Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


outubro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30 31      
Pesquise no blog:
Arquivos:
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

outubro 3, 2018

Lucimar Bello na Casa Contemporânea, São Paulo

A Casa Contemporânea inaugura no dia 6 de outubro, sábado, das 11h às 17h, a mostra individual Lucimares de Lucimar Bello. Curadoria de Andrés Hernández evidencia a trajetória da artista com a exibição de 11 trabalhos, com obras em papel como desenhos e fotografias, além de instalação, objetos, performance e vídeo.

Lucimar desenvolve séries abertas, ou seja, seus trabalhos não se encerram em espaços de tempo com início, meio ou fim. Atenta aos processos de transformação da cidade, percursos (bem como trocas de correspondências), a artista não se furta a desenvolver sua poética a partir de suportes artísticos variados, que abarcam desde a fotografia da paisagem urbana, desenhos feitos em grafite sobre mapas, instalação com livros artesanais, impressões fotográficas sobre cerâmica, vídeo ou mesmo a realização de performance com a participação do público.

“Lucimares” é aberta com “Estante 3”, obra de 2017 composta de 25 minilivros artesanais de tamanhos variados, criados a partir de 23 romances lidos entre 2016 e 2017, além de um colofón e outro, em que a artista referencia suas escolhas literárias, bem como os títulos das obras escolhidos para sua peculiar biblioteca. “Ontem são hojes”, de 1974, são dois guaches sobre papel Canson. A escolha da série e, sobretudo, a força de seu nome, não poderia ser mais acertada, haja vista sua relação de idas e vindas de Lucimar com sua produção pregressa.

As séries “Viagens de vezes” e “Viagens por fazer”, ambas de 2011, trazem a público desenhos de percursos rodoviários feitos pela artista e aqueles jamais percorridos, respectivamente. Na primeira, desenhos em grafite sobre papel manteiga mostram as rotas feitas entre 2004 e 2011: a grossura das linhas, e mesmo a perfuração do frágil suporte, sinalizam o número de vezes que ela fez os referidos trajetos. A segunda série é composta de 20 desenhos feitos sobre papel artesanal também a partir de mapas, porém, desta vez, Lucimar atém-se a localidades desconhecidas, jamais visitadas.

Registros fotográficos de viagens aéreas e do céu, visto a partir das instalações da galeria na Vila Mariana, são o mote de “Idas e vindas”, série de 11 tiras de fotografias feitas ao longo dos últimos 7 anos.

“As coisas que não existem são as mais bonitas” é a série, datada de 2011, com 20 aquarelas automáticas sobre papel-toalha com marcas de óleo e tauá, um pigmento natural. Ela surgiu a partir da limpeza de um ateliê coberto de pó de aroeira e óleo de linhaça durante uma residência da artista na Bahia.

A relação crítica da artista com a dinâmica da especulação imobiliária é evidente nas séries “Não fui fabricado de pé” e também em “Cidades de Vestir”. Enquanto na primeira Lucimar imprime fotografias da construção de um edifício vizinho ao seu em louças típicas das lápides de cemitérios, na segunda, ela propõe uma ação performática com o uso de 16 tecidos sintéticos com impressões de fotografias de outro edifício e do espaço da Casa Contemporânea. Os visitantes são instados a cobrirem-se com os 16 tecidos, literalmente se vestindo de cidade. O caráter performático, por sua vez, também é evidente na obra “A casa vestida”, quando os mesmos visitantes podem vestir túnicas feitas de tecidos trabalhados com rendas, linhas de bordar, contas e pequenos objetos plásticos pelo espaço da galeria. O vídeo “cadadia+”, realizado entre 2006 e 2012, traz centenas de fotografias da construção do edifício vizinho ao ateliê da artista e é exibido sobre os tecidos de “A casa vestida”.

A exposição se encerra com “Cartas para estante 3”, obra colaborativa realizada ao longo dos últimos sete anos, que colige 30 respostas de amigos da artista aos 60 e-mail’s com trechos do livro “Carta”, de correspondências entre os artistas Hélio Oiticica e Lygia Clark, que Lucimar disparou em 2011.

“Eclode, na pesquisa artística de Lucimar, uma permanente concepção autoral, desde a desconstrução de referências que transmutam forças cognitivas e se conjugam em fluídos, até as autorias particulares de similar força conceitual e projeção sensorial ilimitada. Aparecendo assim ‘re-fragmentos’ completos como matrizes que se projetam em reestruturas múltiplas, semânticas e nomenclaturas propositivas”, escreve Andrés Hernandez no catálogo da individual.

Posted by Patricia Canetti at 1:06 PM