Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 3, 2017

Siri no CAHO, Rio de Janeiro

Artista plástico Siri explora a existência humana na mostra “Habitáveis” no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, no RJ

O artista plástico e sonoro Siri cria um universo imaginário em Habitáveis, sua exposição individual que acontece entre dias 05 de agosto e 30 de setembro de 2017 no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica – Rio de Janeiro. No dia da abertura [05/08, 10h-20h], Siri - que é músico de formação, pretende dialogar com sua criação em uma performance sonora [18h]. A visitação é gratuita.

Para mostra, o artista apresenta esculturas, fotografias e instalações sonoras de espaços habitáveis imaginários, que ocupam todo o segundo andar do museu carioca. A mostra “Habitáveis” busca investigar os meandros entre nosso microcosmos terreno e o macrocosmos utópico para compreensão dos desígnios que regem nossa existência.

Descobertas estelares

Tal qual um astronauta transversal ornado com as vestes das linguagens multipartidas, adentrou no quintal de sua casa no bucólico bairro de Santa Teresa (Rio de Janeiro) e fez uma viagem insólita. Nesse percurso, movido pelo encantamento de seu novo habitat: pomar, horta, abelhas, codornas e galinhas, comprovara sua tese em que seu microcosmos terrestre ali elaborado, se equiparava em todas as proporções, humanas e divinas ao macrocosmos utópico.

Em “Habitáveis”, esculturas sonoras convidam o público a orbitar por um universo cheio de entranhas multidisciplinares e sensoriais provocando o espectador a ir além das suas capacidades auditivas e visuais.

Siri cria uma constelação própria com registro fotográficos de 10 exoplanetas imaginários habitáveis, que orbitam um outro sistema solar criados a partir dos primeiros ovos de suas galinhas e codornas. “Ninho”, instalação sonora composta para exposição, remete a sua gênese. Essa postura antropofágica e faminta faz dele um artista diferenciado, na medida em que não dissocia a arte da vida.

Ricardo Siri nasceu em 1974, no Rio de Janeiro (RJ). Vive e trabalha no Rio de Janeiro (RJ). Percussionista por formação, em 1999/2000, graduou-se como baterista pela Los Angeles Music Academy, nos Estados Unidos, e aprofundou seus estudos de percussão indiana e africana na Sangeet World Music School (Pasadena/CA).

Em 2011, é convidado pelo Comitê Olímpico de Londres para residir e produzir trabalhos durante um mês no projeto Olímpico - Rio London Ocupation no Battersea Art Center, em Londres. Em 2013, foi convidado para a residência artística na Cité International des Arts, em Paris (França).

Realizou as solos “Escalas Variáveis” (2016) e “Oroboro” (2015, também no Espaço Movimento Contemporâneo Brasileiro, no RJ), ambas na Galeria Mezanino (SP); “Das Virgens em Cardumes e da Cor das Auras” (2016) no Museu Bispo do Rosário (RJ); “Je Ma pele Siri” (2014) no Casa França Brasil (RJ); “Paisagem Sonora” (2014) na Casa Daros (RJ); “Liana Ampliathum” (2014) no Parque Lage (RJ); “Blank Page” e “Old London Swing”, ambas em 2012, no Victoria and Albert Museum e V22, respectivamente, em Londres; “Abre Alas” (2011) na Gentil Carioca (RJ); “Fronteiriços” (2011) na Galeria Emma Thomas (SP); “No Tranco” (2011) no Brazil Tudo é… em Florença (Itália); “Distorções” (2011) na Casa França Brasil (RJ); “Boate” (2010) na Arthur Fidalgo Galeria (RJ) e “Obra Prima” (2001) na VERBO – Galeria Vermelho (SP).

Em carreira solo desde 2004, lançou 4 CDs autorais e ganhou o Prêmio da Música Brasileira, em 2010. A partir de 2007, adentrou no universo das artes plásticas sem abandonar elementos constitutivos de sua experiência musical.

Foi selecionado para o 44º Salão de Arte Contemporânea Luiz Sacilotto (2016, em Santo André/SP), os projetos Rumos Itaú Cultural 2005/2006 e Programa Petrobrás Cultural 2007/2008. Participou do Festival Internacional de Linguagem Eletrônica – FILE (São Paulo, SP/2007), XVII Bienal de Música Contemporânea (RJ). Apresentou seu trabalho na Portikus (Frankfurt, em 2013), NBK-Gallery (Berlim, em 2013), Centro Cultural Helio Oiticica (Rio de Janeiro, RJ / 2012), entre outros.

www.siri.etc.br
www.youtube.com/ricardosiri
www.vimeo.com/siripercussion

Posted by Patricia Canetti at 1:41 PM