Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


novembro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 7, 2019

Três Paisagens na Casa do Parque, São Paulo

Casa de Cultura do Parque traz pesquisas sobre paisagem em mostra inédita

Com curadoria de Cauê Alves, exposição aborda a subjetividade paisagística através de obras de Ana Paula Oliveira, Daniel Caballero e Fernando Limberger

Para além de um espaço ou território determinado, a paisagem é uma construção que agrega elementos naturais e geográficos e, ainda, algo da história e da cultura. Reflexões sobre a temática permeiam a mostra Três Paisagens, coletiva com os artistas Ana Paula Oliveira, Daniel Caballero e Fernando Limberger e direção artística de Claudio Cretti. A exposição tem abertura em 9 de novembro e fica em cartaz até 26 de janeiro, na Casa de Cultura do Parque.

“A paisagem está ligada às projeções, ao que ainda irá acontecer, ao porvir, e também ao devir”, diz o professor e curador Cauê Alves. “Seja natural ou artificial, a paisagem está diante ou ao redor de nós e portanto é indissociável do ambiente em que vivemos”, completa.

A diversidade retratada nos trabalhos de Oliveira, Caballero e Limberger, concebidos a partir de intervenções no ambiente expositivo ou de elementos recolhidos da natureza, visa contribuir para a ampliação da consciência do mundo e para a superação das adversidades ambientais.

Segundo o curador, a paisagem sempre foi objeto de investigação das ciências e das artes, desde os naturalistas na América do Sul, como Karl Friedrich Philipp von Martius e Alexander von Humboldt, até os contemporâneos. Entre os modernistas, ele destaca a pesquisa de Roberto Burle Marx, que ao longo de sua trajetória, além da Mata Atlântica, trabalhou com plantas do cerrado, espécies amazônicas e do sertão nordestino.

Três Paisagens segue essa investigação. A exemplo de Dark Tropicália (2019), de Daniel Caballero, série de quatro pinturas em lonas de caminhão, com fragmentos de árvores e cipós. O preto, cor predominante das obras, representa a tropicalidade da Mata Atlântica e chama a atenção para o obscurantismo da contemporaneidade em relação às florestas.

Viajante, o artista está envolvido desde 2015 com pesquisas em terrenos baldios e remanescentes do planalto paulista. O estudo resultou em materiais para o projeto Cerrado Infinito, composto por vídeos que caminham entre performance e documentário e apontam para investigação de uma natureza em colapso. O trabalho, com um viés de ativismo político, aborda a resistência de espécies vegetais desvalorizadas, reforça o posicionamento contra a homogeneização da paisagem e reabre a discussão sobre ambiente e construção de vistas urbanas.

Além de artista, Fernando Limberger é paisagista profissional e propõe uma relação entre paisagem e paisagismo. Com a instalação Paisagem reflexa: Parque Villa-Lobos (2019), ele constrói um espelhamento do parque vizinho na área externa na Casa de Cultura do Parque. O vínculo é estabelecido pela coleta, tratamento e plantio das sementes de espécies do Villa-Lobos, semeadas sobre um desenho de inspiração modernista que nunca vai se completar, pois algumas sementes não vão germinar e outras requerem mais tempo que os três meses da exposição. O reflexo do título também se aplica à ideia de reflexão sobre o projeto paisagístico e o local onde o parque foi implantado – um antigo aterro de materiais de construção, lixo e material de sedimentação retirado do Rio Pinheiros. Após o término da mostra, as mudas dispostas na “sementeira” serão distribuídas para pessoas interessadas em cultivá-las.

Limberger também exibe a Série verde, ambientes (2018), nove desenhos criados com penas tingidas de preto sobre papel em tonalidades esverdeadas. Semelhante à instalação, os desenhos aludem a vistas aéreas de projetos paisagísticos, plantações, áreas aradas, caminhos e outras paisagens manejadas.

Em Tempo Hábil (2019), Ana Paula Oliveira inventa paisagens a partir de 5 mil origamis de cigarras e peças de madeira-de-lei retiradas de antigas ferroviárias. Suspensas e presas por cintas que amarram carga de caminhão, elas apoiam as leves dobraduras que invadem o espaço. Na mostra, a artista faz uso de animais metalizados, naquim sobre o papel e demais materiais para representar linhas e casulos semelhantes a fósseis, que evidenciam a interrupção da vida.

No dia 30 de novembro, às 16h, acontece um bate-papo sobre Três Paisagens, com o curador e os artistas. Em janeiro, a Casa de Cultura do Parque também promove uma série de ações educativas de férias em torno da exposição.

Posted by Patricia Canetti at 10:46 AM