Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
agosto 2020
julho 2020
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 11, 2020

A maior exposição monográfica de Beatriz Milhazes no Itaú Cultural e MASP, São Paulo

Mostra cobre produção da artista entre os anos 1990 e 2020; pinturas e esculturas estarão no MASP, gravuras e colagens, no Itaú Cultural

Com a abertura da mostra Beatriz Milhazes: Avenida Paulista – em 12 de dezembro no Itaú Cultural e em 18 de dezembro no MASP –, uma das mais importantes artistas brasileiras da atualidade ganha a maior exposição monográfica de sua carreira no Brasil. De caráter panorâmico e retrospectivo, a exposição reúne cerca de 170 trabalhos. Entre pinturas em grandes e pequenos formatos e esculturas, que serão vistas no museu, e gravuras, colagens e acrílicas, no Itaú Cultural, algumas obras são inéditas e a maioria vêm de coleções privadas, sendo reveladas ao público pela primeira vez.

O título da mostra remete a uma pintura de Milhazes do início dos anos 2000 (“Avenida Brasil”) e faz referência ao endereço das duas instituições que co-organizam essa exposição – celebrando, de certa forma, essa parceria inédita. “Avenida Paulista” também é o nome de uma obra que a artista realizou especialmente para ser exibida no MASP.

No Museu de Arte de São Paulo, a curadoria é de Adriano Pedrosa, diretor artístico da instituição, com assistência de Amanda Carneiro, curadora assistente no museu; no Itaú Cultural, a curadoria é de Ivo Mesquita. Tanto Pedrosa quanto Mesquita têm uma longa relação com Milhazes e acompanham sua carreira há anos.

“Esta é a maior exposição dedicada a Beatriz Milhazes, possível apenas em razão da colaboração inédita entre duas instituições como o MASP e o Itaú Cultural. A mostra cobre mais de três décadas de sua produção de pinturas, colagens, gravuras, desenhos, têxteis, bem como amplo material documental. Nesse sentido, é uma oportunidade verdadeiramente única para se conhecer e compreender o trabalho dessa que é uma das principais artistas brasileiras vivas, com uma obra já amplamente consolidada no panorama internacional”, diz Adriano.

Milhazes é uma das artistas brasileiras mais importantes no cenário artístico nacional e internacional. Reconhecida por sua produção icônica, ela trabalha com um complexo repertório de imagens associadas a diversos motivos, origens e fontes, oscilando entre a abstração e a figuração, a geometria e a forma livre.

A artista nasceu no Rio de Janeiro, em 1960, e estudou na Escola de Artes Visuais do Parque Lage no início da década de 1980, quando participou da exposição Como vai você, Geração 80? junto a um grupo heterogêneo de artistas que, de forma resumida, buscou retomar a pintura em contraposição à vertente conceitual da arte brasileira dos anos 1970.

As pinturas, gravuras, colagens e esculturas de Milhazes refletem formas e cores brasileiras e registram histórias e culturas artísticas desde o barroco até o modernismo, passando pelo dito popular até o erudito. Suas obras também estabelecem relações entre a artista e seu entorno mais próximo, da sua cidade Rio de Janeiro e do bairro onde fica seu ateliê, o Jardim Botânico.

Atualmente, suas obras estão em instituições como Centre Pompidou, Paris; Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofia, Madri; The Museum of Modern Art, Nova York; Tate Modern, Londres e Museum of Contemporary Art, Toquio.

A mostra simultânea nas duas instituições, cobre a produção da artista entre os anos 1990 e 2020, iluminando os desdobramentos da técnica que inventou e cunhou de monotransfer em torno da transferência e da impressão, que permeia seu pensamento e intervenção nos diferentes suportes e linguagens artísticas com os quais trabalha. A exposição está dividida em dois grandes núcleos: pinturas e esculturas no MASP; gravuras, colagens e acrílicas no Itaú Cultural – embora não exclusivamente.

Nos dois locais, o público poderá conferir, pela primeira vez de forma tão abrangente, as transformações do trabalho de Milhazes desde a década de 1990 e, ainda, ter acesso a uma produção bastante recente que foi pouco vista em instituições culturais. Nesse período, a artista produz suas primeiras gravuras com a Durham Press que, apresentadas no Itaú Cultural, possibilitam notar como a interlocução entre impressões e colagens com a pintura transformou sua prática artística. Na mesma década, em parceria com sua irmã e coreógrafa Márcia Milhazes, a artista passa a desenvolver trabalhos para espetáculos de dança, em uma frutífera relação que a aproxima da escultura.

No MASP, a mostra está inserida em um ano de exposições e programas públicos dedicado às histórias da dança e apresentará, de maneira inédita, uma inversão desse processo colaborativo entre as Milhazes: Márcia quem ocupará o espaço do museu – Beatriz foi quem sempre ocupou o palco. Por conta da pandemia do novo coronavírus, as apresentações de dança da companhia de Márcia que estavam previstas para 2020 tiveram de ser adiadas e devem ocorrer em 2021.

No museu, a galeria do segundo subsolo irá contemplar 50 pinturas de grandes dimensões em estruturas autoportantes que permitem a visualização das obras frente e verso. Do teto, penderá a escultura “Gamboa” (2010-20), que será também o cenário para o palco das apresentações da Márcia Milhazes Companhia de Dança.

No mezanino, serão apresentadas 12 pinturas de pequenos formatos, de até 1 metro, em uma atmosfera mais intimista que servirá de caminho para a galeria do primeiro subsolo, onde mais pinturas estarão expostas junto a uma série de 7 desenhos intitulada “Aleluia”, de 2020, e a tapeçaria “Carioca” (2007-08). Serão apresentadas ainda as colagens que resultaram de uma série de oficinas que retoma o Club Infantil de Arte do museu e em que artistas do circuito contemporâneo são convidados a propor uma atividade artística com as crianças.

No Acervo em transformação, no primeiro andar, foram instaladas a escultura “Marola” e a pintura “Avenida Paulista”, esta realizada especialmente para a exposição e que junto a outras 10 pinturas inéditas serão vistas pela primeira vez pelo público visitante.

Em um total de 79 obras, os três pisos do espaço expositivo do Itaú Cultural estarão dedicados à obra da artista. O foco são suas gravuras e colagens, que estão na base do pensamento e processo de criação de Beatriz, mas também apresenta três acrílicas – “Com quantos paus se faz uma canoa”, 1993, “O Campo”, 2001, e “Wild Potato”, 2013. Por lá, Ivo Mesquita se concentrou principalmente nos procedimentos de trabalho dela. O primeiro piso, por exemplo, apresentará 13 colagens e quatro gravuras que revelam como ela constrói suas composições. Um minidocumentário, sobre a artista e sua obra, com cerca de 20 minutos, realizado pelo Núcleo de Audiovisual da instituição e o fotógrafo Manuel Águas, reforça essa apresentação.

No 1S, 21 obras ocuparão todo o andar organizado em torno dos círculos contidos no trabalho de Beatriz. Estes trabalhos permitem a compreensão do modo como ela usa as estruturas das rosáceas, compassos, formas circulares, anéis e como, a partir desses elementos, a artista cria e desenvolve uma dinâmica que movimenta a composição no primeiro plano e faz com que suas pinturas, gravuras e colagens alcancem forte apelo ótico. “Não tem repouso do olhar nos trabalhos de Bia, sempre tem movimento, um giro, uma linha, e o observador se prende no que vê no primeiro plano sem perceber o que está por trás”, observa Mesquita.

Por fim, o 2S traz 40 obras que envolverão o andar com um caráter mais didático. Elas revelarão, por exemplo, como, no trabalho de Beatriz, uma ideia se desdobra em outra: uma pintura pode ser reestrutada como uma gravura diversa para, a partir dali, surgirem novas colagens. O público poderá perceber como um mesmo motivo é revisitado e utilizado por ela em outro trabalho, às vezes com intervalos de anos de um para o outro.

Segundo Mesquita, um dos pontos mais interessantes é mostrar como a artista consolidou linguagem, estilo e imaginário próprios. “Por um lado, existe racionalidade, matemática, precisão, determinação, mas ela também se arrisca”, afirma Mesquita. “O trabalho da Bia não é o que você vê, mas o que está por atrás”, completa. Amanda destaca a maestria com que a artista manipula formas e cores. “Para o público mais jovem essa exposição é uma surpresa boa e positiva. Há uma nova geração de observadores e visitantes que vão entrar em contato com a obra dela ao vivo pela primeira vez e podem se aproximar dessas características mais técnicas”, diz Carneiro.

CATÁLOGO

Organizado e coordenado pelo MASP e publicado em parceria com o Itaú Cultural, o catálogo tem duas edições, em português e em inglês. A publicação, uma das mais abrangentes sobre a obra da artista, apresenta novas conexões e olhares para seu trabalho, abordando a partir de outros pontos de vista sua relação tanto com o modernismo brasileiro como europeu. Além dos curadores, a publicação traz ensaios Estrella de Diego, Isabel Carlos, Jo Applin, Luiza Interlenghi e Yuko Hasegawa. Elaine Ramos foi a responsável pelo projeto gráfico. Estará à venda no MASP.

Posted by Patricia Canetti at 11:14 AM