have in color and in the suggestion of movement, two of its foundations. Her large-scale drawings, intricate collages and visceral sculptures, are manifestations of different spatial rhythms that express psychic cadences to the images. By looking at the set of works within the exhibition space, one has the feeling that the shapes and colors have stepped out of the sheets of paper and now belong to the three-dimensional world, or vice versa. Thus, the exhibition invites the audience to create their stories with their own eyes.

Marcia de Moraes
São Carlos, Brazil, 1981. Lives and works in São Paulo, Brazil.

Among her solo shows: O Sopro, Centro de Arte Contemporânea W, Ribeirão Preto, Brazil (2018); Os fósseis ou as laranjas, Marcia de Moraes, Oswald de Andrade Cultural Workshop, São Paulo, Brazil (2016); Atos Falhos, Galeria Leme, São Paulo, Brazil (2015); Elaine Arruda and Marcia de Moraes: Cheio de Vazio, Instituto Tomie Ohtake, São Paulo, Brazil (2014), among others.

Group shows such as: Intercâmbios/ Tempos Cruzados, SESC Quitandinha, Petrópolis, Brazil; Acervo MARP- Aquisições Recentes. MARP 25 Years, Museum of Art of Ribeirão Preto, Brazil (2018); Library of Love, Contemporary Arts Center, Cincinnati, USA; Kogan Gallery Exhibition La Carpe Diem Collection, Kogan Gallery, Paris, France (2017), among others. In 2011 she won the Funarte Prize for Contemporary Art, São Paulo, and in 2016 the Pollock Krasner Foundation Grant, New York, USA.

Her work integrates public collections such as: the Permanent Collection of the Ministry of Foreign Affairs, Brasília, Brazil; MARP - Art Museum of Ribeirão Preto, Brazil. She had a book about her work published by Cobogó in 2017.

Posted by Patricia Canetti at 10:54 AM