Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2021
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28            
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2021
janeiro 2021
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 26, 2021

Gustavo Speridião na Sé Galeria e Espaço Fonte, São Paulo

Sé apresenta: “Time Color” e “Sobre Pintura”, exposições simultâneas de Gustavo Speridião em dois espaços, entre os dias 27 de fevereiro e 15 de maio

Duas exposições que dialogam entre si ocuparão espaços distintos simultaneamente na cidade de São Paulo. É o que propõe o artista do Rio de Janeiro, Gustavo Speridião ao produzir dezenas de trabalhos divididos entre pinturas, volumes tridimensionais e vídeo que estarão expostos na Sé Galeria, localizada nos Jardins, e também no galpão do Espaço Fonte, na Vila Madalena. A entrada é gratuita.

A prática de Gustavo Speridião é feita de desenhos, colagens, pinturas, instalações e esculturas. São trabalhos caracterizados por justaposições espirituosas, atenção à linguagem, ao enquadramento e à cor. O artista parte de uma poética visual que, segundo Miguel Chaia, curador das exposições, é baseada no “desencanto trágico e no humor sem riso que nascem da absurda realidade, para oferecer outras possibilidades da arte constantemente revigorada”, se colocando criticamente diante da História da Arte e da cultura contemporânea.

A começar pela exposição “Time Color”, de caráter mais intimista e que ocupa os dois andares da Sé Galeria, o visitante irá se deparar com objetos tridimensionais-textuais de volumes quadrados e de menores dimensões, feitos em gesso, que evocam os cadernos que o artista utiliza em seu processo criativo, além de impressos e o vídeo Time Color. Já na exposição “Sobre Pintura”, no Espaço Fonte, o artista explora pinturas-monumento através de telas em grande formato com características murais e que aspiram ao espaço público.

De acordo com Miguel Chaia: “as pinturas e os tridimensionais trocam referências e signos entre si – possuem o quadrado, os retângulos com as bordas irregulares, a cor preta sozinha ocupando as áreas, grafismos rápidos e palavras indicativas – mas mantendo suas autonomias. Um abre gentilmente espaço para outro, mesmo utilizando os mesmos recursos visuais (…). A parcimônia no uso de materiais, a síntese na construção das formas, a sobriedade no plano e no espaço, o uso exclusivo de uma cor, trazem lembranças do brutalismo. Esta aproximação mais transparece ao se acrescentar a dimensão política enquanto desejo do artista de intervenção pública e de transformação social.”

No texto crítico que acompanha a exposição, o curador usa a metáfora de um quebra-cabeças da arte para se referir a produção recente de Speridião: “assim, reforçando a imagem do quebra-cabeças para pensar a arte de Gustavo Speridião: cabe indagar, qual peça se destaca, a da pintura ou a da poesia? Impossível responder quando são duas peças fundamentais e complementares”.

Sobre o artista

Gustavo Speridião nasceu no Rio de Janeiro, em 1978. Vive e trabalha também no Rio de Janeiro e é Mestre em Linguagens Visuais pela Escola de Belas Artes da UFRJ.
Em 2020, o artista participou da exposição coletiva “Chronicle du Trouble” curada por Thierry Raspail na galeria Les Filles du Calvaire, Paris. Participou também da exposição itinerante “Imagine Brazil” sob curadoria de Gunnar B.
Kvaran, Thierry Raspail and Hans Ulrich Obrist entre 2013-2015. Também em 2013, expôs na Bienal de Lyon sob a curadoria de Gunnar B. Kvaran e Thierry Raspail. Em 2015 integrou a coletiva “Parasophia 2015” no Festival Internacional de Cultura Contemporânea de Kyoto, Japão, com a curadoria de Shinji Kohmoto e Masako Tago. Em 2017 apresentou a exposição solo “Quilômetros” na Sé Galeria, São Paulo e também “Geometrie. Montage. Equilibrage. Photos e Videos” na Maison Européene de La Photographie, em 2013, em Paris.
Dentre os prêmios recebidos, destacam-se o Projéteis Artes Visuais, da Funarte, em 2007 e o Marcantônio Villaça/FUNARTE (Aquisição para o acervo do Museu de Arte Contemporânea de Niterói), em 2010. Suas obras estão em importantes coleções públicas brasileiras como a do Museu Nacional de Belas Artes, Rio de Janeiro, a Coleção Gilberto Chateaubriand (Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro), a do Museu de Arte Contemporânea de Niterói e a do Museu de Arte do Rio de Janeiro.

Sobre o curador

Miguel Chaia - coordenador e pesquisador do Núcleo de Estudos em Arte, Mídia e Política. Professor do Departamento e da Pós- Graduação em Ciências Sociais e do curso de Arte, Crítica e Curadoria da PUC-SP. Doutor em Sociologia pela USP. Autor de publicações sobre arte brasileira e filosofia política.

Posted by Patricia Canetti at 10:22 AM