Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


março 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
31            
Pesquise no blog:
Arquivos:
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

março 16, 2019

Cobogó lança livro de Iole de Freitas no Rio de Janeiro e São Paulo

Iole de Freitas – corpo/espaço apresenta estudos, desenhos e textos da artista elaborados durante seu processo criativo ao longo de 40 anos de carreira

Iole de Freitas – corpo/espaço apresenta um panorama da obra e da linguagem da artista, ao longo de 40 anos, em imagens, textos e outros materiais que antecedem ou acompanham o processo da criação de suas obras. São eles estudos, esquemas, esboços, anotações e desenhos. O livro, que conta patrocínio do Icatu Seguros, será lançado pela Editora Cobogó no dia 20 de fevereiro na Livraria da Travessa de Ipanema às 19h. Em São Paulo, o livro será lançado no dia 20 de março, na Galeria Raquel Arnaud, que representa a artista, onde acontecerá uma conversa da artista com Paulo Venancio Filho. “O trabalho de Iole de Freitas surge numa época de eventos radicais e conturbados afetando várias esferas da vida e da sociedade modernas e em novo centro artístico europeu: a Milão dos anos 1970. Naquele momento histórico, surgem práticas heterodoxas, inovadoras, experimentais que vão caracterizar a arte contemporânea. Nada está proibido, tudo é permitido. É um contexto estimulante ao qual Iole responde, se integra e é aí uma participante efetiva dessa renovação artística de vanguarda europeia, escreveu Paulo Venancio Filho, em ensaio inédito para o livro.

Para a construção do livro, Iole mergulhou em seu acervo pessoal, hoje depositado no arquivo do Instituto de Arte Contemporânea (IAC), em São Paulo. Dentre os materiais, mais de dez mil peças produzidas entre 1972 e 2018, em que estão presentes o interesse primordial pelo corpo e a reinvenção do espaço. “Sempre tive a preocupação de acompanhar e registrar em fotografias as obras de escala grande”, diz a artista. Juntamente com Paulo Venancio Filho e a designer Rara Dias, sua filha, o passo seguinte foi costurar imagens e textos de maneira que o livro tivesse fluidez na passagem de um momento a outro da carreira da artista.

Além dos ensaios de Venancio, e da curadora Elisa Byington, escritos especialmente para o livro, a publicação traz textos históricos de Lucy Lippard, Sônia Salzstein e Paulo Sergio Duarte, escritos na época em que cada trabalho foi realizado. “Com esse livro, passo a ter uma possibilidade reflexiva sobre o meu trabalho que nunca tive, e desenvolver um raciocínio contínuo. Posso voltar a um momento anterior, que não existe mais, com a contundência dos textos e das imagens”, explica a artista. “Descubro coisas novas a partir do olhar do outro e isso me ajuda a seguir adiante em novos trabalhos”, completa.

Iole de Freitas nasce em 1945, em Belo Horizonte, Minas Gerais. Com seis anos, muda-se para o Rio de Janeiro, onde inicia sua formação em dança contemporânea. Estuda na Escola Superior de Desenho Industrial (ESDI) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). A partir de 1970, vive por oito anos em Milão, Itália, onde trabalha como designer no Corporate Image Studio, da Olivetti, sob a orientação do arquiteto Hans Von Klier, entre 1970 e 1971. Passa a desenvolver e expor seu trabalho em artes plásticas a partir de 1973. Entre as exposições individuais destacam-se: 9a Bienal de Paris (1975); 15a Bienal de Arte de São Paulo (1981); exposição itinerante Cartographies (1993), em Nova York, Ottawa, Winnepeg, Bogotá, Caracas e Madri; a individual O corpo da escultura: a obra de Iole de Freitas, curada por Paulo Venancio Filho, no Museu de Arte Moderna de São Paulo e no Paço Imperial do Rio de Janeiro (1997); e a 5a Bienal do Mercosul (2005), em Porto Alegre. Em 2007, Iole foi convidada a desenvolver um projeto inédito para a Documenta 12, de Kassel, na Alemanha. Em 2017, participou da exposição Modos de ver o Brasil: Itaú Cultural 30 anos, em São Paulo.

Posted by Patricia Canetti at 11:12 AM