Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2015
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

junho 16, 2015

Manoel Veiga na Mezanino, São Paulo

Conexões entre arte e ciência são presentes na obra do artista

Manoel Veiga - Trabalhos Recentes, Galeria Mezanino, São Paulo, SP - 17/06/2015 a 11/07/2015

O artista plástico Manoel Veiga apresenta nova exposição individual a partir do dia 16 de junho de 2015 (terça-­feira), 19h às 22h, na Galeria Mezanino, em Pinheiros, em São Paulo. A mostra, que fica em cartaz até o dia 11 de julho de 2015, tem texto e curadoria de Agnaldo Farias (Crítico de Arte, curador e professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo ­- FAU/USP).

A mostra marca os 15 anos da primeira individual do artista recifense, em agosto de 2000, na Fundação Joaquim Nabuco com texto do curador Moacir dos Anjos, além de celebrar a sua nova representação pela Galeria Mezanino, do galerista Renato De Cara. Pinturas recentes e uma série fotográfica fazem parte da mostra.

Obras

Ao longo do seu trabalho como artista visual, as conexões entre arte e ciência estiveram sempre presentes, tanto em seu aspecto conceitual quanto prático/construtivo. Através da pintura e da fotografia vem explorando as noções de espaço e tempo, gerando novas relações e cruzamentos entre suas formas de representação nos dois campos.

As pinturas evidenciam os desenvolvimentos de sua linguagem e processo onde fenômenos da natureza (difusão, gravidade, capilaridade, etc) são utilizados como ferramentas de construção, num procedimento técnico bem estruturado mas que contém em seu bojo uma certa medida de acaso. Há pouco uso do pincel, o direcionamento do fluxo de tinta é feito de forma indireta.

Na série “Hubble”, o ponto de partida é a apropriação de imagens em alta resolução do cosmos (nebulosas, galáxias, etc.), feitas pelo telescópio de mesmo nome. Elas são trabalhadas em programa de edição onde primeiramente são transformadas em imagens em preto e branco. Em seguida as cores são invertidas, o preto tornando ­se branco e vice­-versa. O ponto luminoso de uma estrela transforma ­se em ponto preto, gráfico, sobre um novo fundo branco, favorecendo uma conexão com o desenho e a gravura.

Manoel Veiga nasceu em 1966, em Recife (PE). Vive e trabalha em São Paulo (SP). Graduado em Engenharia Eletrônica pela Universidade Federal de Pernambuco, em 1994 dedica­ se às Artes Plásticas. Estudou na Escola Nacional Superior de Belas­ Artes e na Escola do Louvre em Paris, França. Em São Paulo, estudou com Rodrigo Naves, Leon Kossovitch, Carlos Fajardo e com Nuno Ramos.

Realizou 22 mostras individuais em instituições e galerias pelo Brasil e no exterior, como na França e Alemanha. Destaque para Galeria Dengler Und Dengler (2015­ - 2013 - ­2010), em Stuttgart (Alemanha); Galeria D’Est et D’Ouest (2011), em Paris (França); Galeria Nara Roesler (2010), em São Paulo; MAC Paraná (2009), em Curitiba; Museu Murillo La Greca (2007), em Recife; Paço das Artes (2003), em São Paulo; e Galeria Vicente do Rego Monteiro Fundação Joaquim Nabuco (2000), em Recife.

Participou de diversas mostras coletivas em instituições como Paço das Artes, Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba, Museu de Arte Contemporânea de Goiás, Instituto Tomie Ohtake, Museu de Arte Contemporânea de Curitiba, Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães em Recife, Familie Montez Kunstverein em Frankfurt na Alemanha, SESC Pompéia, Centro Cultural Parque de Espanha em Rosario na Argentina, Memorial da América Latina e Espaço Cultural Bandepe.

Recebeu prêmios “Mostras de Artistas no Exterior” (Fundação Bienal de São Paulo / Ministério da Cultura do Brasil), em 2010; Jabuti (Ilustração para Livro Infantil), em 2010; Flamboyant (Salão Nacional de Arte de Goiás) e Menção Especial (Bienal do Recôncavo), ambos em 2006.

Tem obras em coleções públicas como Fundação Joaquim Nabuco, em Recife (PE); Museu de Arte Contemporânea, em Goiânia (GO); Museu de Arte Contemporânea do Paraná, em Curitiba (PR); Museu de Arte Contemporânea de Sorocaba (SP); Museu de Arte Moderna Aloísio Magalhães e Sesc Pernambuco, ambas em Recife (PE).

Posted by Patricia Canetti at 2:13 PM