Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 11, 2018

Gê Orthof na Luciana Caravello, Rio de Janeiro

Artista apresentará site specific na Luciana Caravello Arte Contemporânea, inspirado nos contos do escritor americano Tennessee Williams

Luciana Caravello Arte Contemporânea inaugura, no dia 18 de outubro, a exposição Buraco, com uma única instalação do artista Gê Orthof, inspirada nos contos do premiado escritor americano Tennessee Williams (1911-1983). O site specific, que ocupará o terceiro andar da galeria, articula o tradicional jogo de cartas com os contos, evocando espaços urbanos clandestinos, onde nada está escondido, mas nem tudo é visível.

A instalação minimalista é dividida em núcleos, que se espalham pelo espaço expositivo, através de construções com objetos em acrílico, MDF e cartas de baralho, simulando uma cidade, com pontos de luz e cores em néon, que iluminam, mas também trazem sombra para a instalação, fazendo uma articulação com os lugares visíveis e obscuros das cidades.

Assim como outros trabalhos de Gê Orthof, este também partiu de leituras do artista. A obra foi inspirada na coletânea de Tennessee Williams, mas mais especificamente em dois contos: “O desejo e o massagista negro” e “Os mistérios do Joy Rio”. Ambos foram escritos na década de 1940 e trazem histórias de homens de meia idade, que estão insatisfeitos e descobrem o prazer e a felicidade em lugares obscuros da cidade, como um local de massagem e um cinema. A questão plástica está presente em todo o trabalho. “É uma instalação que utiliza o belo para falar do que está à margem”, afirma o artista.

Intencionalmente, o artista faz um jogo de escalas, em que objetos em miniatura ocupam um grande espaço. Para entender a instalação, será necessário entrar e observar com atenção os detalhes, como os pequenos bonecos que estarão em meio à instalação e observam tudo o que acontece. Um olhar mais atento demonstra, ainda, que as cartas de baralho que compõem a obra trazem figuras homoeróticas. “Embaralha-se, a um só tempo, desconforto e encantamento. Buraco propõe um campo aberto de negociações entre o voyeur e o exibicionista, entre a reprodução e a ruptura de formas tradicionais da experiência do corpo e da sexualidade”, diz o artista.

Nas paredes, cadernetas trazem apenas os diálogos dos contos, com o contexto apagado, mas através dos quais é possível perceber os sentimentos por trás das falas. Ainda nas paredes, haverá textos escritos à mão pelo artista, com trechos dos contos e anotações.

SOBRE O ARTISTA

Gê Orthof (Petrópolis, 1959. Vive e trabalha em Brasília). É artista, professor do Departamento de Artes Visuais da Universidade de Brasília (UNB) e Doutor em Artes Visuais pela Columbia University, Nova York, com pós-doc na Penn State University e na Tufts University. Possui obras em importantes coleções como: Museu de Arte do Rio (MAR), Museu Nacional, em Brasília; Centro de Arte Moderno, em Madri; Davis Museo, em Barcelona, entre outras. Recebeu diversos prêmios, entre eles: "Best of 2017: Our Top 20 Exhibitions Across the United States”, Hyperallergic, Nova York (2018); Prêmio CNI – Marcantonio Vilaça (2015); Prêmio Situações Brasília, Museu Nacional (2014), 1st Prize (Grand Prize) 24th International Artist Competition (2011), Berlim, entre outros.

Dentre suas exposições individuais destacam-se: “Pasaquoyanism: The first card” (2017), no The John Michael Kohler Arts Center, nos EUA; "Many-splendoured thing" (2016), no The Portico Library, no Reino Unido; "1959" (2011), na Paradigmas Galeria, em Barcelona; "800ºC", no Davis Museum (2010), em Barcelona; "J'écoute" (2009), no ARS 117, em Bruxelas; "La violencia de la historia: el suelo de Gertrud" (2008), no Centro de Arte Moderno, em Madri, entre outras.

Dentre suas exposições coletivas mais recentes estão: “Una pos-modernidad periférica” (2018), na Fundación Klemm, em Buenos Aires; Vencedores do 5º Prêmio Marcantonio Vilaça (2016), em Brasília, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba, Recife e Manchester; 10ª Bienal Mercosul (2015), Porto Alegre; TRIO Bienal Tridimensional Internacional do Rio (2015); Bienal do Porto (2014), Palácio de Cristal; Kulttuurikeskus Poleeni (2012), Pieksämäki, na Finlândia; Europalia - Le Palais des Beaux-Arts de Bruxelles (2011); Festival Performance Arte Brasil (2011), MAM Rio; Ruoli Segreti e Ruoli Proibiti (2011), Palazzo Albrizzi, Veneza, entre outras.

Posted by Patricia Canetti at 3:04 PM