Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 1, 2017

Helena Trindade no CAHO, Rio de Janeiro

Helena Trindade abre a individual “Domínio Lacunar”, a partir de arquivos do Centro Municipal de Artes Helio Oiticica

A convite do Centro Municipal de Artes Helio Oiticica – CMAHO –, a artista Helena Trindade vai abrir, no local, no dia 5 de agosto, sábado, às 12h, a exposição Domínio Lacunar. Com curadoria de Glória Ferreira, a mostra foi pensada e executada especialmente para esse espaço a partir dos documentos do arquivo do CMAHO.

Para a artista, todo arquivo é um recorte onde as ideias de completude e de objetividade não se aplicam. Daí o nome “Domínio Lacunar”. Helena Trindade se apropria dos arquivos do CMAHO e ocupa as duas galerias do pavimento térreo com instalações construídas com catálogos e cópias de documentos que registram as atividades do local. Com eles, a artista constrói pequenas caixas que, enquanto módulos de apelo táctil e visual, estruturam os trabalhos apresentados. Ocas, no entanto, mostram fotos e escritos de uma forma fragmentária que demanda do espectador sua “investigação” e sua leitura singular. Reunidos de maneira mais ou menos aleatória, imagens e texto deflagram encontros poéticos. Aliás, um traço marcante nas exposições de Helena é a presença da imagem e da escrita, que ela modifica e dispõe de uma maneira própria, segundo sua pesquisa de vinte e dois anos em Poesia Visual.

“Para Helena Trindade, a abordagem do espaço onde vai expor é fundamental na concepção da própria exposição, quer pela história do lugar, de suas vivências e simbolismos. Assim são suas instalações no Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica, com um conjunto de cópias do arquivo desta instituição”, explica a curadora.

Na primeira galeria, são apresentados dois trabalhos que fazem referência à obra de Helio Oiticica, artista carioca que completaria 80 anos este ano. São eles: Bólide AHO e Coluna AHO (AHO querendo dizer “a Helio Oiticica”). O primeiro consiste numa caixa que, construída com a imagem de uma maquete de um Penetrável de Helio Oiticica, é coberta com a mesma tela vazada branca utilizada no estudo do artista. Já Coluna AHO, que se estende do piso ao teto, foi construída com pequenas caixas dos documentos das exposições de Helio Oiticica no CMAHO. Ela faz referência aos Bólides, Ninhos, Tropicália, Magic Square e outras obras de Helio, onde a artista vislumbra a ideia de caixa. A coluna também é pontuada por elementos de cores primárias, uma alusão ao gosto de Oiticica pela obra de Mondrian.

Na segunda sala, Helena apresenta os trabalhos Cata-clismo e Maquinária. O primeiro é construído com catálogos do CMAHO que se “derramam” verticalmente uns sobre os outros e que privilegiam imagens de quadrados, caixas e cubos de autoria de vários artistas. Maquinária é elaborado com documentos, a partir de 2014, transformados em pequenas caixas. São clippings de imprensa, fotos, esquemas de montagem, listas de materiais de produção, convites de exposições, seminários, debates, defesas de tese, agenda de visitas de escolas, entre outros materiais. “Eles compõe uma espécie de ‘escrita do tempo’, onde as pessoas poderão (re)conhecer uma infinidade de atividades desenvolvidas pelo lugar”, diz Helena.

Para a artista, todo arquivo é não-todo, lacunar, sendo esta a condição de possibilidade de sua renovação. “Essa ambiguidade me leva a identificar lacunas nas caixas ocas, porém plenas de informações, nos espaços vazios que pontuam as instalações, na abertura para a interpretação singular de cada visitante, no conjunto fragmentado que determina a maneira sempre parcial e indireta como é apresentado e percebido”, finaliza a artista.

Helena Trindade vive e trabalha no Rio de Janeiro. Sua produção compreende instalações,objetos, vídeo, poesia visual, fotografia, design gráfico e projetos site-specific. Seu trabalho se identifica com a forte tradição brasileira em Poesia Visual. Ele se concentra na materialidade da linguagem, na tensão entre o enunciável e o visível. Desde 1994, a artista tem sido convidada a desenvolver projetos para algumas das mais prestigiadas instituições, sendo que entre as nacionais figuram: SESC, Paço Imperial, Oi Futuro Centro de Arte e Tecnologia, Casa de Cultura Laura Alvim, FUNARTE, Museu da República, Centro de Arte Helio Oiticica, Centro Cultural São Paulo, Espaço Cultural Sérgio Porto e Instituto FEBRABAN de Educação. Helena atuou, ainda, nas seguintes instituições internacionais: City University of New York, École d’Art d’Avignon durante o Ano do Brasil na França, Universidade de Coimbra, University of Hawaii, Metrospace da Prefeitura de East Leasing-Michigan, Fundação Potuguesa das Comunicações de Lisboa e Art Radio da Universidade de Maryland, entre outras.

Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela UFRJ, iniciou livre formação artística na EAV Parque Lage, onde participou dos núcleos de Escultura, Desenho, Gravura, Teórico e de Aprofundamento em Pintura. Em Nova York, cursou Gravura na Art Students League, Teorias da Arte Contemporânea na School of Visual Arts e na New York University. Em 2003, concluiu Mestrado em Linguagens Visuais na Escola de Belas Artes da UFRJ, sob a orientação de Gloria Ferreira, com destaque para a qualidade do trabalho plástico apresentado na dissertação “Campo minado”. Já apresentou exposições no Brasil e no exterior.

Posted by Patricia Canetti at 8:39 AM