Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

agosto 10, 2018

Iole de Freitas na Raquel Arnaud, São Paulo

A mostra - Iole de Freitas: Obras dos anos 70, que ocupa o piso acervo da galeria, destaca as sequências fotográficas e filmes experimentais que Iole de Freitas produziu ao longo de sua estadia na Itália, de 1970 a 1978. Entre as sequências fotográficas estão: My three inches Comet, Magnetismo Urano e Jump to the other side and win a red kimono, Introvert/ Penetrate, todos de 1973, e a Série Glass Pieces, Life Slices, de 1974. Elas registram a interação da artista com espelhos, vidros, peças de metais e tecidos em seu estúdio, para refletir sobre imagens bidimensionais, espaço e temporalidade. Nessa fase a representação do corpo surge como tema principal. Iole de Freitas se fotografava e filmava, sempre dominando o foco e o timing, o que tornava a produção um exercício intenso físico e mental.

Essas questões são igualmente abordadas nos filmes em Super-8, outra plataforma utilizada experimentalmente pela artista durante os anos 70. Estarão na exposição: Elements e Light work de 1972 e Exit de 1973. Esses trabalhos marcaram presença na vanguarda europeia, exibidos na Bienal de Paris de 1975, no FrankfurtKunstverein, e na Galeria Grita Insam em Viena em 1976 e no Studio Marconi em Milão em 1978. Retornando ao Brasil em 1978, parte dessa produção em fotografia e Super-8 foi apresentada pela Galeria Arte Global, espaço dirigido por Raquel Arnaud desde a inauguração, em 1973, até 1980, quando abre seu próprio gabinete de arte.

Além das obras e filmes, a exposição contará com documentos da época e cartazes de exposições realizadas na Europa. Ao destacar os filmes e a produção fotográfica dos anos 70, a exposição vai além do resgate dessa importantíssima fase do trabalho de Iole de Freitas. Apresenta também os meios que lhe permitiram traçar as características e preocupações que viriam permear toda sua obra dali em diante: movimento, leveza e velocidade, transparência e translucidez.

Iole de Freitas (1945, Belo Horizonte (MG), vive e trabalha no Rio de Janeiro) participou de importantes mostras internacionais, como 9ª Bienal de Paris, 15ª Bienal de São Paulo, 5ª Bienal do Mercosul e da Documenta 12, em Kassel, Alemanha. Além de individuais e coletivas em várias cidades do mundo, seus trabalhos integram importantes coleções, entre as quais, MAC – Museu de Arte Contemporânea de São Paulo; MAM – Museu de Arte Modernade São Paulo; Museu de Arte Contemporânea de Niterói; Museu de Belas Artes, RJ;Museu do Açude, RJ; MAM- Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; MAR-Museu de Arte do Rio; Bronx Museum (EUA); Winnipeg Art Gallery (Canadá); e Daros Foundation (Suíça).

Posted by Patricia Canetti at 10:42 AM