Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

junho 18, 2018

Manata Laudares encerram mostra com apresentação de ThePlace na Sé Galeria, São Paulo

Sábado, 23 de junho das 12h as 20h, acontece o encerramento da mostra After Nature, do duo Manata Laudares, e a Sé apresenta ThePlace.

Após ocuparem a galeria Sé com trabalhos históricos e alguns inéditos produzidos nos mais diversos suportes, os artistas ativam ThePlace, espaço de imersão e compartilhamento, realizado há vinte anos em vários países que, agora, tem sua primeira edição em São Paulo.

Essa edição contará com a participação de artistas, DJs e produtores parceiros de longa data do duo. Bruno Queiroz, Ju Frontin, Marcelo Mudou, Pedro Victor Brandão e Sávio de Queiroz apresentarão DJ sets e live PAs.

SOBRE O TRABALHO

ThePlace nasce da vivência dos artistas junto ao universo cultural da música eletrônica e é um convite para compartilhar experiências sonoras. Neste trabalho, o duo desenvolve uma operação simples, porém subversiva, ao propor o deslocamento da pista de dança para o espaço da arte, intensificando o trânsito característico da cultura contemporânea.

O trabalho teve início em 1998 e foi realizado em várias cidades, dentro e fora do país, como Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Praga (República Tcheca), Brest (França), e Berlim (Alemanha).

“ThePlace parte da crença na impotência do objeto artístico frente ao local que se propõe manifestar, ou seja, na cultura. Este espaço, considerando toda sua complexidade, possibilita vivências tão surpreendentes, que tornam esta produção plástica contemporânea atrelada à história da arte, incapaz de disputar alguma credibilidade ou interesse fora de seu círculo. O trabalho é a construção de uma pequena parte deste universo, que aqui propomos ser performado no espaço da arte", afirmam os artistas.

O trabalho se dá em dois momentos: o primeiro no campo da negociação entre artistas, instituição e comunidade local, quando o duo os instiga a participar desta rede de trocas. E o segundo acontece no campo da apropriação, sinalização* e disponibilização do espaço e equipamentos.

Para os artistas, “O som é o elemento agregador, pois não fala apenas aos especialistas. Nós o usamos como uma forma de propor uma experiência objetiva, em contraste à subjetividade largamente utilizada na arte contemporânea".

No final dos anos 1990, os artistas questionam "como viver, produzir arte, distribuí-la e transmitir seu conhecimento num contexto da economia da informação". Instigados por um aforisma de Roland Barthes publicado em “Incidentes”, em que descreve a potência de sua experiência no clube parisiense Le Palace na véspera de sua viagem ao Marrocos, o duo cria ThePlace na busca de uma experiência que tivesse "intensidade e duração".

Naquele momento, relatam os artistas, "nem sabíamos direito se estávamos fazendo arte". Mas ao compreender a potência do que faziam, começaram a pensar em questões como: qual é o papel do artista nesse novo desenho da sociedade e a relação entre arte e som, e passaram a articular noções de afeto, compartilhamento, copyleft, autoria, horizontalidade, além de problemas estéticos específicos da arte, como a noção de programa e processo, espaços de imersão etc. Questões que atravessam toda "prática" do duo.

Para Lisette Lagnado, os artistas são “pioneiros na introdução da síntese entre o espaço da arte e a pista de dança, vislumbrada na arte brasileira desde a Cosmococa CC2 ONOOBJECT (1973), de Hélio Oiticica, Manata Laudares vem mapeando a produção sonora contemporânea e nos entregam agora sua versão fria e coerente com nossa distopia”.

*O espaço é demarcado com a malha de quebra-cabeça cego para indicar o local da ação e tornar os presentes parte da experiência.

SOBRE OS ARTISTAS

O duo Manata Laudares teve início em 1996, em Belo Horizonte, a partir da observação dos artistas sobre o universo do comportamento e da cultura da música eletrônica contemporânea.

Os artistas afirmam seu interesse em atuar na “economia política da arte” criando espaços de convivência e troca de informações que podem assumir vários formatos (residências, workshops, instalações e programas em processo). A estratégia passa pela utilização de signos universais, tais como: cantos de pássaros, batidas do coração, quebra-cabeças, a forma do alto falante ou o próprio objeto, como artifícios utilizados na construção de uma rede que aguça os sentidos dos participantes.

“Atuamos na membrana do sistema e na formação de artistas, gostamos de agir como ‘catalisadores’, acelerando os processos”, ressalta Manata.

O som, no trabalho do duo, atua como “dispositivo social” e tem valor agregador e possibilitador. Ele promove um resgate da memória e o intercâmbio cultural, sem pedir especialistas, ao mesmo tempo em que é tratado como um canal de afeto.

“Nossas atividades sonoras agregam tanto iniciados quanto os que não têm acesso aos discursos acadêmicos e aos espaços específicos do sistema, como as galerias e salões”, diz Laudares. Os artistas propõem arte contemporânea na forma de "mediação e intervenção pública" ao afirmar: “Nós somos o Sistema de Som”.

Posted by Patricia Canetti at 11:22 AM