Página inicial

Arte em Circulação

 


dezembro 2020
Dom Seg Ter Qua Qui Sex Sab
    1 2 3 4 5
6 7 8 9 10 11 12
13 14 15 16 17 18 19
20 21 22 23 24 25 26
27 28 29 30 31    
Pesquise em
arte em circulação:

Arquivos:
dezembro 2020
novembro 2020
outubro 2020
setembro 2020
julho 2020
junho 2020
abril 2020
março 2020
fevereiro 2020
dezembro 2019
novembro 2019
outubro 2019
setembro 2019
agosto 2019
julho 2019
junho 2019
maio 2019
abril 2019
março 2019
fevereiro 2019
janeiro 2019
dezembro 2018
novembro 2018
outubro 2018
setembro 2018
agosto 2018
julho 2018
junho 2018
maio 2018
abril 2018
março 2018
fevereiro 2018
janeiro 2018
dezembro 2017
novembro 2017
outubro 2017
setembro 2017
agosto 2017
julho 2017
junho 2017
maio 2017
abril 2017
março 2017
fevereiro 2017
janeiro 2017
dezembro 2016
novembro 2016
outubro 2016
setembro 2016
agosto 2016
julho 2016
junho 2016
maio 2016
abril 2016
março 2016
fevereiro 2016
janeiro 2016
novembro 2015
outubro 2015
setembro 2015
agosto 2015
julho 2015
junho 2015
maio 2015
abril 2015
março 2015
fevereiro 2015
janeiro 2015
novembro 2014
outubro 2014
setembro 2014
agosto 2014
julho 2014
junho 2014
maio 2014
abril 2014
março 2014
fevereiro 2014
janeiro 2014
novembro 2013
outubro 2013
setembro 2013
agosto 2013
julho 2013
junho 2013
maio 2013
abril 2013
março 2013
fevereiro 2013
janeiro 2013
dezembro 2012
novembro 2012
outubro 2012
setembro 2012
agosto 2012
julho 2012
junho 2012
maio 2012
março 2012
fevereiro 2012
dezembro 2011
outubro 2011
setembro 2011
agosto 2011
julho 2011
junho 2011
maio 2011
abril 2011
janeiro 2011
dezembro 2010
novembro 2010
outubro 2010
setembro 2010
julho 2010
maio 2010
abril 2010
março 2010
dezembro 2009
novembro 2009
outubro 2009
setembro 2009
agosto 2009
julho 2009
junho 2009
maio 2009
abril 2009
março 2009
janeiro 2009
dezembro 2008
novembro 2008
setembro 2008
maio 2008
abril 2008
dezembro 2007
novembro 2007
outubro 2007
setembro 2007
agosto 2007
julho 2007
junho 2007
maio 2007
abril 2007
março 2007
fevereiro 2007
janeiro 2007
dezembro 2006
novembro 2006
setembro 2006
agosto 2006
julho 2006
maio 2006
abril 2006
março 2006
fevereiro 2006
janeiro 2006
dezembro 2005
novembro 2005
outubro 2005
setembro 2005
agosto 2005
julho 2005
junho 2005
maio 2005
abril 2005
março 2005
fevereiro 2005
novembro 2004
junho 2004
abril 2004
março 2004
fevereiro 2004
janeiro 2004
dezembro 2003
novembro 2003
outubro 2003
setembro 2003
agosto 2003
As últimas:
 

dezembro 21, 2020

O Fantasma Chinês por Érika Nascimento

O Fantasma Chinês

ÉRIKA NASCIMENTO

No desejo de antecipar o futuro, este cada vez mais incerto e longínquo, habitamos um presente marcado por uma expectativa de estabelecer conexões pelos desejos de fé, suspensão e magia. Neste espaço em transição, Cassaro cria uma espécie de teatro dos objetos, dando vida ao Fantasma Chinês, conhecido como Jiangshi, ou mesmo fantasma viajante ou saltador. Um teatro do encantamento, de uma magia tropeçada.

O Fantasma Chinês, de forma cúbica de cédulas de renminbi – nome da moeda oficial chinesa –, flutua com o vento como se fosse um espírito ancestral aprisionado em uma armadilha escultórica. Parte dessas formas escultóricas estão presas por mecanismo tecnológicos ou artesanais chineses que rotacionam na vertical e horizontal, outras estão fixas por objetos, como pela representação do Velho Sábio e do Dragão Chinês.

Os chineses classificam os números como de sorte ou de azar de acordo com a sua semelhança fonética com palavras que possuem significados negativos ou positivos. Neste ano fragmentado, na numerologia a soma de 2020 é quatro. A letra chinesa para quatro tem som muito semelhante à palavra morte. Não à toa, o Velho Sábio, detentor dos segredos relacionados à origem do mundo, está exposto na frente da vitrine observando a rua, carregando por uma vara de bambu quatro moedas amarradas por linha vermelha.

Nessa instalação, os objetos cúbicos ganham novas formas de circulação, mesmo que estejam aprisionados ou conectados por linhas vermelhas, que representam felicidade e prosperidade na cultura popular chinesa. Diante deste oráculo, proposto pelo Fantasma Chinês, é possível acreditar na magia das coisas.

Posted by Patricia Canetti at 12:25 PM