Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


abril 2016
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
          1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

abril 11, 2016

Elisa Bracher na Mercedes Viegas, Rio de Janeiro

A galeria Mercedes Viegas Arte Contemporânea inaugura dia 14 de abril, quinta-feira, a próxima exposição da artista paulista Elisa Bracher, Vermelhas, conhecida por suas esculturas monumentais de madeira e pedra assim como pelos desenhos e gravuras de traços orgânicos e ou geométricos. A curadora Elisa Byington selecionou em torno de vinte desenhos que ocuparão todo o andar térreo da galeria. A artista apresenta a sua mais recente produção de desenhos, onde a cor é o elemento guia pela primeira vez.

Bracher utiliza grafite, bastão oleoso e tinta para gravura, sobre os levíssimos papéis arroz e papel de seda, translúcidos; a leveza contrasta com a intensidade do traço e dos gestos largos que a cor vermelha impregna de visceralidade, erotismo, emotividade.

A exposição ficará em cartaz até o dia 14 de maio, sábado. Nesse período haverá uma conversa com a artista e a curadora em data a ser anunciada. Até 29 de maio, também no Rio de Janeiro, a artista apresenta uma grande exposição no Paço Imperial, "Anatomia da flor", também com a curadoria da historiadora de arte Elisa Byington. As duas mostras se complementam.

Elisa Bracher (São Paulo - SP - 1965) - Escultora, gravadora e desenhista. É formada em artes plásticas pela Fundação Armando Álvares Penteado - Faap, em São Paulo. Fez curso de gravura em metal com Evandro Carlos Jardim. Começou a expor suas gravuras em 1988, na 8ª Mostra de Gravura da Cidade de Curitiba, Paraná. Participou da 9ª Mostra, dois anos depois, e conquistou o Prêmio Aquisição. Nesse mesmo ano, recebeu o Prêmio Brasília de Artes Plásticas - Medalha Miró/Picasso, no 12º Salão Nacional de Artes Plásticas, conferido pela Unesco. Em 1998, a editora Cosac Naify publicou o livro “Madeira sobre Madeira”, com texto de Rodrigo Naves, sobre sua obra, junto com a exposição individual na Pinacoteca do Estado de São Paulo. Em 2006 tem lugar a exposição “Maneira Branca – Gravuras 2005-20016”, no edifício da Estação Pinacoteca - SP, seguindo-se a publicação do livro com mesmo título, uma parceria com a Cosac Naify. É autora de obras situadas em espaços públicos no Rio de Janeiro e em São Paulo, mas também em Essex (UK) e em Berlim (Alemanha). É fundadora do Instituto Acaia, organização social sem fins lucrativos que acolhe e oferece atividades socioeducativas a crianças, adolescentes e famílias financeiramente carentes em São Paulo.

Posted by Patricia Canetti at 1:52 PM