Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 17, 2018

Entre memórias, histórias e fotografia por Mônica Zielinsky

Entre memórias, histórias e fotografia

“A necessidade de memória é a necessidade de história” [1]
Pierre Nora, 1984

Fotografar, para Luiz Carlos Felizardo, é um processo intenso e sensível de olhar o mundo, de olhar as coisas – porém, é mais que isso. É um olhar profundo que penetra no coração das coisas, em seu âmago; coisas que, para ele, se tornam memória. A partir delas, percebe os trânsitos do tempo que passa, sempre inexorável, como refere o artista: “decide o que foi e o que é, nossa antiga juventude e a ruga multiplicada do futuro” [2].

Felizardo compreendeu desde sempre que esse olhar se constrói juntamente com as coisas e passa, mesmo, a ser parte delas. Constata, mediante a ousadia de seu próprio modo de ver, que o fotografar vai além, ao desdobrar, neste ato, em meio à exímia destreza técnica que revela, sua transformação generosa em múltiplas imagens. Estas resplandecem no trabalho de Felizardo através dos mais originais motes expressivos espraiados em sua fotografia, das novas realidades que apontam, das composições e reconstruções que desses motes decorrem. Todas são atualizadas em permanência, pois o fotógrafo revela, em meio a esses desdobramentos temporais, a aptidão para retrabalhar as próprias imagens, por vezes sob um foco anacrônico, possibilitando, pelas vivências do presente, rever o sentido dos objetos ou lugares do passado, em instigantes reconfigurações.

Suas fotografias de outrora, ao registrar músicos, trabalhos arquitetônicos, amplas paisagens solitárias, cenas urbanas, a vida publicitária, ou mesmo superfícies de ruínas, evidenciam hoje que o olhar sobre elas pode sistematicamente retornar e se reconstituir como um novo desafio surpreendente na criação de outros imaginários. A invenção fotográfica do artista abre-se assim a valiosos nexos relacionais, e, nesse processo, ela recusa as percepções unívocas do mundo, a concepção linear e contínua do fato fotográfico. O artista traz à luz diversas sutilezas de sua inegável memória afetiva de todos os tempos e, simultaneamente, ressonâncias que tangenciam um sutil veio de reverberação cultural. Entre os ágeis fluxos do passado ao presente ou do presente ao passado, esses trabalhos se fundamentam em distintos regimes de historicidade ao permitirem, também, pensar o futuro, através de possíveis outras concepções fotográficas que os tempos, em suas transições, certamente poderão vir a propor.

Momentos do trabalho e a Estranha Xícara

As obras fotográficas de Felizardo aqui reunidas, ao levarem o título evocado por Carlos Drummond de Andrade, A Estranha Xícara, são o resultado de infindáveis criações, nas quais objetos cuidadosamente por ele guardados e fotografados representam uma inestimável repercussão afetiva e vêm a se tornar os motes essenciais desses trabalhos. Como cacos colados de toda uma vida, até formarem uma estranha xícara, como sugeriu o notável poeta mineiro, eles dizem respeito à sua estima e mesmo ternura por pessoas que admirava, muito presentes em sua viva história pessoal.

Dois fatos significativos e contextuais para a escolha do momento desta proposta expositiva merecem ser apontados, pois ambos se encontram em confluência e são significativos na invenção fotográfica de Felizardo. Aqui se articulam, por um lado, um dado biográfico, o aparecimento da ataxia, uma enfermidade que limitou a livre movimentação do fotógrafo pelos espaços da vida, e, por outro, um âmbito técnico: o artista identifica-se profundamente com o emprego da fotografia digital, e esta se torna uma inegável fonte de arrebatamento para ele. Ao empregar esta técnica, Felizardo é obrigado a abandonar o laboratório fotográfico tradicional. Mas, ao mesmo tempo, livra-se da presença do grão na constituição da imagem fotográfica, da imposição analógica dos limites do foco, podendo se apoiar em amplas possibilidades para deflagrar um processo ininterrupto na produção de imagens. Assim, ele consegue associá-las, rompê-las ou recombiná-las, o que gera, para o artista, uma inegável sedução na criação fotográfica.

Em meio a esses curiosos cortes entre imagens diversas, Felizardo recupera outras anteriores em seu processo, e todas emergem de seu imenso acervo imagético, guardadas e arquivadas por ele mesmo. Cria novas, infinitamente originais, por meio de um percurso apaixonado, quase obsessivo. Expande diversas propostas marcadas por um instigante veio ficcional ao trazer, pela fotografia, um mundo por vezes nutrido de certa criticidade, de afeição, mas também de engenhosos traços de humor. Essas imagens se projetam a partir de suas ricas memórias, produtos indispensáveis para transformar e fixar em imagens os lugares e as coisas que nos escapam no tempo. Garantimos, assim, a fuga deste e dos espaços que perdemos fisicamente, como sugere o historiador alemão Hans Belting. [3]

Felizardo não omite seu receio do esquecimento, e é possível perceber seu esforço em preservar e registrar a memória. Seu trabalho, assim, explicita uma tentativa de garantir uma continuidade no tempo e uma extensão do espaço vivido. Este é um sentimento que assombra nos tempos atuais, tanto instâncias individuais como culturais, e traz as mais velozes transformações nas concepções sobre a vida no mundo contemporâneo. Do anterior armazenamento e identificação dos fatos emerge a dinâmica relacional e fluida dos tempos e espaços da experiência, fluidez e instabilidades estas que o artista evoca em diversas obras de sua criação.

Memória: histórias fotográficas ficcionais

Felizardo supõe que as coisas em sua memória poderão, através da fotografia, fazer tudo reviver ao assumirem, muitas vezes, aparências esquecidas ou ocultadas, lugares e contextos de origens diversas, bem como princípios simbólicos em transformação, que talvez nem cheguem a ser os mesmos diante dos céleres deslocamentos dos tempos, espaços e da própria história.

Sua produção se desdobra, assim, em memórias: uma de natureza mais individual, da mencionada fonte biográfica, mas que perfaz a construção de uma história ficcional, e outra que remete a elementos culturais, quase sempre mesclados a certas evocações biográficas. Elas sinalizam a presença de outros territórios do saber e da experiência e são, ao mesmo tempo, também indicativos de uma história ficcional.

Um trabalho que circunscreve uma memória biográfica, “Minha botinha, anjo e caixa do baralho” (2013) expõe um conjunto de objetos que remetem à história subjetiva do fotógrafo. Laços familiares se tramam na elaboração dessa imagem. Sua botinha de criança expõe as marcas de sua identidade infantil, pelos vincos fixados para sempre no cobre, na conformação de seu pé de bebê e nos rastros assinalados no calçado, advindos de seu próprio caminhar inicial. Trata-se de um tipo de objeto habitualmente encomendado pelos pais, em seu desejo de preservar infinitamente essa identificação da criança no objeto, a qual perdurará sem fim através dos tempos. Na mesma imagem, um bibelô sobre uma concha representa um anjo que pertencia à mãe ou à bisavó de Felizardo, não permanecendo nítida na memória do artista qual seria a posse familiar anterior desta pequena escultura. Ela paira à borda de uma concha, o que pode remeter a acolhimento ou proteção. Ao fundo, consta a caixa de cartas de um baralho que pertencia à sua bisavó, à “vovozinha”, pessoa a quem o fotógrafo se refere permanentemente com afeto e admiração, como “uma figura de personalidade fortíssima” [4].

No processo de composição fotográfica desse trabalho, o artista articula outras imagens distintas, que, por sua vez, indicam a mesma procedência de família do fotógrafo. Ele abre possibilidades de constituição de uma narrativa de fundo ficcional ao apresentar, reunidos, todos esses artefatos. São estabelecidos os princípios relacionais entre o objeto que representa Felizardo (botinha) e os outros que ali constam, pertencentes à sua mãe e à sua bisavó. Seu pequeno calçado parece, pelo efeito fotográfico, pairar no ar, mas o delicado anjo ao seu lado, em sua configuração infantil, poderia revelar proteção. Ao mesmo tempo, percebe-se uma identidade etária deste anjo com a botinha de criança (do artista) por meio da associação desses objetos na imagem final.

Esse trabalho abre a exposição, situado em sua entrada como um convite personalizado do próprio artista para que se penetre no espaço da mostra, onde se encontra o conjunto de várias outras imagens ficcionais e de origens fotográficas diversas para serem atentamente desvendadas.

Muitas de suas fotografias também incluem brinquedos recebidos de seu pai, os quais se tornam um foco significativo em diversos desses trabalhos. Felizardo se refere à figura paterna, levado por um visível sentimento de carinho, ao revelar que “meu pai tinha um prazer imenso em me dar coisas – antes mesmo de meu nascimento já comprava meus brinquedos” [5]. Entre eles, se encontram miniaturas de carros e baratinhas e os navios Arnold [6]. Seu pai mostrava uma “tendência aguçada para guardar coisas” – um dado paterno herdado pelo artista.

No trabalho “Baratinha Schuco e avenida de eucaliptos” (2011), [7] Felizardo articula a caixa de sabonetes de toalete da marca Eucalol como cenário para a baratinha. Nesta imagem, é evocado o mote da reapresentação cultural dos produtos vinculados, os sabonetes e a baratinha, em uma ficção anacrônica, recriando uma nova imagem movida por certa índole jocosa. A ilustração comercial da caixa de sabonetes – um produto cultural datado – transfigura-se em estrada para, nesta, fazer reviver o carrinho de brinquedo da infância, oriundo da memória biográfica de Felizardo. Todos esses objetos do passado são reunidos em um presente impossível, porém sob ”o ângulo dos mundos possíveis” nas palavras de Leibnitz [8], a partir do fascinante mundo da ficção, em que tudo pode se tornar enfim possível.

Na produção fotográfica do artista, se percebe um emprego contínuo de recursos ficcionais. Nesse sentido, lembra o pensamento do filósofo francês Jean-Marie Schaeffer, dedicado a aprofundar a questão. Ele considera que a ficção possui apenas uma função imanente, a de provocar satisfação estética, e cria, também, um espaço lúdico e prazeroso, de natureza representativa [9], no qual a busca de satisfação é fundamental. A ficção propõe pontos de vista que a experiência jamais ofereceria espontaneamente. Trata-se de uma ação heurística, que explora a descoberta, materializa a memória existente em fatos inventivos se comparados com a realidade. Essa precisão, mencionada por Schaeffer, encontra-se muito presente no trabalho do fotógrafo, nutrida pela astúcia que se trama em todas as criações desta exposição, com o humor sutil que se espraia em muitas dessas genuínas fotografias.

“A passageira” (2012) – outra das imagens que contêm brinquedos de Felizardo – traz mais uma vez o navio Arnold, desta vez articulado com a caixa de um quebra-cabeças. Na tampa, encontra-se a imagem de uma mulher cujo penteado e postura fumante se identifica com as conhecidas representações femininas dos anos 1950 e as imagens publicitárias daquele momento histórico na cultura norte-americana – a propaganda do cigarro e de Hollywood emergem com vigor e frequência. O brinquedo de Felizardo, com sua carga simbólica de conteúdo familiar da infância, é entrelaçado a um recorte da memória cultural específica da mídia americana daqueles tempos.

Essa imagem confunde o espectador em um detalhe quase imperceptível, mas também dotado de humor. A estola de pele que envolve aquela sedutora figura eleva-se junto à chaminé do navio e, em um tom marcado pela ficção, faz parecer que a fumaça emana do navio, e não do cigarro portado com elegância entre os dedos da personagem. Criam-se aqui, mais uma vez, desafios ficcionais a partir da memória do artista, que, em seu trabalho inventivo, se interessa fundamentalmente pela exploração de suas próprias fontes, buscando alterar seu funcionamento e suas significações por meio da ficção ao construir as imagens.

Três fotografias desse conjunto de trabalhos contêm o cão Droopy [10], que transita entre propostas diversas, mas também leva o espectador a vagar comparativamente entre uma imagem e outra. Em “Droopy em Apt” (2011), o personagem se movimenta entre dois espaços distintos. Ele parte de um externo, onde contorna as laterais de uma igreja medieval na Provence francesa, espreitando o observador, mas parece adentrar um outro lugar semiescondido, onde, quem sabe, esse observador estaria. É como se estivesse se aproximando, munido de sua câmera, de quem supostamente está diante da imagem. Já em “Agfa” (2011), esse personagem se assume como observador. Seu olhar não está mais voltado para quem olha a imagem, ou para seu exterior; ao contrário, sua postura se volta para um rótulo de embalagem de negativos Agfa, o qual ele admira. Droopy, oriundo do cinema e de desenhos animados, reverencia a marca como se estivesse diante de uma obra de arte a ser contemplada. O selo Agfa, em seus vínculos com a fotografia, toma vulto neste trabalho, no qual o território publicitário assume seu lugar de importância no processo de memória. São evocados, assim, outros campos do saber, como o da publicidade e do cinema, culturalmente inseridos nos deslocamentos da história.

Na terceira imagem, “Droopy em Bagé” (2011), o personagem se coloca ainda como observador – mas, nesta obra, da própria natureza. Ele olha, com grande acuidade, aquela paisagem límpida e solitária, já presente em magníficas imagens de outros tempos do trabalho do artista, em especial naquelas referentes ao pampa gaúcho [11].

Droopy, esse cãozinho espirituoso dos desenhos animados norte-americanos, evoca, assim, sob certo tom humorístico, um modo específico de se situar em cada fotografia. Essas atitudes parecem dizer respeito ao autor das imagens, e é possível inferir que Droopy situa-se como um referente do fotógrafo. Ele expõe sua busca de lugares para efetuar seu trabalho, a valorização de marcas comerciais, o destaque dessa área do saber, bem como o método anacrônico, ao formar uma rica cadeia de interesses multifocais que emergem desses trabalhos. É possível considerar que essas imagens representam menos coisas do que situações, pois cada uma traz uma proposta de situação diversa da outra, neste caso, lançadas pelas ações de Droopy no emprego da fotografia.

“Gladys e baralho da vovozinha” (2013) surge no conjunto de trabalhos expostos como um momento especial da mostra pela riqueza de possibilidades de leituras que enseja. Pode até mesmo conter um sentido de epílogo da exposição – não no sentido de um fechamento, mas justamente de abertura a infindáveis outras leituras a partir das fotografias. Ao articular as memórias e tramar diversos personagens familiares, essa obra demonstra uma complexidade, um modo particular de dar a perceber, uma forma de exploração ficcional da personagem principal.

Em meio a esse curioso baralho amarelado pelo tempo, jaz, em uma das cartas, a fotografia da menina Gladys. Ela poderia até mesmo passar despercebida entre as outras figuras habituais dos baralhos, com seus valetes, rainhas e coringas, mas a fotografia evidencia que Gladys está ali, em meio às outras cartas dispostas, e sabendo-se que ela havia falecido prematuramente, ainda em tenra idade. Como parte da proposta, encontra-se ainda, delicadamente envelopada no verso da própria carta do baralho, quase imperceptível, a miniatura de uma partitura para piano. Trata-se de uma valsa dedicada e composta para Gladys por seu irmão Otávio, como uma generosa homenagem a ela após seu desaparecimento precoce. Ambos eram primos do pai de Felizardo, que guardou, com desvelo, a preciosidade desses objetos, a minúscula partitura e a foto de Gladys – os quais haviam sido anteriormente preservados pela vovozinha. É como uma luta em cadeia pelo não esquecimento, por todas essas memórias familiares que se congregam e permanecem, assim como a própria composição musical.

A exposição convida a refletir sobre a fotografia de Felizardo através desses trabalhos profundamente inventivos e esses mundos possíveis, carregados de tantas memórias, ficções e histórias. As imagens aqui mostradas projetam-se ao mundo através de fotografias que partem de objetos e ocultam outros, alguns doados pela família, outros guardados, com superfícies que contrastam entre si e texturas diversas. Há também miniaturas de abanicos, cadernos de apontamentos, baralhos, inúmeras caixas de diferentes funções, papéis, rótulos e brinquedos. A imagem fotográfica não apenas os expõe, não apenas expressa suas relações com seus estados físicos, mas os ultrapassa amplamente e traz situações que se constroem a partir delas, no trânsito dos tempos e espaços que com eles se pode interagir, no que deles provém e resulta de suas aglutinações, reconstruções e, mesmo, dos sonhos que eles poderão originar.

Os princípios relacionais que tais imagens impulsionam e desencadeiam, e mesmo as possíveis novas memórias que eclodirão, merecem ser estimulados neste espaço a partir do que essas obras propõem, com intensidade, à imaginação de cada um.

A obra fotográfica deste artista tão sensível e fecundo, que aprendeu a olhar o mundo intensamente e com ousadia, que buscou o coração das coisas, passando a ser parte delas, enriquece com os inúmeros outros mundos possíveis por ele mesmo sugeridos, como evocou Leibnitz. São os mundos ficcionais de todos aqueles que percorrem também, por suas experiências, os valiosos caminhos evocados nesta mostra, a partir dessas imagens, dos objetos e das peculiares fábulas que de seus ricos entrecruzamentos poderão emergir.

Mônica Zielinsky
Curadora
Primavera de 2018

NOTAS

1 Pierre Nora. “Realms of memory / 1984”. In: Ian Farr (ed.). Memory. London: Whitechapel Gallery and The Mit Press, 2012, p. 61.
2 Luiz Carlos Felizardo. Luiz Carlos Felizardo et Paula Ramos, Pedro Afonso Vasquez, Rubens Fernando Júnior. A fotografia de Luiz Carlos Felizardo. Porto Alegre: Brasil Imagem, 2011, p. 70.
3 Cf. Hans Belting. Pour une anthropologie des images. Paris: Editions Gallimard, 2004, p. 91.
4 Cf. entrevista realizada em setembro de 2017, em Porto Alegre.
5 Cf. entrevista realizada na mesma data da nota acima.
6 A fábrica Arnold de navios produziu brinquedos com chapas de estanho e itens relacionados, como casas de bonecas e modelos de navios. No momento da infância de Felizardo esses brinquedos eram comercializados como um grande desejo da parte dos consumidores.
7 As miniaturas de carrinhos e de outros pequenos produtos automobilísticos, barcos-torpedos, zeppelins e aviões Schuco foram criados em 1887 na Alemanha por Heinrich Mueller Até hoje são fabricadas, comercializadas e mundialmente reconhecidas .Na parte inferior, a baratinha de Felizardo constante na exposição e na imagem possui impresso: Made in Germany – U.S. Zone.
8 A expressão “mundos possíveis” é vinculada à obra de Gottfried Wilhem Leibnitz. Discours sur la métaphysique. Paris: Puf, 1959, empregada por Anne Cauquelin em seu livro No ângulo dos mundos possíveis, publicado pela Editora Martins Fontes em 2011.
9 Cf. Jean-Marie Schaeffer. Pourquoi la fiction? Paris: Seuil, 1999, pp. 327 et 329.
10 O cão Droopy foi criado por Tex Avery em 1943. É um personagem oriundo de desenhos animados, que apareceu na série de curtas de animação da Metro-Goldwyn-Mayer.
11 Cf. diversas presentes no álbum Querência. Fotografias de Luiz Carlos Felizardo, com edição de imagens de Fábio Del Re. Porto Alegre: 2009.

Posted by Patricia Canetti at 9:36 AM