Página inicial

Arte em Circulação

 


novembro 2017
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 1, 2017

Oscar Niemeyer – Territórios da criação por Marcus Lontra

Oscar Niemeyer – Territórios da criação

MARCUS DE LONTRA COSTA

Oscar Niemeyer – Territórios da Criação + Retratos, Pinakotheke Cultural, Rio de Janeiro, RJ - 10/11/2017 a 16/12/2017

O surgimento de uma classe média urbana, composta em sua maioria por profissionais liberais ligados às atividades do setor público na antiga capital imperial, fez surgir os primeiros indícios de modernização no país. A imponente presença de Machado de Assis, expressão maior da nossa literatura, encontra eco em alguns pintores que substituem a alegoria clássica da aristocracia acadêmica pela temática da crônica, tão cara à burguesia. Ao final do século XIX, a jovem república brasileira convive com uma estrutura rural tradicional dominada pelas grandes oligarquias e uma pequena, porém combatente, classe média urbana que procura abrir espaços para seus propósitos ideológicos e formais. Ao mesmo tempo, nas províncias mais abastadas, como Pernambuco e São Paulo, herdeiros da aristocracia rural retornam de seus estudos europeus trazendo anseios e comprometimentos com a realidade modernista que conquista espaços no cenário europeu desde os primeiros anos do século XX.

Esta ânsia de modernização manifesta-se na Corte através da abertura da Avenida Central, hoje Avenida Rio Branco, no Rio de Janeiro. Tal concepção urbanística de origem francesa, herdada do barão de Haussmann, evidencia a tensão social brasileira. Se, por um lado, o planejamento urbano tem por objetivo facilitar a circulação pela cidade, ações desastrosas como a derrubada do Morro do Castelo acentuam desigualdades cujos problemas os cariocas enfrentam pesarosamente até os dias de hoje. O modernismo brasileiro estrutura-se através dessas situações de enfrentamento e conflito que acabam por criar uma identidade ciclotímica: o compromisso com o futuro, com a industrialização e a utopia de progresso justo e harmônico caminha abraçado à recuperação de elementos da nossa história colonial, muitas vezes desprezada pelo pensamento acadêmico oriundo da Missão Francesa de 1816.

Oscar Ribeiro de Almeida Niemeyer Soares Filho nasce em 1907 no bairro de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, no seio de uma família de classe média alta, patriarcal, composta por altos funcionários da antiga Corte Imperial. Dessa época, ele traz lembranças que iriam marcar, no futuro, sua personalidade e seus comprometimentos políticos. As negras, ou as “criadas”, continuam a circular pela casa, refletindo de maneira ostensiva aspectos de uma sociedade escravocrata que ainda hoje permanece entre nós nos quartos de empregada e nas babás vestidas de branco passeando com os filhos da elite brasileira. Dez anos depois, a Revolução Bolchevista transforma a Rússia agrícola e feudal em um imenso terreno de pesquisas para a implantação de uma sociedade baseada nas propostas marxistas. Durante a década de 1920, o Brasil confronta-se com forças sociais urbanas que enfrentam as tradicionais oligarquias rurais. Nas artes, curiosamente, essas propostas de inovação e modernidade manifestam-se nas tintas e palavras dos filhos do passado, seja na fazenda de Tarsila, seja no engenho de Cícero Dias. Intelectuais de grande calibre, como Mário de Andrade, Gilberto Freyre e Lúcio Costa, conduziram processos de inserção e valorização da forma e do conceito modernista enfrentando com coragem a imposição acadêmica.

Durante a década seguinte, o Brasil transforma-se e cria políticas de governo voltadas para a necessária industrialização do país. Nesse momento, o mundo começa a se deparar com o enfrentamento de duas ideologias conflitantes: o comunismo, através da ditadura do proletariado, transformava a União Soviética em uma potência, sensibilizando artistas e intelectuais; e o nazifascismo de Mussolini e Hitler impunha uma noção de progresso determinada pela eugenia da raça. No Brasil, esse conflito mundial, que culminaria com a eclosão da Segunda Guerra Mundial em 1939, manifesta-se nos embates entre comunistas e integralistas. O Estado Novo implantado por Vargas reúne forças conservadoras de conotação autoritária fascista e alguns elementos liberais que levam para o interior do poder federal tal disputa entre democracias liberais burguesas e estatização acentuada de caráter autoritário. O convite para Le Corbusier projetar a nova sede do então Ministério da Educação e Saúde reflete tal tensão política instaurada na instância maior do poder que, nesse caso, em questão, termina com a vitória do ministro liberal Gustavo Capanema. Com o apoio de uma sofisticada nata de intelectuais, a maioria oriunda de Minas Gerais, como o próprio ministro, inicia-se a construção da primeira grande obra modernista no país. Diversos jovens arquitetos residentes do Rio, sob o comando de Lúcio Costa, são convidados a participar e, a partir daí o nome de Oscar Niemeyer desponta no contexto artístico e cultural brasileiro.

A ausência de comunicação, nos primeiros anos da década 1940, causada pela guerra, permite alterações fundamentais no prédio, que acabam por determinar alguns aspectos formais e conceituais característicos de uma interferência real brasileira e que posteriormente viriam a influenciar e transformar o movimento modernista internacional. Coube, portanto, à primeira geração de arquitetos brasileiros e em especial a Oscar Niemeyer, o enfrentamento – e a superação – da dicotomia nacional versus internacional presente desde os primeiros tempos modernistas no Brasil. Ao incorporar soluções plásticas determinadas pela plasticidade do concreto armado, a ele incorporando uma sinuosidade repleta de dobras e curvas, de surpresas e encantamentos, Niemeyer dialoga com o barroco colonial brasileiro, mas também com o universo onírico e surpreendente do surrealismo e de várias vanguardas negativas que confrontam o formalismo positivista do modernismo internacional.

O conjunto da Pampulha é marco definidor na trajetória artística da modernidade.

Pela primeira vez na história, o Brasil assume o protagonismo estético de sua época com a construção de elementos formais híbridos que desprezam a ortodoxia formalista e recuperam determinados elementos poéticos e românticos afastados pelo racionalismo. Todo o investimento teórico que assinala as dificuldades e tensões da vanguarda modernista se concretiza na Pampulha. Isso provoca na pacata e provinciana Belo Horizonte de então um terremoto de inquietações que ultrapassam as históricas montanhas mineiras e impressionam teóricos e pesquisadores do mundo inteiro. A partir de então, o modernismo brasileiro elabora novas estratégias, sempre com a régua e o compasso de Niemeyer. Tal ação define os preceitos que marcam a arte brasileira da segunda metade do século XX. Ela transborda as fronteiras da arquitetura e define-se como elemento seminal do pensamento estético brasileiro ainda hoje predominante.

A partir da Pampulha, a obra de Niemeyer cria uma poderosa simbiose com o sentimento brasileiro. E a construção de Brasília a todos impressiona por sua ousadia e por sua criatividade, o que fez Oscar Niemeyer certa vez afirmar: “Vocês podem gostar ou não da arquitetura de Brasília, mas vocês nunca viram coisa igual”. Com a construção da nova capital o Brasil constrói ícones definidores da identidade nacional, e estas formas passam a ser incorporadas, intelectual e afetivamente, por todos os extratos da sociedade brasileira. Nesse instante, Niemeyer supera os limites de sua categoria profissional. Ele passa a ser um construtor de formas e imagens com as quais o povo brasileiro se vê e se identifica, e a presença de artistas plásticos em todas as suas obras esforça o espírito barroco de integração das artes, fazendo de cada projeto arquitetônico um vibrante laboratório de experiências visuais. As ações conservadoras, o pensamento reacionário, a hipocrisia e o apadrinhamento que caracterizam a sociedade patriarcal, racista e ignorante, tentaram, sem sucesso, reduzir o valor de Niemeyer, ora criticando seus projetos, ora punindo-o por suas convicções políticas. Forçado a se exilar na França, durante o negro período da ditadura militar, Niemeyer adquiriu prestígio e reconhecimento mundial, com obras realizadas em diversas cidades europeias, africanas e do Oriente Médio. A compreensão da beleza como função justifica a permanente presença de artistas plásticos em seus projetos, garantindo a sempre necessária integração entre as artes. A presença de grandes nomes de nossa história artística, como Portinari, Bruno Giorgi, Burle Marx, Tenreiro, Athos Bulcão, Ceschiatti, Franz Weissmann e Tomie Ohtake, entre outros, dá à cada obra arquitetônica a força e a imponência de uma verdadeira sinfonia de formas e cores.

Ao longo de sua vida, Niemeyer produziu intensamente e afirmou-se não apenas como arquiteto, como a primeira referência estética brasileira reconhecida em todo mundo, mas também como artista e intelectual respeitado, atuando em várias frentes do conhecimento humano. A literatura para ele sempre foi uma paixão, e seus diversos livros publicados revelam um profundo respeito e cuidado com a língua portuguesa. Seus escritos, sobre vários assuntos, são verdadeiras lições de brasilidade. As artes gráficas, também, sempre o fascinaram. Durante os anos 1950 criou a revista Módulo, publicação interrompida pelo Golpe Militar de 1964 e retomada corajosamente pelo arquiteto quando de seu retorno ao Brasil em 1975, enfrentando a repressão e a censura ainda existente no país. Admirado e respeitado por intelectuais do mundo inteiro, pintou duas telas, presentes na exposição a partir de um comentário de André Malraux que, em sua primeira visita a Brasília, por ele chamada “A Capital da Esperança” disse ao arquiteto: “As colunas do palácio do Alvorada são as colunas mais belas produzidas pela humanidade desde a Grécia antiga. Vejo-as e imagino que belas ruínas elas nos darão no futuro”. Em 1964, deprimido pelo Golpe Militar, Niemeyer, no exterior, pinta duas telas que, a partir da afirmativa de Malraux, refletem o estado de espírito de um país que sucumbe ao arbítrio e à perda de sua cidadania.

No fim dos anos 1990, Niemeyer desenvolve aspectos escultóricos já presentes em toda sua produção arquitetônica. Com a retomada democrática, ele desenha diversos monumentos, e as suas formas arquitetônicas acentuam esse investimento estético tão presente no Museu de Arte Contemporânea, de Niterói (RJ), e no Museu Oscar Niemeyer em Curitiba. Suas esculturas passam a ser executadas e estão presentes em várias cidades brasileiras, bem como suas linhas de mobiliário desenvolvidas desde os anos 1980 com a parceria de sua filha Anna Maria. Territórios da criação tem por objetivo apresentar uma síntese de trabalhos criados pelo arquiteto que superam os limites de sua atuação profissional. Assim, mostra toda a sua capacidade criativa e a importância de seu legado para a construção de uma identidade visual que venha a refletir um país mais justo, mais harmônico e no qual as conquistas sociais sejam igualmente repartidas por todos os segmentos da pirâmide social brasileira.

Ao falecer, em 2005, a figura de Niemeyer constitui um patrimônio de todo o Brasil e a série de retratos realizados por alguns dos mais renomados fotógrafos nacionais que integra a exposição, reafirma o valor e a importância desse grande nome da arte brasileira que este ano comemora 110 anos.

Marcus de Lontra Costa

Rio de Janeiro
Setembro de 2017

Posted by Patricia Canetti at 11:23 AM