Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 6, 2018

Projeto Cavalo: Quadrivium 8 patas no ITO, São Paulo

“Projeto Cavalo: Quadrivium 8 patas”, obra coletiva dos artistas Adriano Motta, Cadu, Eduardo Berliner e Paulo Vivacqua

O Instituto Tomie Ohtake criou em 2013 o programa Arte Atual, uma plataforma para pesquisas artísticas, de caráter experimental, na qual, por meio de uma questão sugerida pelo seu Núcleo de Pesquisa e Curadoria, um grupo de artistas convidado desenvolve um novo trabalho com o propósito de conceber mostras que permitam explorar um espaço entre os ateliês e as já consolidadas formas de apresentação ao público.

Contudo, intrínseco ao seu próprio processo aberto, em busca de constante renovação, o Programa Arte Atual vem assumindo diferentes formatos. Desta vez, traz uma produção coletiva Projeto Cavalo: Quadrivium 8 patas, com obras dos artistas Adriano Motta, Cadu, Eduardo Berliner e Paulo Vivacqua. O grupo, com repertórios distintos, passou cerca de um ano concebendo a exposição, que agora faz parte do Arte Atual, depois de apresentada no espaço Jacarandá (Rio de Janeiro), no começo do ano.

O conjunto, composto pelo híbrido de desenhos, pinturas, objetos, vídeos e esculturas, sugere um gabinete de curiosidades que convida o público a desvendar as camadas do projeto. Segundo Priscyla Gomes, do Núcleo de Pesquisa e Curadoria do Instituto Tomie Ohtake, o processo de realização da mostra aponta para os limites e potencialidades do encontro destes artistas ao não apresentar um conjunto de obras individuais, mas trabalhos realizados coletivamente. “Fazia-se necessário trazer à tona os repertórios e procedimentos de artistas com produções muito distintas e ainda construir novas experiências comuns. Partilhar suportes, expectativas, práticas de ateliê e ritmos de trabalho diversos perpassaram o cotidiano das decisões do grupo”, completa.

A mostra coletiva propõe a investigação empírica dos atributos simbólicos do carrossel; um elemento que conjuga características visuais, espaciais e sonoras comuns aos artistas do Projeto, trazendo também metáforas do tempo cíclico e da infância.

O Arte Atual conta com a parceria de galerias para realização das mostras. Nesta edição, a Galeria Vermelho e a Casa Triângulo foram os apoiadores. O programa já contabilizou seis exposições: Estranhamente Familiar (2013); Medos Modernos (2014); Coisas sem nomes (2015); Da banalidade (2016); É como Dançar sobre Arquitetura (2017); e Fábula, frisson, melancolia (2007).

Posted by Patricia Canetti at 3:36 PM