Página inicial

Arte em Circulação

 


fevereiro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29          
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 9, 2016

Sobre os vidros por Luiz Camillo Osorio

Sobre os vidros

LUIZ CAMILLO OSORIO

José Bechara - Jaguares, Paço Imperial, Rio de Janeiro, RJ - 18/12/2015 a 28/02/2016

A poética de José Bechara, desde o começo de sua trajetória, é marcada por incorporações de materiais cotidianos transformados por uma intervenção plástica marcadamente construtiva. A utilização recente dos vidros parece trazer algumas novidades. É sobre elas que quero falar. Importante frisar que não há rupturas, mas uma sobreposição constante de processos, procedimentos e materiais. Os vidros mudam o modo como suas instalações atuam no espaço e produzem uma experiência estética. Sim, falo aqui em experiência na medida em que estes trabalhos apostam na presença singular do acontecimento plástico e no quanto ele se desdobra no jogo de sensações e sugestões. Falar em experiência é falar em processo de formalização – algo que se produz no intervalo entre o que se vê e o que é visto.

Diferentemente das lonas de caminhão, o vidro não tem tempo, sua superfície não deixa grudar densidade histórica, não insinua profundidade. Ao contrário, o olho perpassa, atravessa o plano e se põe em contato com o que está fora. Se a lona era uma opção pela “interioridade” do material, o vidro é todo transparência e exterioridade. Além disso, se a lona acumula e resiste ao tempo, o vidro está na iminência da fratura, da quebra, de deixar de ser. Na lona interessava o que vinha do uso anterior – as manchas, os rasgos, as emendas, o descoloramento, as falhas – já no vidro interessa o que ele mostra fora dele, o que é pura articulação com o espaço e os outros elementos incorporados.

A saída para as instalações, realizada em momento anterior de sua obra, no começo dos anos 2000, vinha dos volumes agregados pela oxidação da lona, que aos poucos foi produzindo um gesto composicional que se projetava no espaço e incorporava a arquitetura. Não por acaso ele vai trabalhar com casas, móveis, mesas, elementos de uma arquitetura reduzida à geometria que se articulam na tensão entre brutalidade e delírio. A referência específica a coisas no mundo, objetos reconhecíveis do nosso cotidiano, foi se transformando em um jogo entre formas cheias e vazias que desenhavam no próprio espaço.

É deste gesto gráfico agregativo que surgem os vidros e as instalações recentes. Vários elementos anteriores são reapropriados e deslocados. Como nas suas pinturas e instalações, há uma ação que geometriza e outra que transtorna a forma, um jogo entre equilíbrio e instabilidade. Entretanto, aqui entra também uma certa fragmentação corporal, como se a frieza do vidro e das interferências geométricas no espaço o obrigassem a inserir uma energia expressiva através desses fragmentos pendurados. O ruído contido, que nas lonas vinha da densidade acumulada do material, aqui é introduzido com a soma de fragmentos heterogêneos que se combinam pelo conflito e não pela fusão harmoniosa – uma cabeça pendurada, um volume de papel, um tubo de luz, uma inserção pictórica ou cromática na parede. Tudo se agrega em torno do vidro que é o catalisador plástico da instalação.

De certa maneira, podemos dizer que estas instalações com os vidros sintetizam muito da trajetória poética de José Bechara. Há neles uma compressão expressiva que articula o frágil e o bruto, a impessoalidade e o drama. Coisa que já aparecia nas lonas com a geometria introduzida pela oxidação, mas que aqui se explicita sem cerimônia. A dimensão dramática adquirida pela obra parece-me produzida pela inserção da luz, que assume um papel decisivo: não só pela temperatura que ela dá à instalação, aquecendo o vidro, como pelo jogo de sombras e reflexos que é introduzido. É também aí que a experiência estética, mencionada de início, ganha tonalidades afetivas desconhecidas em sua obra anterior - mais especulativas, mais simbolistas, carregadas de sugestões cênicas. Sensações que não param de sugerir sentimentos e ideias.

Luiz Camillo Osorio, 2015

Posted by Patricia Canetti at 1:28 PM