Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2015
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

agosto 28, 2007

6ª Bienal do Mercosul: Projeto Curatorial, Projeto Pedagógico, Projeto Diálogos

6ª Bienal do Mercosul

Projeto Curatorial

A fim de renovar o evento e consolidar conquistas de suas cinco primeiras edições, o curador-geral propõe, além de mudar o modelo de curadoria, intensificar o processo de internacionalização da mostra e pôr em prática um programa pedagógico ao longo de toda a sua realização. Baseada em representações nacionais até a 5ª edição do evento, a curadoria passou a ser formada por um grupo de curadores responsáveis por projetos específicos sob coordenação do curador-geral.

No caminho da valorização de uma geografia cultural, criada a partir da voz do artista, extrapolar limites de fronteiras geopolíticas mostrou-se um passo necessário. Por isso, o projeto curatorial da 6ª edição da Bienal do Mercosul é inspirado na metáfora A Terceira Margem do Rio, uma imagem tomada do célebre conto de Guimarães Rosa e adotada na 6ª Bienal do Mercosul. Segundo o curador-geral da mostra, Gabriel Perez-Barreiro, a terceira margem simboliza uma mudança de perspectivas. Enfatiza a possibilidade de criação de uma terceira forma de perceber a realidade, rompendo com as dualidades que a definem e delimitam - nacionalismo e globalização, direito e esquerdo, bem e mal, figuração e abstração, entre outros. A terceira margem é ainda uma metáfora da geografia regional, definida por fronteiras pluviais, e faz alusão ao antagonismo entre regionalismo fechado e globalização sem diferenças. "Nas questões políticas, quase todos os países do Mercosul estão envolvidos em algum tipo de experiência de 'terceira via' entre o socialismo e a economia de mercado. Na 6a Bienal do Mercosul, a ênfase será sobre os artistas que criaram seu próprio espaço dentro de um sistema estabelecido", explica Pérez-Barreiro. A imagem da terceira margem também aponta para um dos princípios metodológicos desta curadoria: o diálogo entre dois sujeitos com vivências diferentes que gera uma terceira realidade.

O curador-geral ressalta ainda que, ao não ter um tema definido, mas, sim, uma metáfora, esta edição da Bienal é um olhar do Mercosul para o mundo, um olhar que parte do regional para o global. "É uma Bienal feita desde aqui, do Mercosul, mas que não se encerra em si mesma", declara. A terceira margem, segundo Pérez-Barreiro, é também uma posição a ser adotada ao tratar a relação entre arte e público: "o diálogo deve ser um gerador de alternativas, fruto de constante negociação entre artista e arte, objeto e espectador e espectador e o ambiente ao seu redor". Por isso, uma equipe integrada de curadores - e não mais curadores de representações nacionais - articula a visão do Mercosul para o mundo e do mundo para o Mercosul. "Todos os curadores têm uma relação direta com países do Mercosul e, ao mesmo tempo, algum tipo de ação ou experiência internacional. Todos eles representam vozes diferentes, e esta Bienal aceita e promove a diversidade e a liberdade de expressão", argumenta o curador-geral.

Além das exposições, a 6ª edição da Bienal do Mercosul enfatiza as ações do projeto pedagógico, fundamental nesta edição. O projeto curatorial, por exemplo, foi totalmente pensado a partir das proposições pedagógicas desta edição. Para Gabriel Pérez-Barreiro, é o trabalho que está sendo proposto pelo curador pedagógico da 6ª Bienal do Mercosul, Luis Camnitzer, um dos grandes diferenciais dessa edição. No projeto pedagógico da 6ª Bienal do Mercosul, Camnitzer propõe uma inovadora reconfiguração do programa educativo, desde suas metas até sua implementação. Para ele, o espectador deve ser visto como ser criativo e não como mero receptor passivo de informação. O processo educativo foi iniciado ainda em 2006 e prevê uma série de ações ao longo de todo o ano de 2007. Essas ações contemplam o envolvimento de professores das redes pública e privada de ensino com acompanhamento até a visita dos alunos à exposição; a realização de ciclo de conferências e mesas-redondas; a inserção do projeto da 6ª Bienal do Mercosul no calendário escolar da Rede Pública de Ensino/RS; a realização de simpósios de arte-educação - como o que aconteceu em abril e reuniu mais 1400 participantes - e oficinas e cursos com professores do interior dos Estados do RS e SC; a realização de curso para formação de Mediadores; a produção e distribuição de Material Educativo para escolas das redes públicas e privada; o transporte gratuito para até 240 mil estudantes da rede pública e instituições carentes; e o projeto Diálogos - que contempla a comunidade artística local. Durante a exposição, os visitantes terão acesso a um espaço educativo, instalado no Cais do Porto, com sala para professores, biblioteca e acesso à internet, salas de oficina e salas para exposições dos trabalhos realizados dentro do projeto pedagógico. Além disso, 20 estações pedagógicas serão criadas para promover a interação entre o visitante e os artistas.


Projeto Pedagógico

O projeto pedagógico é considerado fundamental no projeto curatorial da 6ª Bienal do Mercosul. A partir de diretrizes do Conselho de Administração da Fundação Bienal do Mercosul, sua diretoria tem realizado um significativo esforço no sentido de priorizar e consolidar as ações pedagógicas da Bienal do Mercosul. Conforme Beatriz Johannpeter, diretora de educação da 6ª Bienal do Mercosul, "o projeto pedagógico se antecipa e se expande, pensando a visita à exposição como uma das etapas de um importante processo educativo iniciado em 2006 e que prevê uma série de ações ao longo de 2007". Essas ações contemplam o envolvimento de professores das redes pública e privada de ensino com acompanhamento até a visita dos alunos à exposição; a realização de ciclo de conferências e mesas-redondas; a inserção do projeto da 6ª Bienal do Mercosul no calendário escolar da Rede Pública de Ensino/RS; a realização de simpósios de arte-educação e encontros com professores do interior dos Estados do RS e SC; a realização de curso para formação de Mediadores; a produção e distribuição de Material Educativo para escolas das redes públicas e privada; o transporte gratuito para até 240 mil estudantes da rede pública e instituições carentes; e o projeto Diálogos - que contempla a comunidade artística local.

O curador responsável pelo projeto pedagógico, Luis Camnitzer, figura das mais relevantes e reconhecidas no campo da arte e da educação, propõe uma inovadora reconfiguração do programa educativo, desde suas metas até sua implementação. Para o curador, o espectador deve ser visto como ser criativo e não como mero receptor passivo de informaç.

Durante a mostra, junto aos espaços expositivos, serão construídas 20 estações pedagógicas, além de um espaço educativo multiuso, composto de sala de pesquisa, debate e atendimento para acesso do professor e de público interessado, com ateliê para uso do público escolar, e sala para exposição dos trabalhos realizados pelos alunos.


Projeto Diálogos

O projeto Diálogos promove o encontro entre artistas e curadores da 6ª Bienal com artistas locais para troca de experiências e avaliação de projetos. Promovido pela Fundação Bienal do Mercosul, o objetivo do projeto Diálogos é proporcionar aproximação entre artistas e gerar uma maior participação da comunidade artística local na Bienal do Mercosul. Até a véspera da Bienal, que acontece de 1º de setembro a 18 de novembro, serão cerca de dez encontros, em que cada artista ou curador vai conhecer três artistas locais, em conversas individuais com até 60 minutos de duração. Os artistas são selecionados por uma curadoria, que leva em conta a qualidade e a afinidade do trabalho apresentado com o artista ou curador convidado.

Os artistas residentes na região de Porto Alegre que quiserem participar dos Diálogos devem enviar e-mail para dialogos@bienalmercosul.art.br com um breve currículo de até 1000 caracteres e uma carta de intenções, além de 5 a 10 imagens dos seus trabalhos, em 300kb.

Cerca de 20 artistas locais já participaram dos encontros, que tiveram a presença dos artistas Minerva Cuevas, Maurício Corbalán, Pio Torroja e Jaime Gili. Os curadores Gabriel Pérez-Barreiro, Luis Camnitzer, Moacir do Anjos e Ticio Escobar também já participaram do projeto.

Posted by João Domingues at 10:55 AM | Comentários(1)
Comments

a bienal estava muito legal d+

Posted by: maria at novembro 4, 2009 8:04 AM
Post a comment









Remember personal info?