Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


setembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 18, 2018

Flavio-Shiró na Pinakotheke Cultural, Rio de Janeiro

Nos seus 90 anos, o pintor ganha exposição panorâmica, acompanhada de livro com texto de Paulo Herkenhoff

A Pinakotheke Cultural Rio de Janeiro apresenta de 25 de setembro a 17 de novembro de 2018 a exposição Flavio-Shiró, que comemora os 90 anos do celebrado artista, nascido em 1928, em Sapporo, Hokkaido, Japão, que chegou ao Brasil aos quatro anos. Desde 1953 vive e trabalha em Paris, mas mantém estreita ligação com o Brasil. A exposição reúne 44 pinturas sobre tela e papel, desenhos, fotografias, além de objetos, todos de sua coleção particular, percorrendo sua trajetória desde os anos 1940 aos dias atuais. A abertura para convidados será no dia 24 de setembro de 2018, às 19h. A mostra “Flavio-Shiró” esteve em uma versão menor na Pinakotheke em São Paulo, nos meses de julho e agosto deste ano.

A exposição será acompanhada de um esmerado livro, “Flavio-Shiró” (Edições Pinakotheke), com formato de 21 x 27 cm, 216 páginas, texto de Paulo Herkenhoff, imagens de obras, e uma cronologia do artista. Haverá ainda a exibição de filmes em curta-metragem sobre o artista, dirigidos por seu neto, Adam Tanaka, e Margaux Fitoussi. A produção executiva da exposição é de Josué Tanaka, filho do artista.

Esta é uma rara oportunidade de o público fazer uma imersão na obra de Shiró, pintor oriundo de três universos distintos – nasceu no Japão, cresceu no Brasil e há mais de seis décadas divide seu ateliê entre Paris e Rio de Janeiro. “Trata-se de um artista polivalente e internacional, mas talvez coubesse melhor designá-lo como transcultural, pois a obra propõe a convivência do intercâmbio Ocidente/Oriente, Norte/Sul ou Sapporo/Tomé-Açu/Paris”, escreve Herkenhoff.

A mostra traça um panorama da obra do pintor, desde o figurativismo até o princípio de sua vida em Paris, em 1953, a transição para o abstracionismo informal, até a retomada da figuração, sempre tendo o gesto como expressão basilar. Sua relação com o cinema também está presente nas pinturas “Bonheur” (1965), que retrata a cineasta e sua amiga Agnes Varda, e “Madadayo” (2007), em alusão ao filme homônimo de Akira Kurosawa (1910–1998), e ainda “Contos da Lua Vaga” (2014), mesmo nome de um célebre filme de
Kenji Mizoguchi (1898 – 1956).

As telas “Matéria III” e “Camargue”, da década de 1950, presentes na exposição, estiveram também no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1959, quando Shiró ainda assinava Flavio S. Tanaka. “Um quadro de Shiró explodia como a convulsão da matéria do mundo na liberação daquilo que pareciam forças do caos; a massa pictórica incorpora-se em enervação, e a pintura é uma carnalidade vibrátil”, destaca o crítico em seu texto.

HUMANISMO X GUERRA

Shiró faz questão de destacar que tem “uma raiz forte ligada ao expressionismo”, suas “raízes emocionais”. “Gosto das ideias humanistas”, explica, observando que sua pintura “sempre faz alusão a alguma coisa”, e não é abstrata, “é mais do que um prazer estético”. Herkenhoff assinala que a obra de Shiró, já desde meados de 1950, traz uma “dimensão cultural-antropológica do signo da pintura”, e que é, entre os artistas brasileiros, o que traz “a agenda internacional mais consistente em relação a problemas globais de guerra atômica, do papel do Estado e do desastre ecológico”. Na década de 1960, escreve o crítico, a obra de Flavio-Shiró”não discute apenas a guerra do Vietnã, mas toda guerra”.

Em meados dos anos 1970, “Flavio-Shiró sintetizou sua múltipla herança cultural e condensa seu imaginário em questões que explorará em profundidade nas décadas seguintes. Pintar incluirá ativar a memória produtiva da fantasmática e deixá-la emergir perturbadora ao plano do visível. Sua memória da infância se dividiu entre Sapporo no Japão (até 1932) e a vida ribeirinha às margens do Tomé-Açu no baixo Amazonas (1932 a 1939)”. Hoje em dia, ele “evoca os contos aterrorizantes japoneses que sua mãe lhe contava para apaziguar o medo infantil antes de dormir”, do mesmo modo que Louise Bourgeois produzia uma arte da recordação das cantigas de ninar de sua mãe” . “Essa dimensão do simbólico está ao lado das conquistas do artista e ressurge como força atuante na invenção da arte da maturidade avançada como pulsão de vida”, comenta o crítico.

Na década de 1990, a sua pintura reacende em nova chave cromática e se desprega da relação entre pincelada e desenho. “Paradoxalmente, este estágio barroco de sua pintura não tem a presença de monstros e fantasmagorias, como pode ter acontecido nas décadas anteriores”, afirma o crítico.

Por sua vez, no século 21, “o tema que anima os meus trabalhos continua evoluindo ao mesmo imaginário através de uma visão transfiguradora e poética”, diz o artista. Paulo Herkenhoff comenta que “a isto podemos chamar de arte como projeto de vida. Prossegue em sua trajetória e se depura como pintor sintético e denso. Seu imaginário pulsa pleno com o vigor da matéria e se move por vontade de experimentar ideias e por curiosidade técnica. Algumas questões plásticas têm envolvido a mente inquieta de Shiró: objetos; invenções; experiências com a xilogravura e a nova inflexão em sua pintura, com formas audaciosas”.

Artista presente e premiado em salões e bienais, com destaque para o Prêmio Internacional de Pintura na Bienal de Paris de 1961, Flavio-Shiró vem expondo seu trabalho em individuais e coletivas no Brasil e em países como França, Japão, Estados Unidos, Reino Unido, Bélgica e Itália. O artista já ganhou retrospectivas no Japão – Museu Hara, em 1993 –, e no Brasil, no MAM Rio de Janeiro, em 1993, no MASP, em 1994, no MAC Niterói, em 1998; e no Instituto Tomie Ohtake, em 2008.

SÁBADOS NA PINAKOTHEKE

Em torno da exposição “Flavio-Shiró”, a Pinakotheke Cultural realizará ao longo de alguns sábados, das 11h às 13h, atividades gratuitas para crianças em seu jardim, ou, em caso de chuva, no espaço expositivo.

Posted by Patricia Canetti at 11:47 AM