Página inicial

Arte em Circulação

 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 11, 2020

Entre gravuras e colagens de uma artista singular por Ivo Mesquita

Entre gravuras e colagens de uma artista singular

IVO MESQUITA

Uma visão panorâmica dessas produções poucas vezes reunida, oferece a oportunidade de perceber como os seus fundamentos da pintura, da gravura e da colagem foram expandidos e contaminados, sem jamais se imporem uma à outra.

Desde o princípio, o trabalho de Beatriz Milhazes está relacionado a duas noções e processos fundamentais: colagem e impressão. Juntos esteiam a base de um método próprio de sua pintura, que, assim como seu vocabulário plástico, instituem uma marca registrada da artista na paisagem da arte hoje. Nomeada por ela como monotransfer (envolve princípios de monotipia e decalque), a técnica de transferência consiste em desenhar a imagem de um lado de uma folha de plástico e então pintar o verso dela. “Quando a imagem está acabada, colo a superfície pintada diretamente sobre a tela. […] Essa descoberta me abriu uma porta enorme como pintora, com possibilidades infinitas. Eu podia usar uma técnica relacionada com a colagem [e com a gravura], mas usando os meus temas e desenhos em lugar de imagens reproduzidas mecanicamente”, explica.

Este segmento da mostra Beatriz Milhazes: Avenida Paulista, em cartaz no Itaú Cultural (IC), apresenta um amplo conjunto de gravuras e colagens da artista, uma visão panorâmica dessas produções poucas vezes reunida, oferecendo ao público a oportunidade de perceber como os fundamentos da pintura, da gravura e da colagem foram, ao longo do tempo, expandidos e contaminados, desfazendo qualquer hierarquia entre elas, sem jamais se imporem uma à outra, mas sempre aprofundando uma inteligência sobre a arte e a construção da visualidade e da percepção.

A primeira série de gravuras foi feita em 1996 e a de colagens em 2003. Entretanto, a exposição não as apresenta em ordem cronológica, mas, sim, combinadas conforme os desdobramentos conceituais, metodológicos e formais no interior do trabalho. Por certo é possível perceber referências da pintura no início de cada uma das novas práticas da artista, mas, da mesma forma, como dela se desgarram, no correr do processo, para fundar sua autonomia no conjunto da produção. O que amarra tudo, cria o corpo da obra, é a perseverança no projeto de trabalho, a atitude e os sentimentos da autora na sua criação. Pintura, gravura e colagem, cada uma a seu modo, viabilizam-se mutuamente, assim como projetos de escultura, instalação, tecidos, vitrais e murais.

A produção artística de Milhazes constitui um dos mais potentes e originais projetos de pintura contemporânea, sempre entendida como um território em movimento e expansão, e a disciplina concebida como um exercício de caráter conceitual e programático, antes de qualquer a priori determinado por alguma experiência existencial. Colagem, gravura e pintura se constroem mutuamente, numa obra madura, singular, um paradigma de liberdade visual e prazer estético.

Ivo Mesquita
Curador


Estratégia, exploração, formas e interação de técnicas

O curador de Beatriz Milhazes: Avenida Paulista para a mostra no Itaú Cultural escolheu obras que revelam o pensamento criativo da artista. Cada piso joga luz nesse processo. Acompanhe aqui o passo a passo da exposição e comentários.

PISO 1

‍Com um número maior de colagens, aqui as obras se alinham de modo a mostraras estratégias da artista na construção do plano e na ocupação do espaço de representação com diferentes composições, combinações e deslocamentos, assim como na manipulação do repertório de temas e motivos do imaginário da artista: a folha de louro, as listras, as rosáceas, os alvos, as formas vazadas e os padrões decorativos.

“As colagens têm uma espécie de diálogo com um diário, mas um diário imaginário. Os papéis colecionados vêm de uma variedade de interesses: às vezes uma atração estética, outros são parte de uma rotina como embalagens de chocolate ou recortes que sobraram de impressões existentes. Por isso a construção da composição na colagem cria um diálogo que só existe na colagem.”
‍(Beatriz Milhazes em entrevista com Richard Armstrong, 2018)

“A arte de Beatriz Milhazes é sobre a cor, mas sobretudo ela é cor. E não apenas isso. É apaixonada pela cor. Casada com a cor. Curada pela cor. Mas também traída pela cor. Ferida pela cor. Drogada pela cor. Sequestrada pela cor. Corrompida pela cor. Mas nunca tragicamente. Pelo contrário, sempre de maneira muito feliz. Ou melhor: alegre, jubilosa. A cor repetida muitas vezes, sempre diferente.”
‍(Barry Schwabsky, Beatriz Milhazes – cor viva, 2002)

PISO 1S

‍Aqui, é possível observar gravuras e trabalhos em torno da exploração das formas circulares, criando núcleos que enfatizam o caráter lúdico e exacerbam os efeitos óticos das composições. A repetição, o jogo entre positivo e negativo, a evolução e a movimentação de círculos concêntricos resultam em algo assoberbante e desestabilizador.

“A pintura capta a imediatez do ato. Na gravura, a estabilidade da matéria oferece um outro valor perseguido por Milhazes, que são evidências de cálculo, matemática e razão. O próprio tempo ordenado se exibe coeso na gravura.”
‍(Paulo Herkenhoff, Beatriz Milhazes, cor e volúpia, 2006)

PISO 2S

Processos de trabalho na gravura e na colagem, momentos de interação entre elas e a pintura, o desenvolvimento do repertório de temas e motivos característicos da artista. Neste piso, é possível conhecer outros projetos gráficos dela, como livros e colaborações com diferentes publicações.

‍“Todos os meus espaços de trabalho têm aspecto de casa. Nunca morei em nenhum, mas gosto que tenham uma atmosfera reconhecível, com objetos, memórias e imagens que me motivam, livros que posso consultar. Tudo que está no ateliê compõe um ambiente que me acolhe e me deixa à vontade, inteira. (...) Tento fazer as mudanças necessárias para me adequar aos momentos e demandas de cada etapa da vida artística, contudo sem alterar a relação genuína que tenho com a minha obra, o meu processo e a minha rotina no ateliê.”
‍(Beatriz Milhazes em entrevista com Lilian Tone, 2018)

“As noções de pintura, gravura e colagem foram expandidas e contaminadas, desfazendo qualquer hierarquia entre elas, sem jamais se imporem uma à outra, mas viabilizando-se mutuamente e aprofundando uma inteligência sobre a arte, a construção da visualidade e da percepção.”
‍(Ivo Mesquita, Beatriz Milhazes colar, gravar, pintar, transferir, 2020)

“A obra de Milhazes possui a extraordinária complexidade das coisas simples, e nos coloca diante de uma estonteante evidência plástica.”.
‍(Frédéric Paul, Un numéro monstre, 2018)

Posted by Patricia Canetti at 9:58 AM