Página inicial

Blog do Canal

o weblog do canal contemporâneo
 


junho 2015
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
  1 2 3 4 5 6
7 8 9 10 11 12 13
14 15 16 17 18 19 20
21 22 23 24 25 26 27
28 29 30        
Pesquise no blog:
Arquivos:
As últimas:
 

janeiro 18, 2006

An Oak tree, uma porta de entrada para a obra de Souzousareta Geijutsuka, por Luisa Duarte

Texto de Luisa Duarte, produzido para a exposição de Yuri Firmeza no Museu de Arte Contemporânea do Ceará

An Oak tree, uma porta de entrada para a obra de Souzousareta Geijutsuka

LUISA DUARTE

Ao ser apresentada a obra do artista japonês Souzousareta Geijutsuka, na mostra Geijitsu Kakuu, imediatamente me veio a lembrança de um trabalho de arte que me é muito caro, chamado An Oak Tree, de 1973, do inglês Michael Craig-Martin, que se encontra no acervo da Tate Modern, em Londres.

Pela simplicidade, pela devoção ao que é quase impalpável, pela crença incluída em qualquer trabalho de arte, crença primeiro do artista, depois do espectador, por esses e outros motivos creio que a obra de Craig-Martin pode ser uma excelente porta de entrada para quem quiser adentrar o universo proposto por Geijutsuka em sua exposição no Centro Dragão do Mar.

An Oak tree nada mais é do que um copo de vidro com água dentro, apoiado sobre um suporte de vidro preso numa parede. Ao lado lê-se um pequeno texto, que traz o seguinte diálogo:

Q: To begin with could you describe this work?

A: Yes, of course. What I've done is change a glass of water into a full-grown oak tree without altering the accidents of the glass of water.

Q: The accidents?

A: Yes. The colour, feel, weight, size.

Q: Haven't you simply called this glass of water an oak tree?

A: Absolutely not. It is not a glass of water anymore. I have changed its actual substance. It would no longer be accurate to call it a glass of water. One could call it anything one wished but that would not alter the fact that is an oak tree…

Q: Do you consider that changing the glass of water into a oak tree constitutes an artwork?

A: Yes.

Se não for uma afronta ao grande artista que temos a honra de receber no Brasil, e dada a simplicidade da obra que trago aqui como referência, sugiro que reproduzam An Oak Tree na ante-sala da exposição Geijitsu Kakuu, de Geijutsuka. O público terá, a meu ver, um ótimo cartão de visita para compreender melhor a aposta feita pelo trabalho deste artista asiático que lida com a crença no poder do artista, com a imaterialidade e os fenômenos da natureza.

Luisa Duarte é crítica de arte e curadora

Posted by João Domingues at 10:45 AM | Comentários(2)
Comments

Luiza, que comparação hein?

Posted by: marcelo pinheiro at janeiro 23, 2006 4:14 PM

Parece que a Luisa Duarte não entendeu nada...
Já ouviu falar de "Darko Maver", minha cara?

Posted by: Guy A. at janeiro 23, 2006 11:51 PM
Post a comment









Remember personal info?