Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2020
maio 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
janeiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 17, 2020

Centenário León Ferrari, exposição online na Nara Roesler

A Galeria Nara Roesler orgulha-se em comemorar o centenário de León Ferrari com exposição virtual León Ferrari em São Paulo com curadoria de Luis Peréz-Oramas. A mostra acontece à partir de 4 de junho de 2020 no Artsy e no website da Galeria.

[scroll down for English version]

Entre 1976 e 1991, León Ferrari (1920-2013) se exilou em São Paulo. Durante esse período, o artista pode renovar sua produção ao conceber tipologias formais previamente inexistentes em seu trabalho, enquanto sistematizava sua crítica sarcástica e radical ao poder e à religião.

1976 foi o ano infame em que o golpe militar impôs um longo período de ditadura na Argentina. Sentindo ameaças sobre si e sua família, Ferrari decidiu se instalar em São Paulo. Os primeiros anos após o golpe foram marcados pelo medo e a ansiedade em relação ao paradeiro de seu filho Ariel, ativista político que, junto com sua esposa, havia sido seqüestrado, aprisionado ilegalmente e assassinado pelas forças militares na Argentina. León e Alicia Ferrari jamais puderam enterrar os restos de seu filho. Uma longa luta pela justiça iniciou-se. Ferrari incessantemente buscou auxílio de inúmeras organizações e instituições internacionais, reivindicando justiça para seu filho. Surpreendentemente, é nesse momento decisivo de sua vida que Ferrari revisita sua prática de desenho abstrato, técnica que havia dominado com maestria no início da década de 1960.

Ao repetir a forma característica das línguas de fogo, combinada com um traçado gestual completamente original, ele concebe uma nova tipologia abstrata. Admiravelmente, esses desenhos, testemunhos de uma das experiências mais dramáticas na vida do artista, figuram como metáforas abstratas do inferno judaico-cristão realizadas por alguém que, mais tarde em sua vida, dirigiria uma carta ao Papa exigindo o cancelamento da noção do Inferno.

Em São Paulo, Ferrari também alcançou um dos ápices de sua prática escultórica ao utilizar emaranhados de arame na produção de estruturas prismáticas que remetem a gaiolas, ou a jaulas em volumes modulares; algumas delas, em escala monumental, foram desenhadas como elementos para eventos participativos, performáticos e sonoros.

A sujeição à cidade esmagadora contribuiu também para um novo conjunto de trabalhos conhecidos como 'Arquitetura da loucura', manifesto em desenhos e gravuras, e desdobrado através de diversas técnicas reprodutivas, como xeroxes, plantas arquitetônicas, cianotipias, etc., nas quais enfatizou o absurdo da vida cotidiana e a alienação das massas. Seu duradouro interesse pela linguagem também se apresenta em desenhos e colagens onde bestiários, alfabetos, séries numéricas e linhas emaranhadas ecoam suas esculturas e fazem colidir diversos conjuntos herméticos, eróticos e irônicos de codificação.

O legado mais interessante da produção brasileira de Ferrari está ligado às suas releituras da Bíblia e à denúncia dos horrores políticos e da violência institucional. Através da apropriação de imagens de guerras, da história e da história da arte, Ferrari reinventou completamente a colagem, voltando-a para a desconstrução do poder – como se verifica no “Juízo Final” de Michelangelo, que, submetido à defecação de pássaros, exemplifica uma de suas grandes e maduras composições performáticas, assim como a conjunção de figurações cristãs com imagens eróticas orientais.


León Ferrari (1920-2013) lived in exile in São Paulo from 1976 to 1991. During this period the artist was able to renovate his production, conceiving new formal typologies previously unseen in his work while systematizing his radical, sarcastic, critique of Power and Religion.

1976 was the infamous year when a military coup imposed a long period of dictatorship in Argentina. Sensing danger for him and his family, Ferrari decided to settle in São Paulo. The initial years were tainted by fear and anxiety related to the whereabouts of his son Ariel, a political activist who, alongside his wife, had been abducted, illegally imprisoned and murdered by the military forces in Argentina. León and Alicia Ferrari would never have the possibility to bury the remains of their sons. A long struggle for justice began, as Ferrari ceaselessly reached out to numerous international organizations and institutions claiming justice for his son. Strikingly, it was at this crucial moment in life that Ferrari revisited his abstract drawing practice, which he had masterfully dominated in the early 1960s.

Repeating a signature shape resembling tongues-of-fire, using a completely new gestural tracing, he then conceived a new typology of abstraction. Strikingly, these drawings, testimony one of the most dramatic experiences in the life of the artist, appearing like abstract metaphors of Judeo Christian hell by someone who, later-on in life, would address a letter to the Pope demanding the cancellation of the notion of Hell.

In São Paulo Ferrari also reached a peak in his sculptural practice using tangled metal wire to produce prismatic-like sculptures resembling cages, or modular, jail-like volumes, some of them monumental in scale and designed as elements for participatory, performative and sound-based events.

The exposure to the overwhelming city contributed to a new set of works labeled as 'architecture of madness', manifest in unprecedented drawings, prints and unfolding into various reproductive techniques such as Xeroxes, blueprints, cyanotypes, etc.in which he stressed the absurdity of ordinary life, the alienation of multitudes. His long-lasting interest in language is also present in drawings and collages where Bestiaries, Alphabets, numeric series, and tangled lines echo his sculptures and collide in various hermetic, erotic, ironic sets of codification.

Ferrari's most compelling legacy within his Brazilian production relates to his re-reading of the Bible and the denunciation of political horrors and institutional violence. In appropriating images of war, history and art history Ferrari entirely re-invented collage for the purposes of his deconstruction of Power - such as Michelangelo's Final Judgment that was submitted to the defecation of birds in a major mature performative work - as well as conflating Christian imagery with Oriental erotic images.

Galeria Nara Roesler is proud to celebrate León Ferrari's centennial anniversary with this virtual show featuring his landmark Brazilian production.

Posted by Patricia Canetti at 5:08 PM