Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


fevereiro 2019
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28    
Pesquise no blog:
Arquivos:
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

fevereiro 12, 2019

Marcelo Amorim no MARP, Ribeirão Preto

Em exposição individual no MARP - Museu de Arte de Ribeirão Preto Pedro Manuel-Gismondi, o artista Marcelo Amorim explora a normatividade em imagens e textos de cartilhas e livros didáticos brasileiros utilizados em todo o Brasil na primeira metade do século XX

O que aprendemos sobre as normas, estruturas e relações que organizam a sociedade durante todo o nosso processo de alfabetização na escola? Que visões de mundo estão presentes nos textos e imagens dos livros didáticos que nos ensinam a ler?

Esta é uma das muitas questões que atravessam a produção do artista goiano Marcelo Amorim em sua exposição individual Escola Normal, com abertura no dia 15 de fevereiro, às 20h30, no MARP e reúne a produção do artista em forma de desenhos, vídeos e um livro de artista.

Para fazer os desenhos e o livro de artista que integram a exposição Escola Normal, o artista Marcelo Amorim tomou como ponto de partida a série Proença de livros didáticos publicados entre as décadas de 1920 e 1950 pela editora Melhoramentos. Este material, utilizado por gerações de professores de alfabetização de escolas em todo o Brasil, apresentou a professores e estudantes não apenas o “be-a-bá” do funcionamento da Língua Portuguesa, mas também consolidou valores e visões de mundo por meio de textos, historietas, personagens, exercícios e ilustrações.

Nas cartilhas e livros de leitura e interpretação de texto, Marcelo Amorim garimpou vestígios da história da educação nacional e reconstruiu aspectos de um processo histórico complexo, considerando permanências, fragilidades, condicionamentos sociais e culturais ao redor da educação escolar e dos elementos curriculares de quem os livros didáticos são veículo. Apropriando-se de imagens, trechos de textos e frases, Amorim, que tem formação como editor e designer, explora em suas obras alguns procedimentos de edição que aliam estratégias de justaposição, síntese e colagem, dando origem a sequências narrativas surpreendentes.

Para o artista: "É importante ler essas imagens diacronicamente. Não se trata apenas de constatar o passado mas de percebê-lo em sua evolução no tempo. Rever estas imagens deixa claro que a função social da escola e do livro didático pode ser considerada como um poderoso instrumento pela manutenção de regras, comportamentos, padrões sociais até os dias de hoje".

A mostra e a programação têm a curadoria da educadora e escritora Valquíria Prates e do diretor do MARP Nilton Campos e reúne um recorte de trabalhos de diversas épocas, entre desenhos, pinturas e vídeos que têm em comum a educação formal, tema que o artista Marcelo Amorim vem investigando em sua produção desde 2009.

Durante os dois meses de duração da exposição Escola Normal, o artista seguirá periodicamente editando novas publicações a partir de uma seleção de cópias de páginas de materiais didáticos antigos e raros de sua coleção, em um ateliê instalado dentro da mostra. Esta ação faz parte da investigação e criação de um novo trabalho do artista, em processo durante a exposição.

Neste mesmo espaço de ateliê, serão realizados encontros de formação de professores, conversas, debates e outras proposições em torno dos assuntos suscitados pela mostra. Um grupo de educadores do MARP receberá escolas, grupos e outros visitantes para conversas diariamente.

Para maiores informações e agendamentos de grupos, entrar em contato com o MARP.

Bate-papo no MARP

Tradicionalmente o MARP faz um bate-papo na manhã seguinte à abertura de exposição. No sábado, 16 de fevereiro, às 10h, com a presença do artista Marcelo Amorim, da curadora Valquíria Prates e do curador e diretor do MARP Nilton Campos, além da participação especial do artista Nino Cais (São Paulo-SP).

Posted by Patricia Canetti at 4:58 PM