Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


julho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

julho 14, 2019

BienalSur: Draw me a flag na Fundação Getulio Vargas, Rio de Janeiro

FGV integra roteiro da BienalSur: Obra da coleção da Fundação Cartier poderá ser visitada a partir de 17 de julho

A Fundação Getulio Vargas (Esplanada do Centro Cultural FGV, Praia de Botafogo 186, Rio de Janeiro, RJ) abre seu espaço no próximo dia 17 de julho, às 11h30, para mais uma edição da BienalSur, o evento cultural de arte contemporânea mais conhecido da América do Sul, que apresenta a obra Draw me a flag, da Fundação Cartier, idealizada pelo artista francês Christian Boltanski.

A instalação consiste em 31 bandeiras, desenhadas por artistas de diversos lugares, que não representam países, mas apenas e simplesmente identidades visuais para um mundo sem fronteiras. A obra chega ao Brasil graças ao apoio da Embaixada da França e do Institut Français d'Argentine e fica em exibição até 31 de outubro de 2019.

A FGV mais uma vez faz parte do projeto, que tem como objetivo unir artistas de todos os continentes, com exposições distribuídas, simultaneamente, por diversos lugares do mundo. A realização da 2ª edição da Bienal Internacional de Arte Contemporânea (BienalSur) no espaço da FGV está inserida na missão da instituição, que tem entre suas muitas outras atividades, contribuir para o desenvolvimento da cultura no Brasil, assim como de promover eventos culturais que projetem a cidade do Rio de Janeiro e o país no exterior.

Estarão expostas na FGV as bandeiras criadas pelos artistas Alessandro Mendini, Itália; Anna Mariani, Beatriz Milhazes, Claudia Andujar, Davi Kopenawa e Iran, Brasil; Bernard Piffaretti, Didier Marcel, Franck Scurti, Hélène Delprat, Hugues Reip, Jean-Baptiste Bruant, Macha Makeif, Marc Couturier, Marie Darrieussecq, Monique Frydman, Roland Lehoucq, Michel Temman e Moebius, França; Charwei Tsai, Taiwan; Clemente Juliuz, Joseca e Osvaldo Pitoe, Paraguai; Fei Dawei, Gao Shan, Hu Liu, China; Leslie Wayne, Alemanha; Marc Newson, Austrália; Nobuyoshi Araki, Rinko Kawauchi, Japão; e Tim Hawkinson, Estados Unidos.

A obra em exposição alcança o KM 2486 de sua singular cartografia, que se estende ao redor do mundo até o mês de novembro com exposições de 400 artistas, em mais de 100 sedes – as quais trabalham de forma conjunta e colaborativa – em 43 cidades de 20 países, todas com entradas gratuitas.

Segundo Anibal Jozami, diretor geral da BienalSur, a mostra tenta, por meio da arte e da cultura, fomentar o diálogo e a integração entre nossos povos e, também, impregnar as correntes do Norte com novos conteúdos. É um projeto que nasce da interdisciplinaridade entre os estudos de relações internacionais e a teoria e história da arte. “A Fundação Getulio Vargas aderiu, desde o início, a esta iniciativa e se integrou, juntamente com outras universidades internacionais de primeiro nível, à rede acadêmica BienalSur”, afirma.

“Nesta segunda edição, a FGV recebe o projeto Draw me a flag, que é uma tentativa de eliminar as fronteiras e aproximar os povos por meio da arte. Para nós que criamos a BienalSur, é um privilégio contar com a adesão de uma das mais prestigiosas entidades da América Latina” destaca Jozami, que também é reitor da Universidad Nacional de Tres de Febrero (Untref), em Buenos Aires.

O projeto

Sobre uma ideia de Christian Boltanski, a Fondation Cartier pour L’art Contemporain lançou esse projeto, que segue crescendo e somando autores para novas bandeiras. A instalação consiste em aproximadamente 80 bandeiras desenhadas por artistas, cientistas, filósofos e parceiros da Fundação Cartier, que contribuíram com seus programas ao longo dos anos e que constituem hoje uma comunidade.

O projeto também faz parte da BienalSur 2019, no espaço público na Cidade de Buenos Aires e está relacionado com a obra “Banderas del fin del mundo” instaladas na Terra do Fogo, o ponto mais austral da Bienal, onde aconteceu a abertura desse grande evento cultural.

Com sua cartografia inédita a BienalSur elimina fronteiras, pensa com artistas locais e de todo o mundo, trabalha com colaboração e está em diálogo permanente com as demandas e interesses de cada sede em que se estendem as mais diversas propostas artísticas contemporâneas.

“Com a BienalSur buscamos traçar uma nova cartografia para que a cena artística global expanda seus sentidos a outros âmbitos. Buscamos romper com a ideia instalada de que a luz está no Norte. Essa decisão profundamente simbólica permite avançar no traçado de novos percursos”, destaca o diretor geral da BienalSur.

Já para Diana Wechsler, diretora artístico-acadêmica da BienalSur, a mostra é transgressora, na medida em que fomenta um estado de pensamento que rompe com estereótipos hegemônicos, que interpela públicos cada vez mais diversos e que convida a uma reflexão crítica sobre a contemporaneidade a partir das produções simbólicas de artistas de diversas origens. O leque de propostas artísticas da BienalSur continua em Santiago do Chile, Lima, La Paz, além das sedes na França, Itália, Espanha, Marrocos, México e Costa Rica.

SOBRE A BIENALSUR

A segunda edição da BienalSur, Bienal Internacional de Arte Contemporânea da América do Sul, será realizada de maio a novembro de 2019, com exposições simultâneas de mais de 400 artistas, distribuídas por 43 cidades, em mais de 20 países. A vibrante oferta artística se estenderá para mais de 100 sedes entre museus, centros culturais, instituições e zonas emblemáticas de espaço público, com a premissa de levar ao público, de maneira gratuita, as mais diversas manifestações artísticas contemporâneas. Organizada pela Universidad Nacional de Tres de Febrero (UNTREF), a primeira edição da BienalSur aconteceu em 2017, simultaneamente em mais de 30 cidades, de 15 diferentes países. Esta edição reúne exposições de mais de 350 artistas e curadores dos cinco continentes, com o objetivo de gerar uma rede global de colaboração associada institucional para eliminar distâncias e fronteiras, reivindicando a singularidade na diversidade.

Posted by Patricia Canetti at 12:38 PM