Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise no blog:
Arquivos:
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 16, 2018

André Parente no Sesc, Sorocaba

Figuras na Paisagem é o nome da exposição que estará sediada no Sesc Sorocaba entre os dias 04 de maio e 29 de julho. O artista que realizou as obras expostas é André Parente, que é também teórico do cinema e das novas mídias. A exposição é composta por três obras: “Circuladô”, “A Bela e a Fera” e “O Vento Sopra Onde Quer”. A visitação à exposição é gratuita e aberta ao público, de terças a sextas, às 9h às 21h30 e aos sábados, domingos e feriados, das 10h às 18h30, no Espaço de Exposições.

Nos três trabalhos se opera uma síntese das passagens entre corpo e paisagem, entre imagem e som, imagem e dispositivo, que convidam o espectador experimentar uma verdadeira aventura audiovisual.

A obra “Circuladô” faz referência à circularidade própria aos dispositivos de linguagem cinematográfica, trata-se ao mesmo tempo de um projeto de instalação de zoetropes, um vídeo de curta-metragem, um livro, uma vídeo-instalação multicanal e interativa de grandes dimensões.

Já a obra “O Vento Sopra Onde Quer” é uma vídeo-instalação, na qual o espectador se depara com um dispositivo interativo que possui doze canais e um teclado, onde cada uma das doze teclas da escala cromática aciona uma das doze séries de imagens projetadas de close-ups de mãos presentes no cinema de Robert Bresson.

“A Bela e a Fera” é uma obra que sintetiza videoinstalação e filme-ensaio, tentando provocar uma sensação de estranhamento no espectador, por meio de projeções das imagens de pessoas em tamanho real e do Rio de Janeiro enquanto cidade mítica, cidade-corpo em decomposição e cidade de manifestações e por meio de sons de vozes e respirações, para produzir um clima de terror e de ironia, de erotismo e hipnose.

André Parente é Doutor pela Universidade de Paris 8, sob a orientação de Gilles Deleuze. Em 1991, fundou o Núcleo de Tecnologia da Imagem (N-Imagem) da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Entre 1977 e 2017, realizou inúmeros vídeos, filmes, instalações e performances sonoras nos quais predominam a dimensão experimental e conceitual. Seus trabalhos foram apresentados no Brasil e no exterior, Alemanha, França, Espanha, Suécia, Espanha, México, Canadá, Argentina, Colômbia, China, entre outros.

O artista também é autor de vários livros, como: Imagem-máquina. A era das tecnologias dovirtual (1993), Sobre o cinema do simulacro (1998), O virtual e o hipertextual(1999), Narrativa e modernidade (2000), Tramas da rede (2004), Cinema et narrativité (L’Harmattan, 2005), Preparações e tarefas (2007), Cinema emtrânsito (2012), Cinemáticos (2013), Cinema/Deleuze (2013), Passagens entre Fotografia e Cinema na Arte Brasileira (2015), entre outros.

Nos últimos anos obteve vários prêmios: Prêmio Rumos do Itaú Cultural, Prêmio Petrobrás de Novas Mídias, Prêmio Sergio Motta de Arte e Tecnologia, Prêmio Petrobrás de Memória das artes, Prêmio Oi Cultural, Prêmio da Caixa Cultural Brasília, Prêmio Funarte de Artes Visuais, Prêmio Oi Cultural, Prêmio Marc Ferrez.

Posted by Patricia Canetti at 1:50 PM