Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 16, 2019

Anaísa Franco na Lume, São Paulo

Anaísa Franco une arte e tecnologia em exposição interativa na Galeria Lume: a artista traz obras que instigam o público a pensar através dos sentidos

"Nada está no intelecto sem antes ter passado pelos sentidos." A afirmação é do filósofo grego Aristóteles, autor da teoria de que o ser humano percebe o mundo através de cinco sentidos: visão, tato, olfato, paladar e audição. A obra de Anaísa Franco faz valer a tese. A artista combina arte e tecnologia para dar vida a esculturas e instalações sensoriais, nas quais o pensar é ativado pelos sentidos. Um conjunto destas criações será exibido em Expanded ID / ID Expandida, mostra individual que ela apresenta a partir de 18 de junho, na Galeria Lume.

O título da exposição faz referência a um termo da medicina que compreende efeitos de fatores sociais e psicológicos para qualificar processos orgânicos do corpo humano. E nada é ao acaso. Anaísa Franco passou os últimos anos em trânsito pela Europa, Ásia e Austrália. No decorrer desta jornada, tornou-se mestre em artes digitais e desenvolveu uma série de estudos acerca das conexões entre os sentidos humanos e suas criações tecnológicas interativas.

Filha de mãe psicanalista, Anaísa age com o mesmo rigor e a curiosidade que movem um cientista. E é assim que investiga e questiona a possibilidade de inserir comportamentos, sentimentos e emoções em máquinas esculturais. Ela sente o mundo de diferentes formas e quer que o público sinta o mesmo.

Hoje, em seu trabalho como artista que vive no mundo digital, Anaísa usa artifícios como a eletricidade para gerar vida às peças que outrora eram inertes. É o que ela faz em Expanded ID (2018), uma instalação de arte pública interativa que capta a impressão digital do visitante e a transforma em uma animação generativa. A partir da interação do espectador, tal qual mãos percorrendo um piano, a obra pulsa em blocos 3D coloridos com formas únicas que mudam de acordo com as impressões digitais de quem participa. O trabalho foi desenvolvido durante a residência Homeostase, na FABLAB Garagem, em São Paulo, e no Exhbited City Life Festival, em Xangai, na China.

Anaísa Franco cunhou termos próprios para definir algumas de suas obras. Confusion (2014), trabalho formado por uma cabeça com duas faces, foi denominado por ela como uma escultura emocional. Feita durante uma temporada da artista no Museu de Arte Contemporâneo da Gas Natural Fenosa, em La Coruña, na Espanha, a obra teve um processo de criação bastante complexo. Franco teve de usar sua própria cabeça como molde e transformou uma bola de plasma em um sensor que ativa diálogos confusos a partir do toque do visitante.

A comunicação entre humano e máquina volta a surgir em On Shame (2014), instalação feita em colaboração com o músico e programador Scott Simon. O trabalho é composto por um dome transparente que captura o rosto do espectador através de uma câmera. A imagem é distorcida, muda de cores e emite diálogos, vozes inconscientes.

"Uso conceitos da psicologia e das ciências cognitivas para criar interfaces que relacionam o físico com o digital. É um processo de constante experimentação de novos materiais e métodos de concepção digital. Tudo isso para, no fim, chegar a uma situação afetiva", explica a artista.

As criações de Anaísa Franco funcionam como organismos vivos e, assim como os humanos, precisam ser nutridas. A base dessa alimentação é a interação com o público e, não à toa, ela concebeu uma espécie de cozinha digital. Trata-se de Sweet Reflection (2016), instalação projetada em forma de um grande favo de mel. Lá dentro, o visitante vai se deparar com uma câmera fotográfica para mapear seu rosto e uma impressora 3D que transforma a imagem em panquecas de chocolate. A artista instiga o participante a, literalmente, comer sua selfie. As fotos ainda são convertidas em adesivos e inseridas nas células que compõem a obra, formando, assim, uma espécie de memorial temporário.

A todo tempo e de formas diversas, Anaísa Franco provoca o público a se ver do avesso e a atravessar um misto de sensações e sentimentos. É um percurso que pode ser feito através de obras como Your Wave of Happiness (2014), designada pela artista uma escultura sensível e interativa que gera ondas de luzes coloridas a partir da interação do visitante.

Anaísa Franco (1981) nasceu em Uberlândia, Minas Gerais, e vive e trabalha em São Paulo. É Mestre em Arte Digital e Tecnologia pela Universidade de Plymouth, na Inglaterra, e se formou em Artes Visuais na Fundação Armando Álvares Penteado (FAAP) em São Paulo. Nos últimos anos vem desenvolvendo trabalhos sobre novas mídias em laboratórios digitais, residências e comissões, entre os quais, a Medialab Prado, Mecad, MIS, Hangar, Taipei Artist Village, China Academy of Public Art Research Center, Mediaestruch, Cite des Arts, ZKU, SP_Urban, MAC Fenosa, CCS Creativity and Cognition Studios at UTS, Vivid Sydney 2015, entre outros. Suas obras foram expostas no EXIT Festival em Paris; ARCO Madrid na Espanha, Europalia em Bruxelas, Live Ammo no MOCA Museum of Contemporary Art em Taipei, Taiwan, TÉKHNE no MAB em São Paulo, Brasil, Sonarmática no CCCB em Barcelona, Espanha, no 5th Seoul International Media Art Bienalle, Seoul, Coréia; Vision Play no Medialab PRADO, Experimenta Biennial na Austrália e muitos outros espaços. A artista atualmente é representada pela Galeria Lume, de São Paulo.

Posted by Patricia Canetti at 8:35 AM