Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 29, 2019

Farnese de Andrade + Thiago Martins de Melo no Museu da República, Brasília

Reconhecido por inserir a capital do Brasil no circuito internacional de artes visuais, o Museu Nacional da República exibe, a partir de 25 de junho, exposições simultâneas de Farnese de Andrade e Thiago Martins de Melo. Com curadoria de Denise Mattar, ambas resultam da parceria entre o Museu brasiliense com as galerias paulistanas Almeida e Dale e Leme/AD. A iniciativa faz parte de um projeto itinerante das Galerias, que visa a levar mostras de artistas renomados para diferentes regiões do País.

"É com muita satisfação que os levamos [Farnese e Martins de Melo] ao público brasiliense. São artistas de gerações e linguagens diferentes, mas igualmente importantes para história da arte brasileira", afirma Antonio Almeida, sócio-diretor da Galeria Almeida e Dale. "Essa itinerância fortalece nosso compromisso de democratizar o acesso e a democratização da cultura", completa Eduardo Leme, sócio-fundador da Galeria Leme/AD.

Farnese de Andrade

Figura de singular trajetória nas artes plásticas brasileiras, Farnese de Andrade é autor de uma obra potente, que toma o observador por sua força e fragilidade, ao mesmo tempo em que o perturba com certa morbidez. Reunindo obras de coleções particulares do Rio de Janeiro, Bahia, Minas Gerais e Pernambuco, a exposição Farnese de Andrade – Memórias Imaginadas oferece ao público uma rara oportunidade para a apreciação de um conjunto integral da obra do artista. São mais de 100 trabalhos, entre pinturas, desenhos, gravuras e objetos que possibilitam um mergulho em seu mundo de fantasias construídas.

"Sua gravura é plena de texturas, cortes abruptos e contrastes de luz e sombra. Sem tirar a pena do papel, realizava compulsivamente os nanquins intitulados Obsessivos, de quase inacreditável precisão", afirma Denise Mattar. Para realizar seus desenhos em cores, Farnese desenvolveu ainda uma técnica refinada que chamava de "tinta transformada", com um resultado que os aproxima da pintura. "São trabalhos densos, ambíguos, permeados por uma sensualidade perversa e imersos numa sufocante ourivesaria visual", completa a curadora.

Em 1964, o artista, que já era reconhecido e premiado pela qualidade de seus desenhos e gravuras, passa a desenvolver trabalhos aos quais chama de "impressão manual de formas", técnica que consistia na criação de carimbos confeccionados a partir de madeiras carcomidas, sandálias velhas e apetrechos curtidos pelo sol e pelo sal, devolvidos pelo mar. A pesquisa desses materiais, até então utilizados como matrizes para a criação de gravuras singulares, acaba por conduzir Farnese a seus objetos.

O artista passa, então, a coletar fragmentos vários, encontrados num primeiro momento na praia e, posteriormente, comprados numa espécie de compulsão. Arrebatado por uma ânsia por capturar sua própria história e mergulhar em suas memórias imaginadas, aprisiona tudo aquilo que é coletado em caixas, gavetas, oratórios e semelhantes, criando assemblages que nunca são dadas por terminadas - processo interrompido apenas com venda das peças, o que o artista fazia a contragosto, recomprando-as por vezes.

"As assemblages de Farnese tratam de questões como a memória, o tempo, a vida e a morte, o masculino e o feminino, o pecado e o castigo. São combinações antagônicas de segredos e revelações, medo e malícia, delicadeza e crueldade. Ao mesmo tempo em que a finitude humana é escancarada por bonecas fragmentadas e cabeças suspensas no ar, a religião é questionada quando faz uso de ex-votos e santos paralisados, cortados, virados de ponta cabeça.", diz a curadora.

A exposição apresentada no Museu Nacional da República lança luz às várias facetas desta produção singular, comparável à de artistas surrealistas como o alemão Hans Bellmer e o americano Joseph Cornell. São trabalhos de séries emblemáticas, realizadas entre 1966 e 1996, entre as quais O Anjo Louco (1986), Olímpica (1996) e Sebastião (1978/81).

"[Farnese] usa oratórios, caixas e gamelas como continentes de uma turbulência mental mórbida, cujo grito sai abafado. São trabalhos potentes, mas claustrofóbicos, que remexem sem dó nas entranhas do inconsciente e, por isso, fascinam, encantam, assustam e incomodam", afirma Denise Mattar.

Thiago Martins de Melo

O cruzamento caótico de personagens e situações da história passada e presente do Brasil, pinçadas pelo olhar indignado e sarcástico de Thiago Martins de Melo, é o foco da mostra Necrobrasiliana, exibida a partir de 25 de junho, no Museu Nacional da República.

O neologismo que dá título à exposição associa o termo necro, que em grego significa morto, à palavra Brasiliana, que designa uma coleção de obras artísticas ou científicas tendo o nosso País como tema, e também à necropolítica, conceito criado pelo sociólogo camaronês Achille Mbembe, enfatizando que o poder dominante é sempre o responsável por ditar as regras de quem deve viver ou morrer.

A partir desse ponto de vista, o artista maranhense reflete sobre os legados históricos do Brasil, mostrando como a morte, a injustiça e a violência são exercidas há quinhentos anos sobre os mais fracos e como essa mesma arbitrariedade se desdobra no presente.

Aludindo à avalanche de informações da era contemporânea, Thiago Martins Melo extrapola a bidimensionalidade da tela e cria pinturas densas, formadas por diversas camadas, às quais também sobrepõe outros tipos de materiais. Suas crônicas exaltadas são potencializadas nas telas de grande formato, que mais parecem muros pelo uso deliberadamente excessivo da tinta.

Nelas se mesclam imagens emblemáticas da iconografia brasilianista, como os índios de Eckhout, Theodore de Bry e Debret, com outras imagens igualmente emblemáticas de um passado recente, a exemplo do retrato de Marighela, o carnaval proibido de Joãozinho Trinta, o rosto de Luzia [fóssil humano mais antigo encontrado na América do Sul] ou, ainda mais atuais, as manifestações de 2013 e a truculência da polícia. Resistências e decadências, simbologias e personagens, espiritualidade e sincretismo se engalfinham nesses muros assombrosos.

"Sejam esculturas, instalações, vídeos ou pinturas, as obras de Thiago Martins de Melo se constroem no excesso, em camadas de imagens intensas, sempre conectadas ao extermínio e às problemáticas enfrentadas pelas minorias. Por isso, seu trabalho causa impacto, não apenas pelas grandes dimensões e temas retratados, mas, também, por sua exuberância formal". afirma Denise Mattar.

Posted by Patricia Canetti at 1:31 PM