Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 23, 2016

Mano Penalva na Central, São Paulo

A Central Galeria tem o prazer de apresentar Balneário, primeira exposição individual do artista Mano Penalva na galeria. A mostra é composta por obras inéditas, transitando entre pinturas, esculturas e instalações que evidenciam a produção, circulação e utilização de objetos no mundo. Os trabalhos são criados a partir de artigos comuns encontrados e adquiridos na rua, mercados populares e em viagens. Estes produtos são provenientes de diversos lugares do Brasil e do exterior e, por isso, ao mesmo tempo em que os trabalhos são facilmente identificados com a cultura nacional, especialmente devido à apropriação de alguns itens que nos são familiares, seus significados são ampliados e extrapolam fronteiras através das escolhas dos materiais e das combinações propostas pelo artista.

O interesse pelos materiais simples e corriqueiros dos quais Mano se apropria vem de sua formação na Bahia, onde nasceu e viveu até os 17 anos. O trabalho como pesquisador que o artista desenvolveu acentuou ainda mais este interesse, ao perceber os usos distintos do mesmo objeto e palavras em diferentes culturas. Seu trabalho surge desta urgência em se apropriar de artigos ordinários, que atravessam fronteiras e realçam a globalização, para então subverter os valores e significados originais, criando um novo universo de objetos, cores e palavras.

O trabalho de Mano nos faz refletir sobre o caráter dos objetos, como eles transitam pelo mundo, as relações de troca e acordos comerciais entre países, assim como transparece as diferentes camadas de significados que eles adquirem quando utilizados por outras culturas e o impacto na formação dos costumes de uma sociedade. Parte da exposição será formada por espécies de bandeiras, que são construídas seguindo a orientação de cores, formas ou mesmo palavras presentes em sacolas de feira e sacos que o artista coleciona, originários de diversas regiões. Assim como Mano, com seus olhos atentos ao mundo ao seu redor, pensa cotidianamente no valor dos produtos e itens encontrados e vendidos nas ruas, a exposição convida o espectador a refletir sobre o aspecto formal, cultural e social desses objetos.

Posted by Patricia Canetti at 3:00 PM