Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


maio 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
1 2 3 4 5 6 7
8 9 10 11 12 13 14
15 16 17 18 19 20 21
22 23 24 25 26 27 28
29 30 31        
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

maio 1, 2016

Abraham Palatnik na Nara Roesler, New York

A Galeria Nara Roesler anuncia sua participação na seção Spotlight da Frieze New York com uma mostra de trabalhos poucas vezes vistos do artista cinético Abraham Palatnik, com curadoria de Clara M Kim. Paralelamente à Frieze, a galeria apresenta, em seu espaço recém-inaugurado em Nova York, um panorama da obra do artista, desde a década de 1970 até os dias atuais.

[Scroll down for English]

Pioneiro da Arte Cinética ao lado de Jesús Rafael Soto, Julio Le Parc e Carlos Cruz Diez, Abraham Palatnik possui um estilo criativo de inventividade ímpar. Por suas práticas esculturais que utilizam a iluminação e o espaço, seus aparatos cinéticos com tecidos, motores e luzes, seus relevos e até projetos de móveis, o artista é merecedor do título de Inventor da Arte Cinética, a ele atribuído por Frank Popper.

Na Frieze Spotlight, a Galeria Nara Roesler apresentará uma cabine cuidadosamente selecionada pela curadora Clara M. Kim, destacando diversos aspectos da produção do artista em trabalhos que datam de 1955 a 1971, bem como materiais de arquivo que incluem cadernos pessoais, diários e fotografias históricas. Uma obra importante é Sem Título (1955). Considerada uma peça única, projeta uma série de imagens abstratas, utilizando lâmpadas multicoloridas e painéis opacos para pintar, “com luz”, abstrações criadas pelas cores. Trata-se de uma versão puramente cromática dos Aparelhos Cinecromáticos completamente motorizados da década de 1960, também presentes na cabine.

A mostra na Frieze Spotlight fornece subsídios à individual do artista que acontece simultaneamente no espaço da Galeria Nara Roesler em Nova York. Apresentando trabalhos da série Relevos Progressivos, a exposição inclui produções em madeira de jacarandá, papel cartão duplex e acrílico sobre madeira.

Esta é a primeira mostra individual do artista desde a exposição realizada em 1965 na Howard Wise Gallery: Cinecromaticos by Abraham Palatnik of Brazil (Nova York, outubro de 1965). Um dos Artistas Cinéticos mais produtivos e reconhecidos do Brasil, aos 88 anos de idade Palatnik continua desenvolvendo novas técnicas e inspirando novas gerações de artistas no mundo todo. As duas exposições paralelas proporcionam ao público a oportunidade de explorar a evolução da prática do artista, combinando a tecnologia do passado ao caráter ilusório do presente.

Abraham Palatnik estudou na Montefiore School em Tel Aviv, onde cursou especialização em Motores de Combustão Interna, e no Instituto Municipal de Arte na mesma cidade, onde estudou pintura, desenho, história da arte e estética de 1932 a 1937. Participou de oito edições da Bienal de São Paulo, no Brasil (entre 1951 e 1969) e da 32ª Bienal de Veneza (1964), com Mavignier, Volpi e Weissmann. Obras suas estão atualmente em exposição na mostra The Illusive Eye, no Museo del Barrio, em Nova York (de 03 de fevereiro a 21 de maio de 2016) e suas exposições mais recentes incluem “A Reinvenção da Pintura” (2015), realizada no ano passado no Museu Iberê Camargo em Porto Alegre, que cobriu 65 anos de sua carreira prolífica. A exposição já passou pelo Museu Oscar Niemeyer (Curitiba, 2014), Museu de Arte Moderna de São Paulo - MAM-SP (São Paulo, 2014) e Centro Cultural Banco do Brasil (São Paulo, 2013). O trabalho de Abraham Palatnik está representado nas coleções do MoMA, em Nova York; do Museu de Arte Moderna de São Paulo; do Museu de Arte Contemporânea de Niterói; do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro; do Museu de Arte Contemporânea da USP, em São Paulo; do Museu de Arte Contemporânea de Curitiba; do Museo de Arte Latinoamericano em Buenos Aires, Argentina; e do Musées Royaux des Beaux-Arts de Belgique, em Bruxelas, Bélgica, entre outros.


Galeria Nara Roesler announces its participation in Frieze New York’s Spotlight section with a presentation of rarely seen historical works by kinetic artist Abraham Palatnik, curated by Clara M Kim. Parallel to Frieze, the gallery showcases, in it’s newly inaugurated New York space, a panoramic solo exhibition of the artist’s works spanning from the 1970’s to present date.

A pioneer of Kinetic Art, alongside Jesús Rafael Soto, Julio Le Parc, and Carlos Cruz Diez, Abraham Palatnik’s inventiveness remains unique to his creative style. Through sculptural practices in light and space, kinetic apparatuses with fabrics, motors and lights, reliefs, and even furniture design, the artist is deserving of the title Inventor of Kinetic Art, as described by Frank Popper.

For Frieze Spotlight, Galeria Nara Roesler presents an intimately selected booth curated by Clara M Kim; which highlights different facets of the artist’s production, focusing on works dating from 1955 - 1971 as well as archival material in the form of personal sketchbooks, diaries, and historical photographs. A focal work is Untitled (1955). Thought to be one of its kind, the piece projects a series of abstract images using multi-colored bulbs and opaque panels to paint “with light” color driven abstractions. It consists of a purely chromatic version of the fully motorized Kinechromatic Devices of the 1960s, also present in the booth.

The Frieze Spotlight presentation provides grounds for the artist’s simultaneous individual exhibition at Galeria Nara Roesler’s New York space. Showcasing Palatnik’s works belonging to his series Progressive Reliefs, the exhibition includes productions in Jacarandá wood, duplex paperboard, and acrylic on wood.

This is the artist’s first individual show since his 1965 solo presentation at Howard Wise Gallery: Cinecromaticos by Abraham Palatnik of Brazil (New York, October, 1965). One of Brazil’s most prolific and recognized Kinetic Artists, at 88 Palatnik continues to develop new techniques, inspiring new generations of artists worldwide. With the two parallel shows, the public has the opportunity to explore the progression of the artist’s practice, combining the technology of the past with the illusiveness of the present.

Posted by Patricia Canetti at 11:36 AM