Página inicial

Arte em Circulação

 


março 2014
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30 31          
Pesquise em
arte em circulação:
Arquivos:
As últimas:
 

maio 4, 2006

Uma polêmica censurada ou o x da congestão erótica, por Marcos Hill

marciax.bmp

Uma polêmica censurada ou o x da congestão erótica

MARCOS HILL

Uma recente onda de cerceamento da liberdade de expressão está atingindo a produção de artistas brasileiros. Penalizados, estes profissionais têm assistido à interdição de suas obras, em nome de interesses que, a princípio, não nos parecem muito claros.

No entanto, ao verificarmos que as atitudes de censura partem de facções mais radicais de fundamentalistas religiosos, reconhecemos a dimensão perigosa que a polêmica assume.

Se aceitarmos passivamente que representantes políticos e religiosos tenham o poder de veto sobre a circulação de conteúdos artísticos, estaremos concordando que os próprios artistas não possuem o direito de atuar criticamente junto à sociedade, caracterizando um retrocesso que nos reaproxima da mentalidade de censura instaurada pela extinta Ditadura Militar.

Da mesma forma, se o poder de veto dessas facções for legitimado por instituições culturais, em detrimento do direito de defesa e de argumentação de artistas ou de qualquer outro cidadão envolvido na polêmica, não poderemos mais reconhecer a sociedade brasileira como democrática.

Encarando as ameaças desastrosas de tais posturas, intelectuais e artistas não têm permanecido passivos, alertados dos riscos que correm ao ter seus direitos alienados por pequenos grupos que detêm, inclusive, o poder da mídia.

Desde que o foco passa a ser a liberdade de expressão, cabe o questionamento sobre como, de modo geral, a informação tem sido veiculada e, a partir de quais filtros, certos conteúdos são inseridos no fluxo da comunicação de massa.

Tomando o erotismo e suas possíveis leituras pornográficas como um dos fortes argumentos dos fundamentalistas censores, é interessante evidenciar a utilização abusiva deste tipo de conteúdo em campanhas publicitárias que visam angariar o máximo de visibilidade para seus produtos.

A banalização de partes do corpo feminino que, fragmentado e hipertrofiado por diversos meios de comunicação, induz o observador a se tornar um voyeur compulsivo, prioriza ângulos exclusivos de nádegas, bustos, coxas, púbis, virilhas e bocas, insinuando que a aquisição do produto anunciado propiciará um prazer sexual imediato.

Constituindo estratégia de consumo intensificada a partir dos anos 1950, a erotização da linguagem publicitária acabou por condicionar o grande público a uma permanente congestão erótica, gerando, através da exposição massiva e ininterrupta, um generalizado embrutecimento perceptivo. Sendo assim, os habitantes dos grandes centros urbanos encontram-se cada vez mais programados, prontos para consumir a fictícia possibilidade do sexo fácil.

Desse modo, os efeitos da congestão erótica perduram em campanhas que vendem geladeiras, calcinhas, fogões, automóveis e cervejas, veiculadas sobretudo pela televisão, Nesta interface, programas como o do Ratinho, do Faustão, do Gugu e da Luciana Gimenez, são livremente veiculados em horários acessíveis a todas as idades.

Curiosamente, até hoje, nenhuma dessas campanhas ou programas televisivos sofreu ato de censura similar ao movido contra a obra Desenhando em terços, da artista plástica Márcia X. Recentemente retirada do espaço expositivo do Centro Cultural Banco do Brasil, no Rio de Janeiro, esta obra foi alvo de um inaceitável constrangimento.

Por outro lado, constata-se uma total omissão por parte dos mesmos empresários, deputados e sacerdotes que, sendo censores representantes dos fundamentalistas, jamais criticaram a transmissão direta, em rede nacional, de casais se relacionando sexualmente debaixo de cobertores, garantia de grandes índices de audiência para programas da natureza de um Big Brother.

No caso da obra Desenhando em terços, é possível que a proposta artística de Márcia X esteja sendo lida a partir do mesmo baixo registro com que se lê a maioria das vulgaridades eróticas que, veiculadas pela mídia, são repassadas diariamente aos cidadãos comuns, estas sem nunca ter merecido nenhum tipo de censura ou retaliação.

Tal constatação indica uma postura completamente ambígua por parte dos censores, senão reducionista ou mal intencionada, considerando-se que o espaço semântico de uma obra de arte é incomparavelmente mais amplo, oferecendo inúmeras possibilidades de leitura.

A polêmica provocada pela censura ocorrida com artistas como Márcia X evidencia estruturas pretensamente preocupadas com os bons costumes e intencionalmente respaldadas por discursos que se beneficiam da exploração do falso moralismo vigente.

Tanto a banalização do corpo e do sexo quanto a repressão e a censura constituem interesses de um mesmo grupo de senhores, ou seja, os donos dos poderes do estado, da religião e do dinheiro, instâncias que envolvem empresários, banqueiros, juristas, políticos e sacerdotes.

A introdução do erotismo na propaganda é prática adotada pela Igreja Católica, desde, pelo menos, o século XVII. Enquanto tendência estética, o Barroco sistematizou aparatos triunfalistas, posteriormente utilizados como referência por dispositivos publicitários do capitalismo industrial.

Voltando ao contexto da obra censurada, do ponto de vista da imagem, a representação de Jesus Cristo conta, desde há séculos, com um teor erótico intrínseco. Independentemente da aparência física que Jesus tenha tido, suas representações primam pela beleza clássica que, associada à ostensiva exposição de feridas e escoriações, acaba por configurar uma idolatria do prazer e dor.

Os dogmas religiosos falam da encarnação do espírito divino, manifestado num corpo humano masculino. Uma vez humano e reconhecidamente masculino, a presença de um pênis neste corpo seria inevitável.

De qual intencionalidade estaria munido o discurso religioso que convence os fiéis sobre a humanidade do Deus feito homem e, ao mesmo tempo, interdita sua sexualidade?

Ao associar o terço à imagem do pênis, Márcia X ativou parte significativa dessa contradição. A situação letárgica na qual o estado e diversas igrejas tentam manter a consciência do cidadão já justificaria uma postura de questionamento.

Seria oportuno alertar qualquer observadores para o fato de que uma proposta artística permite leituras da existência bem mais amplas do que as oferecidas pelo programa do Faustão, pelas novelas, pelo discurso de um político ou por um anúncio de TV.

Sem dúvida, os censores de Márcia X não quiseram considerar seu direito autônomo de atuar criticamente em contextos específicos de significação. Qual dos censores procurou se informar previamente sobre os conteúdos da ação performática que deu origem à imagem censurada?

Em 2003, Desenhando em terços foi apresentada durante a Manifestação Internacional de Performance. Neste evento promovido em Belo Horizonte pelo CEIA - Centro de Experimentação e Informação de Arte, a ação da artista destacou-se por seu teor inquietante.

Ao longo de mais de seis horas sem interrupção, Macia X se propôs a desenhar vários pênis com terços brancos, na tentativa de cobrir o assoalho de um enorme salão. Compenetrada na ação, Márcia foi gradualmente impregnando o ambiente com uma densa energia de respeito e circunspeção.

Assim como a postura solene do corpo da artista, a insistência repetitiva do ato de desenhar estimulou o observador a ser mais atento e cuidadoso na compreensão do que estava sendo visto. Apesar da imagem dos pênis desenhados poderem suscitar desvios de leitura, a atitude cerimoniosa permanentemente mantida por Márcia acabou por impressionar quem a assistia.

Nenhum observador conseguiu acompanhar Márcia X ao longo das infindáveis horas. As pessoas entravam no salão; sentiam-se atraídas pelas imagens já desenhadas; permitiam-se permanecer caladas e paradas durante algum tempo; olhavam fixamente para tudo com o interesse de decifrar o enigma criado entre a imagem, o objeto e a postura da artista; permaneciam no máximo quinze minutos e logo saíam.

Após as duas primeiras horas, a religiosidade da ação Desenhando em terços tornou-se evidente. Não havia como não associar a imersão de Márcia a um possível distanciamento do mundano. O silêncio que pairou durante todo o tempo correspondeu ao mais contrito ato de oração. Sua movimentação repetitiva aproximou-a muitas vezes do solo, assemelhando-se a um exercício de penitência que, pelo desconforto do corpo e pela extenuação, buscava a neutralidade do ego.

Diante da obra apresentada, não houve espaço para leituras sórdidas. Quem o fizesse se sentiria desmoralizado pela sinceridade que a artista emanava.

Nesse contexto expositivo, a associação do terço com a imagem do pênis ganhou outros sentidos. Reconhecendo-se o terço como objeto de penitência e a imagem do pênis como possível símbolo de abundância, outras leituras começaram a emergir.

Feita por uma mulher, a associação entre um objeto de penitência e a imagem do pênis pode igualmente representar o autoritarismo violento de sociedades falocráticas, como a nossa, postura crítica muito distinta da gratuidade de querer desmoralizar objetos sagrados.

Considerando essas perspectivas, reconhecemos a incompetência das ações de censura e dos argumentos que tentaram justificá-las. É possível que os senhores que se sentiram incomodados tenham sido atingidos pelo reflexo especular de suas próprias incoerências moralistas, deflagradas pela obra.

A proposta de associar o terço ao pênis remete igualmente à problemáticas anteriormente comentadas, como a da banalização do corpo feminino enquanto veículo propiciador de qualquer negociata. Por outro lado, que razões motivariam a necessidade constante de ocultamento da imagem do falo, representação da quintessência de poderes impositivos que usam submeter comunidades inteiras a regimes de força?

Sem dúvida, a ação Desenhando em terços é essencialmente polêmica. Articulada de modo inteligente e sutil, ela aponta para questões que desestabilizam tanto as mentes alienadas quanto as más consciências manipuladoras.

Ao contrário do que caracteriza uma sociedade democrática, o que ocorreu na exposição Erótica, no Centro Cultural Banco do Brasil do Rio de Janeiro constitui um ato de imposição unívoca, onde foi negado o direito de opinião. Enquanto instituição representante da arte e da cultura brasileiras, o Centro Cultural Banco do Brasil preferiu privilegiar uma das partes, assumindo uma atitude autoritária.

Não podemos esquecer que esse centro é vinculado a um banco e que, em casos como este, pesam mais os interesses empresariais e financeiros do que qualquer interesse artístico ou cultural.

É possível que Márcia X não tenha imaginado os efeitos que sua obra viria a provocar. A intolerância contra seu trabalho é mais uma confirmação da situação de faz-de-conta na qual temos vivido em nosso país:

Faz de conta que vivemos num país democrático; faz de conta que os políticos são honestos e representam os interesses dos cidadãos que os elegeram; faz de conta que não há censura e a liberdade de expressão é respeitada em todos os meios de comunicação brasileiros; faz de conta que as várias instituições religiosas são as únicas intermediárias em nossas relações com o divino; faz de conta que vivemos numa sociedade sem preconceitos ou racismos; faz de conta que o corpo humano se resume a cabeça, ombro, joelho e pé...

Resta apenas um respeitoso agradecimento à Márcia X, cuja competência crítica contribuiu para retomarmos discussões importantes sobre as situações precárias de nossos aparatos políticos, religiosos e culturais.

Em memória dessa querida pessoa desaparecida, continuaremos celebrando a generosa necessidade de compartilhar sentidos, inerente a todo artista.

Belo Horizonte, 01 de abril de 2006.

Marcos Hill é professor dos cursos de graduação e pós-graduação da Escola de Belas Artes da UFMG. Juntamente com o artista plástico Marco Paulo Rolla criou e coordena o CEIA - Centro de Experimentação e Informação de Arte. Vive e trabalha em Belo Horizonte.

Posted by João Domingues at 10:43 AM | Comentários (5)