Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


setembro 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
            1
2 3 4 5 6 7 8
9 10 11 12 13 14 15
16 17 18 19 20 21 22
23 24 25 26 27 28 29
30            
Pesquise no blog:
Arquivos:
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

setembro 2, 2018

Bárbara Wagner & Benjamin de Burca na Fortes D'Aloia & Gabriel - Galeria, São Paulo

A Fortes D’Aloia & Gabriel tem o prazer de apresentar RISE, a primeira exposição de Bárbara Wagner & Benjamin de Burca na Galeria, exibindo a mais recente colaboração em filme da dupla. Comissionado pelo AGYU (Art Gallery of York University, Toronto), o trabalho investiga o universo musical de um grupo de jovens poetas, rappers e cantores que se reúnem semanalmente em um centro comunitário em Scarborough, periferia de Toronto, no Canadá.

[scroll down for English version]

RISE – sigla que designa “Reaching Intelligent Souls Everywhere” – é um movimento criado pelo poeta canadense Randell Adjei em torno da prática do spoken-word que desde 2012 promove encontros onde poesia e música são usadas para compartilhar histórias e experiências pessoais. Seis anos após sua fundação, RISE transformou-se em uma plataforma expandida de arte que encoraja a iniciação de torontonianos no campo das artes performáticas a partir do conceito de edutainment – misto de education e entertainment. O movimento é formado por fatias historicamente marginalizadas da população da cidade, em sua maioria jovens da primeira geração de ascendência africana e caribenha nascida no Canadá.

No filme, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca lançam um olhar sobre estes artistas cuja poética subverte os códigos e signos usuais da indústria norte-americana do rap e do hip hop como a glorificação do crime e da objetificação do corpo feminino. Em seu lugar, entram em cena as narrativas do próprio elenco – todo material textual e musical é de autoria desses personagens – que exaltam valores como o amor, o trabalho e a justiça. A performance diante da câmera acontece em uma estação de metrô, parte de uma linha recém inaugurada que permaneceu em obras por cerca de 20 anos. As novas galerias subterrâneas de Toronto simbolizam a conexão do centro da cidade com zonas periféricas como a de Scarbourough, revelando a dimensão alegórica de sua escolha como cenário.

No corpo de suas obras, Bárbara e Benjamin desenvolvem uma prática colaborativa em que as decisões são tomadas bilateralmente entre a dupla e seus retratados. Seus filmes tomam a forma de musicais que desafiam as convenções de gênero à medida em que as dimensões ficcionais e documentais tornam-se híbridas para instaurar um terceiro território de linguagem. Como em uma hip hopera em quatro atos, RISE emprega ritmo e poesia como catalisadores de um complexo contexto diaspórico e multicultural.

Bárbara Wagner (Brasília, 1980) e Benjamin de Burca (Munique, 1975) vivem no Recife, onde trabalham em colaboração desde 2011. Entre as individuais recentes da dupla, destacam-se: Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, AGYU (Toronto, 2018); e Aspirations, MOCAD (Detroit, 2017). Entre as coletivas, destaque para a participação em: FRONT International - Cleveland Triennial (Cleveland, 2018); Corpo a Corpo, IMS (São Paulo, 2017, e Rio de Janeiro, 2018); Berlinale Shorts (Berlim, 2017 e 2018); Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, 2017 e 2013); Prêmio PIPA, MAM (Rio de Janeiro, 2017); Skulptur Projekte (Münster, 2017); Bienal de São Paulo (2016); Histórias da Infância, MASP (São Paulo, 2017); 36. EVA International (Limerick, 2014); Biennale Arts Actuels (Reunião, 2013); Suas obras estão presente em diversas coleções importantes, entre as quais: MASP (São Paulo), MAM (São Paulo), Museum Het Domein (Sittard, Holanda), CIFO (Miami, EUA), entre outras.


Fortes D'Aloia & Gabriel is pleased to present RISE, the first exhibition by Bárbara Wagner & Benjamin de Burca at Galeria, showing the most recent film collaboration from the duo. Commissioned by AGYU (Art Gallery of York University, Toronto), the piece investigates the musical universe of a community of young poets, rappers, and singers who meet weekly at a community center in Scarborough, on the outskirts of Toronto, Canada.

RISE – acronym for “Reaching Intelligent Souls Everywhere” – is a movement created by the Canadian poet Randell Adjei around the practice of spoken-word, which since 2012 organizes meetings where poetry and music are used to share stories and personal experiences. Six years after its founding, RISE has become an expanded art platform that encourages the introduction of Torontonians to the field of performing arts through the concept of edutainment – a mix of education and entertainment. The movement is made up of historically marginalized slices of the city's population, which are comprised mainly of young people from the first generation of African and Caribbean descendants born in Canada.

In the film, Bárbara Wagner & Benjamin de Burca direct their gaze towards this new generation of artists whose poetics subvert the usual codes and signs of the American rap and hip-hop industry, such as the glorification of crime and objectification of the female body. In exchange, the narratives of the film's cast come into play – all textual and musical material of the film was created by the characters –, highlighting values such as love, work, and justice. The performance for the camera takes place in a subway station, part of a newly inaugurated line that has undergone building work for about 20 years. Toronto's new underground galleries symbolize the connection between the city center and its outskirts, such as Scarborough, thus revealing the allegorical dimension of choosing them as a setting.

In their body of works, Bárbara and Benjamin develop a collaborative practice in which decisions are taken bilaterally between the duo and the ones they portray. Their films take the form of musicals that defy conventional notions of genre insofar as the fictional and documentary dimensions become hybrid in order to establish a third language-territory. As in a hip hopera in four acts, RISE employs rhythm and poetry as catalysts of a complex diasporic and multicultural context.

Bárbara Wagner (Brasília, 1980) and Benjamin de Burca (Munich, 1975) live in Recife, where they collaborate since 2011. Among the duo's solo shows are: Bárbara Wagner & Benjamin de Burca, AGYU (Toronto, 2018); and Aspirations, MOCAD (Detroit, 2017). Among their group shows, the highlights are: FRONT International - Cleveland Triennial (Cleveland, 2018); Corpo a Corpo, IMS (São Paulo, 2017, and Rio de Janeiro, 2018); Berlinale Shorts (Berlin, 2017 and 2018); Panorama de Arte Brasileira (São Paulo, 2017 and 2013); PIPA Awards, MAM (Rio de Janeiro, 2017); Skulptur Projekte (Münster, 2017); Bienal de Arte de São Paulo (2016); Histórias da Infância, MASP (São Paulo, 2017); 36. EVA International (Limerick, 2014); Biennale Arts Actuels (Réunion, 2013). Their works are part of several important collections, among them: MASP (São Paulo), MAM (São Paulo), Museum Het Domein (Sittard, Holland), CIFO (Miami, USA), among others.

Posted by Patricia Canetti at 7:38 AM