Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


abril 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

abril 2, 2019

Claudio Goulart na FVCB, Viamão

No dia 6 de abril de 2019, a partir das 11h, a Fundação Vera Chaves Barcellos inaugura a exposição individual Claudio Goulart | Quando o horizonte é tão vasto, com curadoria de Fernanda Soares da Rosa. A exposição reúne mais de 60 trabalhos do artista brasileiro, incluindo fotografias, videoarte, instalações, livros de artista, arte postal, colagens, registros de intervenção urbana, de exposições e de projetos em vídeo. Parte desses trabalhos foram desenvolvidos para projetos maiores que Goulart exibiu em diversos países. As obras foram recentemente incorporadas ao acervo artístico da FVCB através da doação realizada pela Fundação Art Zone — instituição holandesa criada ainda em vida por Goulart.

Em 2015, a Fundação Vera Chaves recebeu a doação de quase a totalidade das obras de Claudio Goulart (1954-2005), artista brasileiro, natural de Porto Alegre, que desenvolveu sua carreira em Amsterdã, na Holanda, onde viveu desde a segunda metade da década de 1970.

O acervo artístico e documental doado pela Fundação Art Zone — instituição holandesa criada ainda em vida por Goulart e até então legatária de sua obra — revelou o caráter arquivista e colecionador do artista que, ao longo de sua trajetória, reuniu em fotografias, escritos, registros e obras de arte, um arquivo muito próprio e pessoal.

No limiar dos horizontes possíveis de serem visualizados através da obra de Goulart, há caminhos, paisagens, diálogos e interlocuções. Nesses trabalhos, realizados nas mais diferentes linguagens e suportes, e apresentados em diversos países, encontra-se uma pluralidade de leituras a temas ligados à história mundial e da arte, e que ainda suscitam questões acerca da memória individual e coletiva, além de questões políticas e sociais.

Claudio Goulart | Quando o horizonte é tão vasto é a primeira exposição individual póstuma do artista no Brasil, realizada na Sala dos Pomares, no primeiro semestre de 2019. A FVCB, assim, tem o intuito de apresentar e refletir sobre essa rica produção, exibindo, inclusive, diversas obras inéditas, nunca antes apresentadas pelo artista.

Para o dia de abertura, a FVCB disponibilizará transporte gratuito em dois horários: às 11h e às 14h, com saídas em frente ao Theatro São Pedro, Centro Histórico de Porto Alegre. Inscrição prévia: info@fvcb.com, 51-3228-1445 e 51-98102-1059.

A visitação segue até dia 20 de julho, sempre com entrada gratuita. Visitas mediadas podem ser agendadas por e-mail ou pelo telefone 51-98229-3031.

Claudio Goulart, artista brasileiro, nascido em Porto Alegre, em 1954, desenvolveu seus estudos em Arquitetura, na Universidade do Vale dos Sinos (UNISINOS) e em Artes Visuais, na Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Em 1976, aos 22 anos de idade, mudou-se para a Europa com o intuito de aperfeiçoar seus estudos. Fixou residência em Amterdã até seu falecimento, em decorrência da aids, em 2005. Durante todo esse período residindo na Europa, Goulart participou de diversas exposições e projetos artísticos em países, como: Portugal, Espanha, Alemanha, Suíça, Inglaterra, Cuba, México, Japão, entre outros. Voltou ao Brasil durante breve período, no final da década de 1970, para realizar alguns projetos, como a exposição Claudio Goulart no N.O., em 1979, no Espaço N.O., em Porto Alegre.

Fernanda Soares da Rosa é graduada em História (Licenciatura e Bacharelado) pela Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (FFCH-PUCRS) e mestre em Artes Visuais, área de concentração em História, Teoria e Crítica, pelo Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (PPGAV-UFRGS). Em sua pesquisa de mestrado investigou questões referentes a arquivos e a memória na arte contemporânea, através da produção do artista Claudio Goulart. Atua como Historiadora no Acervo Artístico da Fundação Vera Chaves Barcellos, trabalhando com a catalogação de obras de arte, pesquisa sobre Arte Contemporânea, curadoria e organização de exposições.

INFORMAÇÕES SOBRE ALGUMAS OBRAS

Los juguetes, 1997. A obra exibida na Sala dos Pomares é um recorte da instalação apresentada na VI Bienal de Havana, em 1997. Formada por repetidos autorretratos do artista, seus olhos vendados por fitas coloridas dividem espaço com imagens apropriadas e diversos símbolos, delimitados em giz branco sobre o peito. A obra aborda conflitos identitários e temas importantes para Goulart, como as diferentes versões da história, as imagens de guerras e conflitos armados, o colonialismo ocidental, o dinheiro, as manipulações da mídia, os mitos criados pelo cinema, a situação social dos povos oprimidos, entre outros.

Dialogs, 1980. Vídeo que tem origem em uma performance realizada em parceria com o artista Flavio Pons, em 1978, na galeria Bedaux, em Amsterdã. Nele, os artistas apresentam dois aspectos dos mais caros à existência humana: a incomunicabilidade e a passagem do tempo. Os artistas utilizam uma fita de tecido como metáfora do conteúdo de suas falas, aquilo que vai e vem, que é assimilado ou não, devolvido ao bel prazer dos dois interlocutores, expressando nessa troca, diversas potências comunicacionais possíveis entre duas pessoas. Durante a videoarte, os artistas também colocam vendas os olhos: o olhar sobre o outro, enquanto o aceitar o outro, e o não olhar, como o desprezar aquilo que o outro exprime. Falar e ser escutado — e não apenas ouvido — e escutar quando o outro fala são dois pressupostos essenciais ao sucesso da comunicação humana.

Excerpts from/ Fragments of a Landscape, 1986. Um projeto realizado nos caminhos que o artista traçou entre Amsterdã e Almelo, esta última cidade localizada a cerca de 150 km de distância da capital holandesa. As fotos escolhidas para compor o projeto passaram por um processo de fotocópia e de ampliação; dessas ampliações, as imagens foram dispostas em fragmentações e unidas novamente com uma fita branca, delicadamente colada no verso. São fragmentos das paisagens condensados pelo olhar do artista.

Da série The Printout, 2000. The Printout é uma série produzida a partir de imagens apropriadas e colagens. Com Printout, Claudio utiliza como ferramenta a web para disponibilizar um projeto inteiramente de domínio público. Produzindo uma série pensada e desenvolvida para um espaço não convencional do campo das artes, como galerias e museus, dessacralizando o objeto artístico, tornando-o totalmente acessível, gratuito e de certa forma atemporal. Toda a série está disponível no site da Fundação Art Zone (www.artzone.nl/) para download e livre utilização.

Posted by Patricia Canetti at 12:16 PM