Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


setembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 12, 2018

Guga Ferraz na Artur Fidalgo, Rio de Janeiro

Em sua primeira individual na Artur Fidalgo galeria, Guga Ferraz (Rio de Janeiro, 1974) apresenta uma série de obras inéditas, entre desenhos e esculturas realizadas de 2014 para cá. Com o título de Alegoria - Mula sem cabeça ou a cidade que casou com o Bispo, a exposição elege como ponto de partida a mítica lenda da mula, presente no imaginário de diferentes culturas, e adapta sua narrativa ao contexto político do Rio de Janeiro, cidade onde vive e trabalha.

Em cerca de duas décadas de produção, o artista explora a cidade e o tecido urbano em obras cujos desdobramentos tomam a forma de performances, instalações, esculturas, desenhos, fotografias e interferências diretas no espaço da urbe. A vivência da cidade - e mais especificamente, da rua - apresenta-se como elemento fundamental para compreender o corpo de sua obra, cujas influências também são diretamente atravessadas pela cultura do skate e por sua formação inicial em arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Seus trabalhos frequentemente ativam a memória do espaço urbano e alteram suas dinâmicas. É o caso de “Até onde o mar vinha. Até onde o Rio ia” (2010), em que Guga demarca uma linha de 200 metros de sal grosso no Centro da cidade, aludindo ao ponto geográfico que a água do mar atingia antes das diversas reformas urbanas que sucederam-se no desenrolar do século XX, no Rio de Janeiro. No corpo de sua obra, a cidade revela-se não apenas objeto ou personagem, mas também sujeito central, ativo.

Como um cronista de seu tempo, o artista explora as complexidades das dinâmicas urbanas do Rio de Janeiro, questionando o status político da cidade, tanto nas contradições da gestão do atual prefeito Marcelo Crivella quanto dentro do contexto da intervenção das Forças Armadas em curso na capital carioca. Na presente exposição, o artista lança mão de uma narrativa mítica para refletir sobre tópicos como a institucionalização do estado de guerra e a estetização da violência, em meio ao turbulento cenário da cidade e do país. Sua alegoria refere-se, assim, tanto a uma tentativa de leitura metafórica de seu tempo quanto a dimensão carnavalesca do termo, em que o carnaval revela-se como resposta, escapismo ou rebeldia diante do espírito de época atual.

Posted by Patricia Canetti at 6:36 PM