Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 29, 2019

Eduardo Navarro no Pivô, São Paulo

Dando continuidade ao seu programa anual de exposições de 2019, o Pivô apresenta Predição Instantânea do Tempo, primeira exposição individual do artista argentino Eduardo Navarro no Brasil.

O trabalho de Eduardo Navarro investiga possíveis pontos de convergência entre arte e ciência, dedicando especial atenção às possibilidades de diálogo entre forças naturais e espécies. O artista frequentemente trabalha com colaboradores de diversas áreas técnicas que o ajudam a desenvolver dispositivos especiais para investigar os efeitos dos fenômenos naturais na experiência humana, abrindo assim novas possibilidades de contato e interação com o nosso entorno imediato. As performances e instalações de Navarro, muitas vezes dependem de bailarinos e voluntários para acontecer. Suas propostas envolvem desde de coreografias complexas até desenhos comestíveis, em que ele parte de experiências sensoriais para colocar em cheque a distância entre o observador e aquilo que é observado.

Predição Instantânea do Tempo é um projeto comissionado pelo Pivô e realizado em seu espaço expositivo principal. Navarro partiu de seu interesse sobre o movimento dos ventos para conceber uma grande instalação composta por 27 trajes que se assemelham a estações metereológicas e que serão ativados por bailarinos ao longo da exposição. Este projeto segue uma metodologia utilizada em outros trabalhos, como In Collaboration with the Sun (Em Colaboração com o Sol), 2017 e Instructions from the Sky (Instruções para o Céu), 2016 em que Navarro desenvolveu uma indumentária especial para tentar se “sincronizar” com o movimento das nuvens e do Sol. Em Predição Instantânea do Tempo, o artista cria uma espécie de “roupa-biruta” que conecta o corpo com o vento.

Para desenvolver os trajes, Navarro observou atentamente os vetores criados pela representação cartográfica das correntes de ar sobre a Terra e observou o potencial coreográfico da mecânica dos indicadores de vento, mais conhecidos como “birutas”. Tanto o sentido figurado quanto o valor utilitário do objeto interessam ao artista. A biruta se esvazia ou se enche de ar, indicando o deslocamento do vento, e é surpreendente pensar que ainda sejam fundamentais na organização do tráfego aéreo na maior parte do mundo.

As roupas criadas pelo artista com tecido à base de nylon, - comumente usado em paraquedas e guarda-chuvas – performam um “ballet-eólico” em que o vento se torna a força central, de forma que guia os movimentos dos artistas e se torna um coreógrafo invisível. Para criar esta dança, Navarro desenvolveu junto com a bailarina e coreógrafa paulista Zélia Monteiro uma série de movimentos coreográficos em que bailarinos investigam o potencial plástico e a eficiência desses aparatos em resposta, e em relação, às correntes de vento dentro e fora do Pivô. Haverá duas ações programadas no início e no final da exposição, além de programas públicos em que os visitantes são convidados a experimentar os trajes.

Quando não estão em uso, os trajes ocupam o espaço do Pivô como uma espécie de instalação-laboratório, onde são postos à espera de seus usuários-meteorologistas. O artista pediu para que as janelas do espaço permaneçam sempre abertas, provocando a entrada das correntes de ar pelos corredores e fazendo com que as roupas se movimentem de acordo com as variações meteorológicas que ocorrerão durante o período expositivo.

Em Predição Instantânea do Tempo, Navarro desenvolve mais um projeto que aponta para uma forma de tecnologia sensorial que desencadeia conexões entre o corpo, o espaço urbano e a natureza. Ele explora formas de transformação da percepção para propor novas maneiras de relacionamento entre o humano e o seu meio.

A exposição foi viabilizada por meio de uma parceria anual com o Instituto Inclusartiz. A convite do Instituto, Eduardo Navarro viajou ao Rio de Janeiro para realizar uma residência durante a fase de pesquisa do projeto. Lá esboçou os trajes e fez os desenhos utilizados na comunicação visual da exposição no Pivô. Durante o período de exposição, ele voltará ao Rio de Janeiro para conduzir um programa público. Essa é a segunda edição da parceria com o Instituto, sendo que a primeira viabilizou a exposição e residência do artista mexicano Rodrigo Hernández.

Eduardo Navarro, 1979, é um artista de Buenos Aires, Argentina, cujo trabalho tem sido mostrado em diversas exposições coletivas ao redor do mundo, como a Bienal do Mercosul (2009 e 2013); Bienal de São Paulo (2010 e 2016); Surround Audience: The New Museum Triennial, New Museum, Nova York (2015); e Metamorfoses, Castello de Rivoli, Turin, Itália (2018). Entre suas exposições individuais estão Into Ourselves, The Drawing Center, Nova York; US/ DER TANK, Basel, Switzerland (2017/18); OCTOPIA, Museo Rufino Tamayo, Cidade do México, México (2016) e We Who Spin Around You, The High Line Art, Nova York, USA (2016).

Zélia Monteiro, 1960, é bailarina, professora e coreógrafa nascida em São Paulo. Sua pesquisa tem base no pensamento de Klauss Vianna, com quem trabalhou por oito anos, e na escola clássica italiana, onde teve contato com Maria Melô (aluna de Enrico Cecchetti).
Monteiro foi premiada cinco vezes pela Associação Paulista dos Críticos de Arte (1987, 1992, 1998, 2010 e 2016), e em 2014, ganhou o Prêmio Denilto Gomes, da Cooperativa Paulista de Dança, na categoria de melhor solo de improvisação, além de ter sido uma das cinco finalistas do Prêmio Governador do Estado de São Paulo, na categoria Dança.
Atualmente, dirige o Núcleo de Improvisação, é professora no Curso de Comunicação das Artes do Corpo - PUC/SP e dá aulas regulares de dança clássica na Sala Crisantempo.

Posted by Patricia Canetti at 12:31 PM