Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 28, 2019

Lia do Rio no Museu Nacional da República, Brasília

Com curadoria de Bené Fonteles, a mostra “Tempo em Suspensão” de Lia do Rio apresenta obras inéditas em Brasília de sua pesquisa sobre a natureza do tempo

Celebrando os 40 anos de trabalho de Lia do Rio, o Museu Nacional da República, em Brasília, abre exposição com obras da conceituada artista que vive na capital carioca. A mostra Tempo em Suspensão faz uma panorâmica de sua trajetória: começa na década de 80, no início de sua pesquisa sobre “tempo e natureza”, e culmina com uma surpreendente instalação em que nos coloca diante do futuro. São cerca de 40 trabalhos inéditos na capital federal, com curadoria de Bené Fonteles. Instalações, esculturas, objetos, fotografias, colagens, vídeos e desenhos ocupam as quatro salas do Espaço Galeria Acervo, até 4 de agosto. A entrada é franca.

Lia do Rio foi uma das primeiras artistas a trabalhar com temas ligadas à natureza no Rio de Janeiro, muito antes dessa questão entrar para a ordem do dia, a partir da ECO 92. Suas obras são constituídas de materiais não convencionais (folhas secas, tijolos, troncos ou pedras) e acontecem, muitas vezes, na própria natureza. Mas suas questões falam, acima de tudo, do Tempo. “A natureza me fez perceber que o tempo não existe. Sem princípio, meio ou fim, o mundo está continuamente se transformando. Só existe o aqui e agora. Inúmeros, um atrás do outro, que começam e acabam em si mesmos. Os índios bem sabem disso. O problema é que nós nos esquecemos de que também somos natureza”, diz a artista.

Em atividade desde a década de 80, a paulista Lia do Rio apresenta trabalhos de diferentes fases da carreira. Destacam-se um imenso livro feito de folhas secas (O livro de folhas, 1994); uma grande escultura de vidro e sementes de pente de macaco, moldada com o perfil de duas irmãs gêmeas univitelinas (Anamariahelena, 1997); e outras recentes, como uma instalação com pedra brita (Escalada, 2015); e uma onde insere pedras retiradas de sua vesícula sobre imagem do solo pedregoso de Marte (Porvir, 2016). Algumas peças vieram de acervos, como o da Faculdade Cândido Mendes e do próprio Museu da República.

“Lia tem a coragem de não se importar em expor o que se diz efêmero no espaço museológico. Confere nobreza e leveza, que ganha na arte contemporânea no Brasil um lugar de relevância ainda não de todo reconhecido, mas por tudo, significativo e seminal”, explica Bené Fonteles, curador e coordenador do Movimento Artistas pela Natureza, projeto de artistas ativistas, denominados “artivistas”, que lutam a favor da consciência ecológica e da educação ambiental por meio da arte. Para Fonteles, “Tempo em Suspensão” é uma mostra antológica, que demonstra o pensamento sofisticado de Lia do Rio ao longo de décadas, nos pondo em diálogo profundo com a grande ilusão que é o tempo.

SOBRE LIA DO RIO

Nasceu em São Paulo, vive e trabalha no Rio de Janeiro. É Bacharel pela Escola Nacional de Belas Artes da UFRJ; tem Pós-Graduação em Arte e Filosofia, e Pós-Graduação em Filosofia Antiga, PUC-RIO. No início de sua trajetória artística, foi aluna de Abelardo Zaluar, Quirino Campofiorito e Mário Barata. A partir de seu ingresso na Escola de Artes Visuais do Parque Lage, em 1982, teve como orientadores Fernando Cocchiaralle, Ricardo Basbaum, Paula Trope, Tunga, Celeida Tostes, Reinaldo Roels Jr, entre outros. Inicia-se em pintura, mas logo seus trabalhos adquirem tridimensionalidade. Ao longo de quatro décadas participou de centenas de exposições individuais e coletivas no Brasil e no exterior (EUA: Nova York e São Francisco; Japão: Tóquio e Kobe; Guatemala; Alemanha; França e Kioto). Foi selecionada para diversos salões, com destaque para o Novos-Novos, o XX, Macunaíma 90, os XXº e XXIIº Salão Nacional de Belo Horizonte, e o Le Dejeuner sur L’Art (premiada por 4 vezes). Recebeu diversos prêmios, como Intervenções Urbanas; Brahma Reciclarte; Prêmio FIAT 89 (RJ) e Meditronic de Artes Plásticas (SP). Seus trabalhos fazem parte de diversos acervos, no Brasil e exterior, como o Parque Nacional da Tijuca (RJ), o Jardim Botânico (RJ), a Fundação Cândido Mendes (RJ) e o próprio Museu da República (DF). Ao longo do tempo, como professora de arte, lecionou em importantes instituições, como o Parque Lage e o Instituto Calouste Gulbenkian. Coordena exposições, workshops e palestras, e faz acompanhamento de diversos artistas. Seu livro Lia do Rio: Sobre a Natureza do Tempo foi editado, em 2015, pela editora Fase 10.

Posted by Patricia Canetti at 12:05 PM