Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


setembro 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
        1 2 3
4 5 6 7 8 9 10
11 12 13 14 15 16 17
18 19 20 21 22 23 24
25 26 27 28 29 30  
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

setembro 11, 2016

Cleverson Oliveira, Gabriele Gomes e Fernando Burjato na Galeria Virgilio, São Paulo

A Galeria Virgílio exibe obras dos artistas paranaenses Fernando Burjato, Gabriele Gomes e Cleverson Oliveira produzidas nos últimos vinte anos.

A carreira dos três artistas começa no início dos anos 1990, quando ainda eram alunos da Escola de Música e Belas Artes do Paraná (EMBAP), em Curitiba. Logo que se formaram, cada um tomou um rumo diferente, fora da capital paranaense. Ainda assim, as obras dos três seguem paralelas, e nestes últimos vinte anos, têm mantido um rico diálogo, feito de aproximações e divergências, o que pôde ser observado na mostra intitulada Colapso, realizada entre 2015 e 2016 no Museu Oscar Niemeyer, com a curadoria de Ana Rocha.

O mundo físico é uma espécie de transbordamento da exposição curitibana, que teve mais de 11 mil visitantes; propõe um outro recorte do trabalho dos artistas, que se desenvolve em diversos materiais e linguagens: pintura, desenho, objeto, fotografia.

Gabriele Gomes (Curitiba, 1971), que reside no Rio de Janeiro, produz instalações, fotografias, objetos e poemas, tendo como referência a tradição da pintura. Há em sua obra o desejo de fazer uma pintura que se estenda para fora do quadro, transformar em pintura aquilo que existe de mais trivial.

Se Gabriele traz a pintura para o mundo físico, para os espaços entre as coisas, Cleverson Oliveira (Curitiba, 1972) cria instalações gráficas, como desenhos de paisagem que podem ser vistos por dentro. Ou obras em grafite sobre papel em que o olhar do espectador oscila entre a nitidez da superfície e o caráter turvo de uma imagem que se reconhece.

Fernando Burjato (Ponta Grossa, 1972), desde 2000 trabalha principalmente como pintor. Seus quadros, entretanto, se alongam para fora dos limites da tela, a tinta escorre e seca, formando franjas, como uma pele que se escama e pende, como farrapos, contrastando com a luminosidade e a leveza das cores. É representado pela Galeria Virgílio desde 2009.

Posted by Patricia Canetti at 1:52 PM