Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


novembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

novembro 10, 2018

Sonia Gomes no MASP, São Paulo

A monográfica Ainda assim me levanto é uma parceria do MASP com Instituto Bardi e obras também serão exibidas na Casa de Vidro

No ano em que completa 70 anos, Sonia Gomes (Caetanópolis, MG) ganha sua primeira monográfica em um museu paulistano. A mostra no MASP, Ainda assim me levanto, se realiza em parceria com o Instituto Bardi e os trabalhos da artista mineira serão exibidos tanto no espaço do museu como na Casa de Vidro, icônicas construções que desafiam a obra de Sonia a dialogar com a arquitetura modernista de Lina Bo Bardi. Concomitantemente à abertura de Rubem Valentim: Construções afro-atlânticas, ambas mostras integram o ciclo de histórias afro-atlânticas, eixo curatorial ao qual o museu se dedica em 2018.

Única brasileira convidada para a 56ª Bienal de Veneza de 2015, curada por Okwui Enwezor, Sonia Gomes iniciou sua carreira aos 45 anos e aos 60 encontrou reconhecimento, estando hoje em plena atividade.

Ainda assim me levanto é o título escolhido pela própria artista para a exposição, em referência ao poema “Still I Rise”, de Maya Angelou, escritora e ativista estadunidense reconhecida por sua luta em favor dos direitos civis, sobretudo para os negros e as mulheres.

O processo de realização das obras que integram a mostra ocorreu ao longo deste ano, de modo comissionado. E o caráter inédito não reside apenas na exibição de novos trabalhos, mas também na escolha de um dos materiais com o qual ela decidiu trabalhar: a madeira.

Suas esculturas e instalações –comumente executadas em tecido e com peças de mobiliário ofertados à artista ou encontrados ao acaso– são bordadas com minúcia. “Retalhos e também objetos, outrora úteis e depois fadados ao descarte, manipulados manualmente, constituem matéria de poesia nos trabalhos de Sonia Gomes”, afirma Amanda Carneiro, supervisora de mediação e programas públicos do MASP e curadora desta exposição.

“Ao utilizar materiais ligados ao universo doméstico, a artista lhes confere novos significados; eles passam a questionar e, ao mesmo tempo, reafirmar o que se atribui a uma produção feminina, mais ainda, os limites nem sempre explícitos entre arte e artesanato, sublinhando as falsas premissas que distinguem esses campos –dissolução também proposta pela própria Lina Bo Bardi”, completa Amanda. Vale lembrar a exposição A Mão do Povo Brasileiro, 1969/2016 (concebida pela arquiteta junto com Pietro Maria Bardi, Glauber Rocha e Martim Gonçalves) apresentada em 1969 e reencenada em 2016 e que contrastava com o acervo de arte europeia do MASP.

Seu fazer elabora-se em diferentes camadas, cores e texturas e cria uma densidade delicada e, simultaneamente, vigorosa. Com os novos trabalhos, sua produção encontra a rigidez e o caráter sólido do tempo impregnado nos troncos e galhos, em uma referência à ideia de raiz. Segundo Amanda, se até então sua obra lidava com os vestígios da presença afetiva de vida nos tecidos e nos objetos, ao manipular lembranças e recordações, Gomes agora mergulha na longa duração da natureza.

A exposição permitirá ao público uma aproximação com as obras da artista a partir da concepção articulada de uma arte que, como prática, é capaz de semear e apontar questões ligadas a tridimensionalidade, ao volume, ao equilibrio e a materialidade do têxtil e da madeira, bem como sobre repetição, duplicação, sobreposição e alternância das formas – todos parâmetros importantes nos trabalhos da artista.

Sonia Gomes nasceu em Caetanópolis, cidade mineira que foi importante polo de produção têxtil no Brasil e que a conectou, desde muito cedo, a diferentes tipos de tecido com os quais gostava de brincar.

A artista, embora muito habilidosa em tecer, nunca chegou a aprender técnicas formais de costura. Por outro lado, sempre interferiu em suas próprias roupas e objetos pessoais a partir do trabalho com os tecidos. Formou-se em Direito e advogou até quitar a compra do apartamento onde morava em Belo Horizonte, quando passou a dedicar-se exclusivamente ao que chamava de “suas coisas”: bijuterias, desenhos e trabalhos em tecido.

Ao voltar para o Brasil, depois de uma estadia nos Estados Unidos nos anos 1990, Gomes matriculou-se em um curso de pintura. Na Escola Guignard frequentou uma série de cursos livres no decorrer da mesma década, tendo aulas com nomes como Pedro Augusto e Sara Ávila. Foi a partir daí que começou a se entender e reconhecer como artista.

Sua primeira exposição Pinturas, em 1994, foi realizada na Casa de Cultura Sete Lagoas, em Minas Gerais. Dez anos depois, expôs suas obras em um antiquário e galeria de Belo Horizonte –à época, já se dedicava às obras em tecido. Em 2008 passou a ser representada por uma galeria e, desde então, a produção de Sonia começou a circular em exposições pelo Brasil e no circuito internacional. Participou, em 2013, da mostra A nova mão afro-brasileira, com curadoria de Emanoel Araujo, no Museu Afro Brasil e, em 2015, do 19º Festival de arte contemporânea Sesc_VideoBrasil: Panoramas do Sul e da 56ª Bienal de Veneza, All the World’s Futures.

Histórias afro-atlânticas

A exposição ocorre em um ano inteiro dedicado às trocas culturais em torno do Atlântico, envolvendo África, Europa e Américas ---que inclui mostras individuais de Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho, Maria Auxiliadora e Emanoel Araujo, que ocorreram no primeiro semestre, a coletiva Histórias Afro-atlânticas, realizada no segundo semestre, e as exposições de Lucia Laguna e Pedro Figari, programadas para dezembro. O encerramento da mostra de Sonia, em 2019, se dará no ano das histórias feministas e das histórias das mulheres.

Na sala de vídeo também serão apresentados, ao longo de 2018, autores de diferentes nacionalidades, gerações e origens capazes de contar outras histórias da diáspora negra. Os artistas que participam do programa são: Ayrson Heráclito (19/4 a 17/6), John Akomfrah (28/6 a 12/8), Kahlil Joseph (23/8 a 30/9), Kader Attia, (11/10 a 25/11), Catarina Simão (13/12 a 27/01/19), Jenn Nkiru (08/02 a 24/03/19) e Akosua Adoma (14/6 a 18/7/2019).

Catálogo

Uma publicação será lançada, no dia da abertura, e resulta de uma parceria com o Museu de Arte Contemporânea de Niterói, que recebe uma exposição monográfica da artista entre os meses de agosto a novembro deste ano, chamada A Vida Renasce, Sempre. O catálogo, com versões em português e inglês, inclui textos de Amanda Carneiro, Raphael Fonseca (curador da exposição carioca ao lado de Pablo León de la Barra), Cecilia Fajardo-Hill, Júlia Rebouças e Rodrigo Moura.

Posted by Patricia Canetti at 4:40 PM