Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 22, 2018

Ana Kesselring no Paço Imperial, Rio de Janeiro

Depois de dois anos sem expor no Brasil, artista apresenta peças, tridimensionais, em cerâmica

A artista visual Ana Kesselring abre, no dia 28 de junho, quinta, às 18h30, a exposição inédita Corpos Estranhos, no Paço Imperial. A mostra apresenta cerca de 15 esculturas em cerâmica, produzidas entre 2016 e 2018, entre São Paulo e Lisboa, criadas especialmente para esta exposição. O processo de produção é de cerâmicas de várias procedências, brasileiras e portuguesas, esmaltadas em alta temperatura. As esculturas estarão expostas sob plintos e pranchas em madeira, em um projeto de montagem exclusivamente criada pela artista e pelo arquiteto Alvaro Razuk para esta exposição.

Morando na Europa há 12 anos, desde que ganhou a Bolsa Cité des Arts, em 2006, da FAAP, e passou a residir e trabalhar em Paris, Ana fica entre Lisboa – onde vive atualmente – e São Paulo, e, agora, Rio. Na capital paulista, a artista apresentou sua última individual, intitulada “Os corpos do mundo”, sobre as possibilidades de representação do corpo em sentido expandido, também com a utilização da cerâmica.

A cerâmica sempre agradou a artista, mas foi em 2014, quando se mudou para Lisboa, que a motivação em trabalhar com este material se intensificou. “Mudei-me para Portugal para ingressar em uma residência artística numa escola de arte chamada Ar.Co, onde comecei a desenvolver estas peças. Até hoje faço meu trabalho num atelier dentro desta escola, que é em Almada, do outro lado do rio Tejo, e é muito prestigiada. Os principais artistas portugueses passaram por ela. Nesta exposição de agora, no Paço, o público vai poder ver esculturas individuais que se conectam e dialogam, sempre tendo em comum uma temática, que tem a ver com o corpo”, explica a artista.

Em Paris, Ana Kesselring já tinha começado a voltar sua atenção para a porcelana, mas foi mesmo em Portugal que ela sentiu a necessidade de se expressar tridimensionalmente. “Algumas mostras que vi em Paris, me despertaram para cerâmica, como o trabalho do belga Johan Creten, da sueca Clara Kristalova ou da artista Ana Maiolino, que vi na Documenta de Kassel”, diz. Também o trabalho do ceramista português Bordalo Pinheiro foi uma influência forte. Este uso da cerâmica segue uma tendência da arte contemporânea atual, na qual o material tem sido cada vez mais procurado pelos artistas.

Também em Paris Ana começou a trabalhar em torno da questão do corpo. Em “Corpos Estranhos”, há uma relação entre as formas desenvolvidas pela artista e diversos corpos: humano, animal, vegetal, mineral, já que as esculturas que ela executa se dão em grande parte a partir de moldes que ela faz de legumes, frutas, pedras, conchas, ossos moldados e outros elementos da natureza. “Estas formas que eu coloco e tiro destes moldes, eu monto no que chamo de ‘Barrigas’ ou nas ‘Colunas’, e nas outras peças. O resultado disso acaba tendo analogias como o corpo humano visto por dentro, como uma anatomia, mas desorganizada, ou reorganizada e inventada por mim.

Eu construo ‘corpos’ supostamente de seres vivos, que lembram órgãos internos, usando elementos da natureza ‘estranhos’ a estes corpos”, fala, deixando interpretações no ar. É um corpo no sentido expandido, pois a artista acredita que tudo está interligado, ou seja, o corpo humano está inexoravelmente ligado ao corpo dos vegetais e dos animais.

Ligia Canongia, que assina o texto de parede e o texto crítico desta mostra, escreve: “A transfiguração dos seres reais nas agregações obscuras e ambivalentes de Ana Kesselring - ao mesmo tempo, naturais e artificiais, familiares e bizarras, rígidas e sensuais - atesta não somente o estranhamento produzido pela troca de seus contextos lógicos, como, principalmente, pela capacidade poética de fazer a realidade delirar e sair de sua estratificação normal. O que antes eram simples vegetais, frutas, mariscos ou conchas, ganha excentricidade e se envolve em uma atmosfera absurda, comparável à das figuras espantosas de Arcimboldo ou às deformações surreais.

Cada espectador é único e, portanto, muitas visões distintas vão surgir. Cada olhar é próprio e, sendo assim, diversas analogias se fazem necessárias. E esta também é a ideia da mostra: deixar o público livre para interpretar o que mais se adequa ao seu olhar no momento. “Há muitas maneiras de ver aquelas esculturas ou, se quisermos, aqueles corpos, ou aquelas peças, por vezes abertos, como que mostrando as vísceras - num paralelo do que acontece inclusive hoje de violência na cidade, mas também através de uma questão mais ecológica, que é a conexão do homem com a natureza e com o mundo natural que a civilização moderna perdeu e vem tentando resgatar. O artista nunca cria a partir de uma única ideia, há vários elementos que determinaram que eu chegasse a estes trabalhos”, finaliza Ana Kesselring.

Mais sobre a artista
Graduada em 2006 pela FAAP – Fundação Armando Alvares Penteado, São Paulo, Brasil. Antes desta data realizou exposições em diversos locais, como no Centro Cultural São Paulo e no Centro Universitário Maria Antonia. Em 2007, recebeu pela mesma FAAP a Bolsa Cité Internationale des Arts em Paris, França, com subvenção para produção de seu trabalho. Em Paris, onde viveu até 2014, na mesma época realizou individual, na Sycomoreart Galerie e na Cité des Arts, em Paris. Participou, ainda, coletivas como “Mundo Sem Molduras”, no Museu de Arte Contemporânea de São Paulo, entre outras. Nos anos seguintes, completou Mestrado na Université Paris VIII. Vive atualmente entre São Paulo e Lisboa, onde desenvolve pesquisa em cerâmica na AR.CO. Expõe regularmente na Europa e no Brasil, e seu trabalho faz parte de coleções neste eixo.

Posted by Patricia Canetti at 11:32 AM