Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2018
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
dezembro 2015
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
dezembro 2014
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
dezembro 2013
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
setembro 2012
agosto 2012
junho 2012
abril 2012
março 2012
fevereiro 2012
novembro 2011
setembro 2011
agosto 2011
junho 2011
maio 2011
março 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
junho 2010
fevereiro 2010
janeiro 2010
dezembro 2009
novembro 2009
maio 2009
março 2009
janeiro 2009
novembro 2008
setembro 2008
agosto 2008
julho 2008
maio 2008
abril 2008
fevereiro 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
agosto 2007
junho 2007
maio 2007
março 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
outubro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
junho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
janeiro 2005
dezembro 2004
novembro 2004
outubro 2004
setembro 2004
agosto 2004
junho 2004
maio 2004
abril 2004
março 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

maio 14, 2018

O tempo das coisas na Ruben Berta, Porto Alegre

A Coordenação de Artes Plásticas da Secretaria de Cultura de Porto Alegre apresenta a segunda parte de “O tempo das coisas”. Intitulada Módulo 2, a nova exposição tem lugar na Pinacoteca Ruben Berta, com abertura no dia 17/5, às 18h30min. No dia 19/5, a mostra integra a programação da Noite dos Museus, recebendo o público das 19h até 1h da madrugada do dia seguinte.

“O tempo das coisas - módulo 2” apresenta obras dos artistas contemporâneos Antônio Augusto Bueno, Bruno Borne, Frantz, Paulo Nenflídio, Túlio Pinto, do russo Fyodor Pavlov-Andreevich e do duo Ío (formado por Laura Cattani e Munir Klamt).

Entre os trabalhos, alguns foram desenvolvidos especialmente para a exposição, tendo como ponto de partida o próprio espaço arquitetônico do antigo casarão da Ruben Berta ou de sua área externa. Há, ainda, proposições de artistas que abordam a coleção da Pinacoteca.

Além disso, também integram a exposição 6 obras pertencentes ao respectivo acervo, a partir de um recorte curatorial que traz a público uma escultura de Hildegardo Leão Velloso e pinturas de Batista da Costa, Fernando Duval, Jeronimus Van Diest, Oscar Crusius e Tomie Ohtake.

O projeto “O tempo das coisas” tem concepção e curadoria do crítico de arte, jornalista e pesquisador Francisco Dalcol. A primeira mostra foi inaugurada em 19/3 e segue aberta até 1º/6, no Porão da Pinacoteca Aldo Locatelli, no Paço Municipal de Porto Alegre, com trabalhos de Bruno Borne, Fyodor Pavlov-Andreevich, Ío e Túlio Pinto.

Configurando-se como uma segunda exposição interligada à primeira, o “Módulo 2” agora apresenta novos trabalhos dos artistas da mostra de estreia, desta vez ao lado de outros artistas que passam a integrar esta nova exposição juntamente às referidas obras da Pinacoteca Ruben Berta, que são mobilizadas pela curadoria com interesse em propor diálogos e confrontos no espaço expositivo.

A coleção da Pinacoteca Ruben Berta, como já dito, é o ponto de partida de 2 proposições que desenvolvem distintas estratégias artísticas interessadas em abordar as obras e mesmo o acervo. É o que fazem Frantz, que promove uma interferência no catálogo da Pinacoteca e se apropria de uma pintura de Tomie Ohtake para compor uma das salas da exposição, e também o duo Ío, que desenvolve uma investigação artística a partir do caso do sumiço da obra de Alberto da Veiga Guignard pertencente à Ruben Berta.

Os demais artistas do “Módulo 2” igualmente apresentam trabalhos novos ou inéditos em Porto Alegre.

Bruno Borne oferece um desdobramento do que desenvolveu para o “Módulo 1”. Em sua pesquisa em torno do espaço arquitetônico e da linguagem da animação digital, agora mostra um vídeo em que aborda os espaços físicos do casarão da Ruben Berta — no trabalho da primeira exposição, seu interesse foi a arquitetura do Porão do Paço.

Fyodor Pavlov-Andreevich participa desta vez com um microfilme que registra uma performance que realizou ao longo de 7 horas. O trabalho do artista russo enfatiza os aspectos de duração e resistência física e psicológica nos modos como explora os limites do corpo enquanto suporte expressivo em suas práticas artísticas, explicitando questões sociais que o mobilizam, tais como as condições de escravidão que identifica na sociedade contemporânea.

Paulo Nenflídio integra a exposição com uma escultura sonora. É um conjunto de objetos construídos em madeira e metal, configurados como um sistema de pêndulos percussivos afinados na escala pentatônica. A estrutura é alimentada por uma fonte eletromagnética que mantém os pêndulos em movimento constante. Na extremidade do objeto, há um sino metálico pendurado num suporte com trilho e manivela. Com o balanço do sino, ora ocorre a percussão, ora não.

Túlio Pinto apresenta 2 trabalhos que se vinculam à sua pesquisa sobre a prática e o pensamento escultóricos aplicados à linguagem contemporânea que endereça a seus objetos e estruturas, todos caracterizados pelo estado de tensão e suspensão. São obras feitas de materiais industriais como metal, vidro e madeira, compondo uma produção de trabalhos que se interligam ao lidar com os equilíbrios, os pesos, as densidades e as força dos sistemas instalativos que os configuram.

Além dessas obras no espaço expositivo da Pinacoteca Ruben Berta, “O tempo das coisas - módulo 2” também traz a público um trabalho desenvolvido na área externa do casarão. No pátio aos fundos, Antônio Augusto Bueno apresenta uma grande escultura ao ar livre, desenvolvida no próprio local. A instalação é composta por gravetos que o artista recolheu na Lomba do Pinheiro, destino para onde são levados em Porto Alegre os resíduos de coleta e poda urbanas. Em suas diversas idas ao aterro municipal para a realização do projeto, Antônio realizou fotografias e vídeos que integram uma segunda parte do trabalho, esta apresentada em uma mesa e uma TV, dentro do casarão da Ruben Berta.

Encerramento do Módulo 1 com desdobramentos de projeto artístico

Em exibição até 1º/6 no Porão do Paço Municipal, a primeira parte de “O tempo das coisas” terá uma ação antes de seu encerramento. No dia 21/5, o duo Ío promoverá a etapa final do trabalho intitulado “Ilinx”: a sua planejada e esperada destruição. A obra foi construída no próprio espaço expositivo para integrar o “Módulo 1”.

Evocando certo fascínio da destruição sem propósito, a instalação é orientada pelos princípios de reação em cadeia – ou, ainda, jogos infantis, que têm como único objetivo a queda e a bagunça. “Ilinx” constitui-se como uma queda de dominós, sendo que barras de concreto, chocolate escorrido, vidro estilhaçado e pedras serão os vestígios remanescentes desse processo. Após a destruição da estrutura, os acontecimentos, os encaixes entre as partes e o encadeamento desse dispositivo de desabamento – assim como o exíguo tempo de duração – passarão a existir apenas na imaginação do espectador.

Posted by Patricia Canetti at 11:57 AM