Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


agosto 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
      1 2 3 4
5 6 7 8 9 10 11
12 13 14 15 16 17 18
19 20 21 22 23 24 25
26 27 28 29 30 31  
Pesquise no blog:
Arquivos:
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 20, 2018

O tridimensional na coleção Marcos Amaro na FMA, Itu

Fundação Marcos Amaro abre mostra permanente em Itu

Com curadoria de Ricardo Resende, exposição reúne trabalhos de nomes como Adriana Varejão, Cildo Meireles, Iole de Freitas, Mestre Didi, Nelson Leirner e Nuno Ramos

Um panorama abrangente da arte brasileira, com trabalhos dos mais importantes artistas nacionais. Com esse mote, a Fundação Marcos Amaro inaugura a exposição permanente O tridimensional na coleção Marcos Amaro: frente, fundo, em cima, embaixo, lados. Volume, forma e cor, em sua sedem na Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA),em Itu, a partir de 23 de junho.

Com curadoria de Ricardo Resende, a mostra traz um recorte do acervo do colecionador, artista e empresário que dá nome à instituição. A exposição reúne cerca de 50 trabalhos entre pinturas, esculturas, relevos e instalações. São criações de artistas de gerações e influências distintas, do Barroco à contemporaneidade, passando ainda pelos modernistas.

“A exposição apresenta um acervo em construção que tem interesse no ato escultórico, da categoria artística voltada para o tridimensional. Desde um Aleijadinho, com uma escultura entalhada na madeira de Nossa Senhora das Dores, dramática e que revoluciona a Arte Barroca, à Nuno Ramos, com sua ‘coluna de cal’ erguida no espaço da exposição, em que fala de materialidade e urgência das coisas que tomam forma e se transformam em objetos pulsantes, equilibrados, entre a transitoriedade e permanência da matéria”, conta Resende.

O recorte de caráter permanente marca a inauguração da Sala Almeida Júnior, espaço expositivo da FAMA que homenageia o ituano José Ferraz de Almeida Júnior, artista plástico brasileiro que viveu entre 1850 e 1899. O pintor é reconhecido pela crítica como o primeiro a incluir a figura do homem comum do povo brasileiro às artes plásticas, figurando seus costumes e cores e adotando a luminosidade regional em suas telas, ainda que dentro de uma técnica academicista.

A mostra se expande para além dos limites deste espaço. Os jardins da fábrica serão tomados por esculturas monumentais dos artistas Caciporé Torres, Emanoel Araújo, Gilberto Salvador, José Resende, José Spaniol, Marcos Amaro, Mário Cravo, Mestre Didi e Sérgio Romagnolo.

Sobre o acervo da FMA

Com cerca de mil obras, a coleção de Marcos Amaro tem sido construída ao longo dos últimos dez anos. A primeira aquisição foi uma obra de Cândido Portinari. De lá para cá, o colecionador tem investido em obras dos mais importantes artistas, com foco maior nos brasileiros. São pinturas, esculturas e fotografias que, juntas, compõem um acervo potente e expressivo da arte brasileira.

Em 2012, o empresário criou a Fundação Marcos Amaro, instalando-se em Itu, cidade a 100 quilômetros da capital. A sede no interior tem como intuito permitir e fomentar a descentralização da arte. A iniciativa é abrigada em uma área de 20 mil metros quadrados, onde no século XIX funcionou a Fábrica São Pedro, importante polo da indústria têxtil, c om relevância histórica e cultural para a região.

É lá que hoje funciona a Fábrica de Arte Marcos Amaro (FAMA), projeto e complexo que abraça não apenas o espaço expositivo que possibilitará ao público o acesso ao acervo da Fundação, mas que também abriga ateliês, ocupações e residências artísticas promovidas por meio de editais.

Sobre a FMA

A Fundação Marcos Amaro é uma organização cultural privada sem fins lucrativos, que tem como objetivos incentivar a criação artística contemporânea, investigar criticamente e documentar os caminhos da arte, e, ainda, possibilitar ao público o acesso ao acervo do colecionador e artista Marcos Amaro.

Entre as iniciativas que promove, estão um criterioso programa de exposições, um edital anual de apoio a artistas, uma premiação anual de destaque para melhor produção criativa, o estímulo contínuo à pesquisa acadêmica, além da promoção de debates e projetos especiais em espaços públicos.

Posted by Patricia Canetti at 9:36 AM