Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


abril 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
abril 2021
março 2021
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 4, 2021

Flávio Cerqueira na Leme, São Paulo

A Galeria Leme informa a nova data de lançamento da exposição Um mundo de cada vez, por Flávio Cerqueira, para o dia 8 de abril. Devido ao agravamento da pandemia de Covid-19 no Estado de São Paulo e às novas medidas tomadas para a contenção do vírus, a exposição será realizada virtualmente.

Um mundo de cada vez - primeira exposição individual de Flávio Cerqueira na Galeria Leme - como o próprio nome nos convida a refletir, evidencia como as esculturas de Flávio são representações únicas, que trazem à tona realidades por muitas vezes invisibilizadas, mas que ao mesmo tempo carregam complexidades extremamente ricas e singulares a seu próprio modo. Nesse sentido, são extremamente precisas as escolhas pela escultura, pelo uso do bronze, e é claro, pela retratação de meninas e mulheres.

A opção por trabalhar escultura, pode-se dizer, não é das mais usuais no cenário artístico no século XXI, em parte devido ao alto custo do material e ao elevado nível de conhecimento técnico que este tipo de produção demanda. Somado a isso, é interessante observar a utilização que Flávio faz do bronze, um material maleável, mas que ao mesmo tempo ganha rigidez total após o esfriamento.

Se ao longo da história do movimento Barroco (séc. XVII – XVIII), as esculturas em bronze eram utilizadas principalmente para homenagear grandes personalidades europeias, em grande parte homens com importância política ou militar, Cerqueira vem a utilizar esta técnica com o objetivo de visibilizar a existência de corpos historicamente marginalizados, isto é, mulheres de um país que viveu a colonização e que ainda possui diversas marcas daquele período.

Cada uma das esculturas desta exposição fixa uma espécie de narrativa no espectador. Um exemplo é a obra Cansei de Aceitar Assim, onde há uma jovem de corpo delineado ao lado de uma placa em que está escrita a palavra STOP. Outro caso é a obra Para dar nome às coisas, escultura uma adolescente junto de uma luneta, a fim de nos trazer a ideia de descobrimento.

A exposição de Flávio Cerqueira vem a eternizar vivências e narrativas comumente vistas como de pouco valor ou corriqueiras. A partir de uma técnica clássica, muito utilizada em séculos passados, o trabalho faz uma problematização necessária a respeito da noção pré-estabelecida de grandes personagens históricos e a importância daí proveniente.

Sobre o artista

São Paulo, Brasil, 1983. Vive e trabalha em São Paulo, Brasil.

Flávio Cerqueira trabalha com processo tradicional de escultura conhecido como fundição por cera perdida e fundição em bronze, e explora a figura humana como protagonista.

Como artista/contador de histórias, Cerqueira cria vigorosas esculturas de bronze figurativas, focadas na construção de narrativas e representação de ações. Ele retrata seus personagens em situações cotidianas comuns e universais, como em momentos de introspecção, reflexão, concentração e ação. A presença de objetos do cotidiano, como espelhos, livros, troncos de árvores, rampas, escadas, cria tensão com as figuras humanas de bronze fora de escala. Esses cenários ocorrem dentro do cubo branco, que funciona como um pedestal, uma tentativa de desfocar as fronteiras entre a escultura e o mundo e entre a obra de arte e o espectador. Sua intenção é problematizar a relação entre espaço e espectador. Cerqueira usa a escultura como ferramenta para imobilizar o instante, o momento do fragmento de uma narrativa, onde o espectador se torna co-autor na produção de sentido para dizer que a história não tem fim, mas com vários finais as fronteiras entre fantasia e a realidade desaparece.

O trabalho de Cerqueira tem sido destaque em inúmeras exposições coletivas no Brasil e no exterior, incluindo, principalmente, nos Open Spaces em Kansas City, MO (2018); Histórias Afro Atlânticas, MASP – São Paulo, Brasil (2018); Queermuseu, Santander Cultural, Porto Alegre, Brasil (2017); Sul / Sul Deixe-me começar de novo, Goodman Gallery Cape Town, África do Sul (2017). 10ª Bienal do Mercosul, Porto Alegre, Brasil (2015); Resignificações, Museu Stefano Bardini, Florença, Itália (2015); Ichariba Chode, Galeria Plaza Norte, Saitama, Japão (2015); e a 16ª Bienal de Cerveira, Portugal (2011).
Suas obras podem ser encontradas em importantes coleções do Brasil, como as da Pinacoteca do Estado de São Paulo, do Museu Afro Brasil, do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC-USP) e do Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS).

Posted by Patricia Canetti at 10:59 AM